Menu
SADER_FULL
domingo, 16 de janeiro de 2022
Busca
Brasil

Ato Médico gera protestos em Dourados e capital

10 Mar 2010 - 08h20Por Dourados Agora

Manifestantes foram às ruas recolher assinaturas e pedir o fim do projeto que está prestes a ser votado no Senado

Assinaturas serão encaminhadas aos senadores de MS 

Professores, acadêmicos e profissionais da saúde realizaram ontem em Campo Grande e Dourados, protesto contra o projeto de lei nº 7.703/06 que regulamenta o exercício da medicina. Polêmica, a chamada Lei do Ato Médico pode restringir a possibilidade de outras profissões, como fisioterapeutas e nutricionistas, entre outros, de fazer diagnósticos e oferecer tratamento. A proposta aguarda votação no Senado.
Pelo projeto, apenas médicos estão autorizados a diagnosticar doenças e prescrever tratamentos. As outras 13 categorias da área da saúde, não. Fisioterapeutas, biomédicos, enfermeiros e psicólogos, entre outros, afirmam que perderão sua autonomia de atuação caso o projeto seja aprovado e sancionado pelo presidente Lula.   
O manifesto de ontem teve apitaço na capital e distribuição de panfletos. Os manifestantes tomaram as principais ruas de Campo Grande. O movimento foi organizado pelo Conselho Regional de Psicologia. Já em Dourados, quem tomou frente do manifesto foi a Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde da Unigran. Com cartazes e faixas, acadêmicos e professores da área da saúde tomaram as ruas, quando os semáforos fechavam. Acadêmicos da UFGD e Uems também participaram. O objetivo foi chamar a atenção da população.
Segundo profissionais da saúde, o projeto prejudica as outras 14 profissões não-médicos que, a partir da aprovação da lei, dependerão de prescrição médica para qualquer tipo de diagnóstico ou tratamento. Psicóloga há 7 anos, Aletéia Henklain Ferruzzi, professora da Unigran, diz que o Ato Médico é uma tentativa de organizar a profissão dos médicos. Contudo irá prejudicar as demais. “Isso acontecendo o paciente só poderá procurar o psicólogo, o nutricionista e demais atendimentos terapêuticos com a prescrição médica”, criticou.
Ao mesmo tempo que o manifesto era realizado, assinaturas eram colhidas para abaixo-assinado. Os municípios da região também estão colhendo assinaturas, bem como a capital. Todas elas serão encaminhadas para os senadores de Mato Grosso do Sul, Valter Pereira, Delcídio do Amaral e Marida Serrano.
“Um profissional não trabalha sozinho. Seria uma responsabilidade muito grande para o médico. Lutamos tanto pelo SUS, pela transdisciplinaridade da saúde e agora um projeto quer derrubar essa conquista, que é do povo. Isso é uma visão ditatorial, percebida até por muitos médicos”, finalizou a professora do curso de Farmácia, Ana Cláudia Raminelli. 

Leia Também

TEMPORAL - VIDEO
Forte chuva derruba árvores e deixa 23 mil pessoas sem energia
COVID NO BRASIL
Em 24 horas, as autoridades de saúde notificaram 175 novos óbitos, totalizando 620.971
TRAGÉDIA
Deslizamento de terra destroi casarão histórico em Ouro Preto MG
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Pai, mãe e três filhas morrem em capotamento de caminhão
BIG BROTHER
Saiba quem foram os ex-BBBs que já morreram; 3 estiveram no BBB9
COVID NO BRASIL
Covid-19: Brasil tem 87,4 mil casos e 133 mortes em 24 horas
HOMICIDIO EM SÉRIES
Bandido que comia olhos, orelhas e bebia sangue de vítimas é preso
COVID NO BRASIL
Brasil tem em 24 horas, mais 70.765 novos casos de covid-19
FAMILIA GRANDE
Mãe dá à luz quíntuplos em maternidade de São Paulo
joao 5 39 examinais as escrituras 2_3 LIÇÕES DA BIBLIA
Por meio Dele Deus fez o Universo