Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sexta, 18 de junho de 2021
Busca
Brasil

Ato Médico gera protestos em Dourados e capital

10 Mar 2010 - 08h20Por Dourados Agora

Manifestantes foram às ruas recolher assinaturas e pedir o fim do projeto que está prestes a ser votado no Senado

Assinaturas serão encaminhadas aos senadores de MS 

Professores, acadêmicos e profissionais da saúde realizaram ontem em Campo Grande e Dourados, protesto contra o projeto de lei nº 7.703/06 que regulamenta o exercício da medicina. Polêmica, a chamada Lei do Ato Médico pode restringir a possibilidade de outras profissões, como fisioterapeutas e nutricionistas, entre outros, de fazer diagnósticos e oferecer tratamento. A proposta aguarda votação no Senado.
Pelo projeto, apenas médicos estão autorizados a diagnosticar doenças e prescrever tratamentos. As outras 13 categorias da área da saúde, não. Fisioterapeutas, biomédicos, enfermeiros e psicólogos, entre outros, afirmam que perderão sua autonomia de atuação caso o projeto seja aprovado e sancionado pelo presidente Lula.   
O manifesto de ontem teve apitaço na capital e distribuição de panfletos. Os manifestantes tomaram as principais ruas de Campo Grande. O movimento foi organizado pelo Conselho Regional de Psicologia. Já em Dourados, quem tomou frente do manifesto foi a Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde da Unigran. Com cartazes e faixas, acadêmicos e professores da área da saúde tomaram as ruas, quando os semáforos fechavam. Acadêmicos da UFGD e Uems também participaram. O objetivo foi chamar a atenção da população.
Segundo profissionais da saúde, o projeto prejudica as outras 14 profissões não-médicos que, a partir da aprovação da lei, dependerão de prescrição médica para qualquer tipo de diagnóstico ou tratamento. Psicóloga há 7 anos, Aletéia Henklain Ferruzzi, professora da Unigran, diz que o Ato Médico é uma tentativa de organizar a profissão dos médicos. Contudo irá prejudicar as demais. “Isso acontecendo o paciente só poderá procurar o psicólogo, o nutricionista e demais atendimentos terapêuticos com a prescrição médica”, criticou.
Ao mesmo tempo que o manifesto era realizado, assinaturas eram colhidas para abaixo-assinado. Os municípios da região também estão colhendo assinaturas, bem como a capital. Todas elas serão encaminhadas para os senadores de Mato Grosso do Sul, Valter Pereira, Delcídio do Amaral e Marida Serrano.
“Um profissional não trabalha sozinho. Seria uma responsabilidade muito grande para o médico. Lutamos tanto pelo SUS, pela transdisciplinaridade da saúde e agora um projeto quer derrubar essa conquista, que é do povo. Isso é uma visão ditatorial, percebida até por muitos médicos”, finalizou a professora do curso de Farmácia, Ana Cláudia Raminelli. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

LUTO NA MÚSICA
Cantora gospel que defendia tratamento precoce morre de Covid-19 após ter os pulmões comprometidos
VIDEO
Cliente carrega mangueira sem perceber e bomba pega fogo em posto de combustível de Foz do Iguaçu
AÇÕES DO GOVERNO MS
Reinaldo Azambuja propõe projeto com Itaipu para combater assoreamento nos rios Iguatemi e Amambai
COPA X VIRUS
'Desse jeito, o vírus vai levantar a taça', diz deputado após 52 infectados na Copa América
FAMOSIDADES
Apresentador mostra fotos de viagens românticas com filha de Faustão e se declara
SEIS DIAS DE TERROR
Homem mata uma família e aterroriza moradores em seis dias de fuga deixando rastros de crimes
TRISTEZA E COMOÇÃO
Jovem engenheiro morre em acidente com moto e comove cidade
MUI AMIGO
Homem obriga mulher de amigo a fazer sexo oral e leva surra em delegacia
DOENÇA DO SÉCULO
Homem de 33 anos deixa carta de despedida e tenta pular de ponte
ABSURDO
Família registra boletim de ocorrência após vitima de covid ser sepultado em cemitério errado