Menu
SADER_FULL
sexta, 24 de setembro de 2021
Busca
Brasil

Bairro de Campo Grande soma 218 notificações com suspeita de dengue

3 Mar 2010 - 16h25Por Valquíria Oriqui / Mídia Max

Na Vila Jacy, bairro em que vivia Xisto Ramão Sadhas, de 55 anos, a provável 10ª vítima da dengue, já foram notificados 218 casos suspeitos da doença, segundo a Secretaria Municipal de Saúde Pública. Destes, oito casos já foram confirmados em laboratório. Em toda Campo Grande o número de notificações chega a 17.429 somente nos dois primeiros meses do ano, média 12 casos por hora.

Moradores da região estão assustados com o avanço da epidemia. Em apenas um quarteirão, pelo menos 10 pessoas caíram doentes após serem picado pelo mosquito aedes Aegypti. O número é alarmante tendo em vista a pequena quantidade de casas no quarteirão.

Dona Arlene Pereira de Souza, 54 anos, mora no bairro há 37 anos e já contraiu a doença duas vezes. Assustada com o que aconteceu com o vizinho, Arlene conta que o bairro nunca viveu uma situação como esta. “De dois anos pra cá que a situação ficou crítica. Antes não era assim”.

Dona Arlene atribui a infestação do mosquito na região a quantidade de casas abandonadas. “Se você subir essa rua você vai ver várias casas abandonadas e com as portas fechadas. Além disso as pessoas não têm os cuidados necessários para evitar a proliferação do mosquito. Eu tenho plantas em casa mas tomo todo cuidado necessário”, afirma.

Outra moradora antiga do bairro é a aposentada Dona Maria Marta Andrade Silva, 66 anos. Maria nunca teve dengue, por conta da idade avançada ela teme que o mosquito faça dela mais uma vítima. “Eu já tenho 66 anos, tenho medo de ficar doente. Eu faço a minha parte, mas fazer o que, não depende só de mim”, ressalta.

Ao ser questionada sobre o fumacê (carro que passa no final da tarde nas ruas de Campo Grande burrifando um veneno para matar as larvas do mosquito da dengue), a moradora diz que a última vez que passou foi nesse último sábado (27). “Fazia muito tempo que eles não passavam na rua, muito mesmo!”, afirma.

A família

A esposa de Xisto Ramão Sadhas, Marilene Felix Rodrigues Sadhas, mora no bairro há 4 meses com os dois filhos. A equipe do Midiamax esteve na residência da família e conversou com Marilene, que também está com dengue. Ela conta que quando compraram a casa, era impressionante o número de lixo e de água acumulada no local. “A casa estava abandonada, com certeza isso aqui era um foco de proliferação do mosquito”, afirma.

Xisto deu entrada no Hospital Adventista do Pênfigo na quinta-feira, 25 de fevereiro e veio a falecer no início da tarde de domingo.

Xisto trabalhou 25 anos como motorista da Sanesul e, após se aposentar, passou a realizar “bicos” consertando eletrodomésticos.

Com esse caso, a Capital soma 10 mortes com suspeitas da doença, sendo que desse número, 3 foram confirmados pela Secretaria Municipal de Saúde Pública como óbitos decorrentes da dengue. Os outros, assim como de Xisto, estão sendo investigados.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ROTA BIOCEÂNICA
Comissão mista homologa consórcio que vai construir ponte da Rota Bioceânica em MS
CASTELO DE AREIA
Idoso casa com prostituta 35 anos mais nova e flagra com outro
DOENÇA DO SÉCULO
Servidor público é encontrado pendurado em árvore
COVID-19
Ministra de Bolsonaro testa positivo para Covid e cancela agenda em Nova Andradina
ASSUSTADOR
Homem encontra boneca na parede com bilhete misterioso: "obrigada por me libertar"
VIDEOS VAZADOS
Torcedora do flamengo esquenta a web com vídeos íntimos
VOLTOU A SUBIR
Covid-19: Brasil registra em 24 horas 36.473 novos casos e 876 novas mortes
REVOLTANTE
Criança autista vítima de maus tratos é encontrada comendo fezes de cachorro para sobreviver
HOMICIDIO X SUICÍDIO
Marido mata esposa e tira própria vida; criança de 3 anos pede socorro a vizinho
NEGLIGÊNCIA
Criança de 2 anos ao volante mata prima de 3 anos atropelada