Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sábado, 24 de outubro de 2020
SADER_FULL
Busca
ZANZI
greve nos bancos

Bancários de Dourados e Região fecham 30 agências no primeiro dia de greve

Os bancários de Dourados e Região mostram grande disposição para a luta

19 Set 2013 - 16h42Por Assessoria

Os bancários de Dourados e Região mostram grande disposição para a luta. No primeiro dia da greve por tempo indeterminado, trabalhadores de bancos públicos e privados cruzaram os braços em 30 agências da base do Sindicato dos Bancários de Dourados e Região, Sendo 25 em Dourados, 04 em Maracajú e 01 em Douradina.

Até agora, a tática dos banqueiros tem sido a intransigência. Nas mesas de negociação negaram os principais itens da pauta de reivindicações e, para completar, ofereceram pífios 6,1% de reajuste salarial. Um verdadeiro desrespeito.

“A adesão neste ano mais uma vez mostra que os trabalhadores estão unidos para conquistar aumento real, PLR, piso e vales maiores, além de contratações para melhorar as condições de trabalho”, destaca o presidente do Sindicato, Janes Estigarribia

“Os dados mostram a vontade da categoria em arrancar as conquistas efetivas da Fenaban (Federação Nacional dos Bancos). A mobilização vai crescer ainda mais nos próximos dias. Os bancários pretendem aumentar a mobilização e ir fechando gradualmente outras agências de sua base, até alcançar 100% de paralisação, como já ocorreu em anos anteriores”, destaca Estigarribia.

São 13 municípios que compõe a base do Sindicato de Dourados e Região, além da cidade sede, Dourados, ainda, Caarapó, Juty, Fátima do Sul, Vicentina, Jatei, Glória de Dourados, Deodapolis, Itaporã, Douradina, Rio Brilhante, Nova Alvorada do Sul e Maracajú.

Bancos são os responsáveis pela greve

A responsabilidade pela greve é das empresas. Há mais de um mês a categoria tenta negociar as reivindicações, mas a Fenaban (Federação Nacional dos Bancos) não ouve. Pior, mostra que não tem preocupação com a saúde, as condições de trabalho e a segurança de seus funcionários.

O fato mostra desrespeito não só com os trabalhadores, mas também com os clientes, afinal a pauta inclui questões de interesse da sociedade, como contratação para prestar atendimento humanizado e de qualidade e a redução das taxas de juros e tarifas, as mais altas do mundo.

O comportamento dos banqueiros em todas as rodadas de negociações foi de intransigência do início ao fim. O Comando Nacional, que representa cerca de 500 mil bancários de todo o país, entregou a pauta desde 30 de julho. De lá para cá, foram quatro rodadas e em todas as principais reivindicações foram negadas. No final, os bancos ofereceram reajuste de 6,1%, que sequer repõe a inflação dos últimos 12 meses. A categoria quer 11,93%.

Estudo do Dieese comprova que é possível pagar. Os seis maiores bancos tiveram lucro líquido de quase R$ 30 bilhões no primeiro semestre, média de R$ 62,5 mil por empregado. A alta é de 19,4% em relação ao mesmo período do ano passado. No quesito emprego, as organizações financeiras terminaram o semestre com média de 22,95 funcionários por agência, queda de 5% sobre os 24,15 de 2012.

A meta é outro problema grave que as empresas se recusam a discutir. A política perversa que transforma bancários em vendedores de produtos e serviços tem elevado o número de doenças ocupacionais, principalmente de cunho psicológico. No ano passado, 21.144 funcionários foram afastados por adoecimento, 25,7% por transtornos mentais, uma consequência direta da pressão e do assédio moral.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SIM A VIDA
Brasil se une a Egito, Indonésia, Uganda, Hungria e EUA em declaração contra o aborto
Invasão em residência acaba morador morto por tiro acidental TRAGÉDIA NA FAMILIA
Homem mata o próprio irmão ao atirar em invasor de residência
GUERRA DA VACINA
Bolsonaro diz que não comprará vacina chinesa, mesmo se aprovada pela Anvisa
Motorista da carreta diz que ainda tentou desviar, mas não conseguiu DOENÇA DO SÉCULO
Menor pega carro escondido, joga contra carreta e morre na hora
BRASIL - 155.403 MORTES
Covid-19: Brasil tem 24.818 novos casos em 24 horas
AJUDA
Caixa Econômica paga auxílio emergencial para 5,2 milhões de beneficiários
CORONAVIRUS
Morre voluntário brasileiro que participava de testes da vacina de Oxford
MORTE SUBITA
Idoso morre em voo de Cuiabá para SP; avião faz pouso de emergência
BRASIL - 154.176 MORTES
Covid-19: Brasil tem mais 271 óbitos e 15.383 novos casos em 24h
TRAGÉDIA NA CIDADE
Acidente entre trem e e micro-ônibus deixa uma mulher morta e feridos