Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 3 de junho de 2020
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Bancários de Dourados param por uma hora nesta terça-feira

10 Abr 2007 - 07h42
O Sindicato dos Bancários de Dourados aderiu à paralisação nacional em defesa da manutenção do veto do presidente Luiz Inácio Lula da Silva à “Emenda 3” e vão abrir uma hora mais tarde nesta terça-feira. Segundo Marcelo Assis, do Sindicato dos Bancários de Campo Grande, na Capital os bancários não vão aderir ao protesto e vão abrir normalmente hoje.

O objetivo da greve de advertência é pressionar para que os parlamentares mantenham suspensa a “Emenda 3”, que aparentemente transfere do fiscal do Trabalho para a Justiça do Trabalho o direito de desbaratar uma empresa (pessoa jurídica) criada para fraudar os direitos trabalhistas. Isto poderia tornar moroso o processo e prejudicar a vida do trabalhador.

Segundo Edgard Alves Martins, do Sindicato dos Bancários de Dourados, neste 10 de abril o atendimento nos bancos serão suspensos durante três horas nos grandes centros, enquanto em Dourados o expediente vai começar uma hora mais tarde. Os sindicatos temem que o Governo recue e acabe retirando o veto por conta de um lobby muito grande das empresas junto ao Congresso Nacional, que deve apreciar o veto do presidente no dia seguinte.

O presidente Lula vetou a chamada “Emenda 3” do projeto de lei que criou a Super-Receita. De acordo com o texto, o ex-empregado que se transforma em empresa ou pessoa jurídica passa a ser prestador de serviços, entretanto, continua cumprindo horário, recebendo ordens e exercendo as mesmas atividades de antes no ambiente da empresa.

O problema mexe nos direitos trabalhistas, como férias , 13º salário, FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) e multa por demissão. Neste caso, o trabalhador também perde direitos previdenciários como aposentadoria, auxílio-doença, auxílio-reclusão e licença-maternidade, entre outros, exceto no caso da Previdência, se continuar segurado do INSS e pagar 20% sobre o mesmo valor que, como empregado pagava de 8% a 11%.

Por outro lado, a emenda beneficia a empresa contratante que além de contar com prestação de serviços ininterruptos o ano todo ainda fica livre dos encargos como pagamento de 20% sobre a folha ao INSS e outros benefícios assegurados hoje ao empregado. A empresa também não vai precisar pagar a contribuição ao Sistema S sobre o prestador de serviços; nem aviso prévio proporcional ou indenização de 40% sobre o FGTS.

“No Brasil tem sido comum as grandes empresas exigirem de seus empregados que se transformem em empresas individuais ou pessoas jurídicas, para contratá-los como prestadores de serviços, livrando-se do pagamento de uma série de encargos trabalhistas e previdenciários. Isto já vem ocorrendo em algumas instituições bancárias, que operam com pessoal terceirizado”, lembra Martins.
 
 
 
Dourados Agora
 

Deixe seu Comentário

Leia Também

COISA MEDONHA
Mulher é desenterrada e estuprada um dia após ser sepultada
DOURADOS - NOVO EPICENTRO COVID-19
Dourados é novo epicentro do coronavírus em MS com mais de 300 casos confirmados
AUXÍLIO EMERGENCIAL
Caixa LIBERA 2ª parcela do auxílio de R$ 600 em contas dos beneficiários, veja os meses
ABSURDO
Médica relata ter sofrido agressões por parte de frequentadores de 'festas de corona'
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Menino de 9 anos, acidentalmente mata irmã de 7 anos com espingarda
TRAGEDIA NA RODOVIA
Mulher gravida e marido morrem e criança fica ferida em acidente trágico
PANDEMIA CORONAVIROS
Vai ser ''um massacre'', diz ex-diretor da Saúde sobre flexibilizar isolamento
BOA NOTICIA
Bolsonaro diz que auxilio emergencial pode ter quarta parcela, mas pagando menos
PRAZO MÁXIMO
Acordo prevê máximo de 20 dias para análise de auxílio emergencial
FÁTIMA DO SUL - BOLETIM CORONAVÍRUS
BOLETIM: Fátima do Sul tem mais 04 casos confirmados, sobe para 69 e tem 12 pacientes recuperados