Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 11 de abril de 2021
Busca
Brasil

Bactéria vira alternativa para produzir plástico

16 Ago 2004 - 17h43
Uma equipe de cientistas suíços trabalha no cultivo de bactérias que poderão revolucionar tanto a medicina como a indústria do plástico.

Cerca de uma centena de bactérias --incluindo a que é conhecida com o nome científico de Pseudomonas putida-- devora toda uma série de produtos tóxicos para o homem como o fenol, o tolueno e outros derivados de hidrocarbonetos.

Durante o processo de digestão, essas bactérias produzem uma substância mais valiosa para os cientistas do que o petróleo --trata-se do biopolímero PHA, cujos terrenos de aplicação são enormes.

"As bactérias funcionam como os seres humanos", comentou a cientista Helene Felber, do Instituto Federal de Pesquisa de Materiais de Sankt Gallen, na Suíça. "Tal como nós transformamos em gordura o carbono que consumimos em excesso, esses microrganismos o transformam em PHA."

Matéria-prima

Graças a essas bactérias, os cientistas conseguiram três tipos de biopolímeros PHA, uma matéria-prima a partir da qual se poderia fabricar desde material para embalagens e colas, até substitutos da epiderme, válvulas cardíacas e artérias.

Segundo Bernard Witholt, do Instituto de Biotecnologia da Escola Superior de Tecnologia de Zurique, em 30 ou 40 anos será possível substituir progressivamente o petróleo pelas bactérias produtoras de material plástico.

Depois de ter estudado com cientistas do Instituto Federal Suíço de Proteção de Águas o metabolismo dos micróbios produtores de PHA, Witholt e está convencido do grande potencial desses microrganismos como devoradores de todo o tipo de matérias tóxicas em benefício do ambiente.

No entanto, segundo o especialista, é preciso separar muito bem os dois processos: "a descontaminação e a produção de PHA pelas bactérias requerem processos biotecnológicos muito diferentes".

O maior potencial está na indústria química tradicional: para o ano 2010, cerca de 60% dos produtos da química fina poderiam ser produzidos com a ajuda destes microrganismos, o que corresponderia a um valor de mercado de € 230 milhões, de acordo com uma estimativa de peritos da Technical Insights.
 
Folha Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVO CÓDIGO DE TRANSITO
Novo Código de Trânsito entra em vigor na segunda-feira; veja mudanças
LOCKDOWN É A SOLUÇÃO?
Araraquara X Bauru: dois retratos do Brasil com e sem lockdown contra a covid-19
AGRICULTURA SUSTENTAVEL NO MUNDO
II Congresso Mundial de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta deve receber 1 mil inscrições
MORTANDADE
Brasil bate marca de 4 mil mortes por Covid registradas em um dia pela 1ª vez
COPA LIBERTADORES
Santos vence o San Lorenzo na Argentina e abre vantagem por vaga nos grupos da Libertadores
FATALIDADE
Técnico de informática morre após levar choque a partir de fone de ouvido
CANALHA
Pai comete estupro e diz que filha precisa saber "como é ter um homem"
SOB INVESTIGAÇÃO
Cantor gospel e pastor é encontrado morto e amarrado em árvore
CONTAMINAÇÃO
Igrejas superam mercado e consultório médico em risco de transmissão de Covid-19, aponta estudo
CRISE NA PANDEMIA
Número de brasileiros que vivem na pobreza quase triplicou em seis meses, diz FGV