Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 11 de abril de 2021
Busca
Brasil

Artigo "A democracia e os privilégios" de Antonio Néres

2 Set 2004 - 10h00

A DEMOCRACIA E OS PRIVILÉGIOS

 

Antonio Néres

 

O povo brasileiro tem histórica vocação para a democracia. Sempre soube resistir a regimes totalitários de forma a buscar persistentemente o Estado de direito, no qual a tutela jurídica garante, no mínimo a igualdade formal entre os cidadãos, de forma a que todos se submetam ao mesmo conjunto de leis e de normas, sem discriminações.

 

Ao optar pelo sistema consagrado da divisão de poderes, fruto da elaboração teórica dos contratualistas franceses, os brasileiros garantem um funcionamento regulara das instituições, com equilíbrio entre elas. É assim que temos um poder Judiciário, um poder Executivo e um poder Legislativo, todos funcionando de acordo com a Constituição.Os cargos e as funções nesses poderes são acessíveis a todos os brasileiros, na forma da lei.

 

Assim, no Judiciário, a regra geral é o concurso público. No Legislativo e no Executivo, procede-se mediante eleição, com mandatos previamente estabelecidos e periodicamente renováveis. Tudo isso se torna perfeitamente factível se citarmos que o nosso atual presidente ascendeu ao poder vindo diretamente das classes populares, da base da pirâmide social.

 

 Contudo, tais mecanismos de representatividade e de fiscalização do exercício do poder de mando não estão isentos de erros e de deturpações. Recentemente, o país descobriu estarrecido, salários estratosféricos na Assembléia Legislativa mineira. Há, ainda, o caso do auxílio-moradia, no qual alguns parlamentares federais recusam apartamentos funcionais e embolsam quantias vultuosas com as quais adquirem imóveis para incorporar ao seu patrimônio, desvirtuando a finalidade da verba.

 

 A imprensa noticia que um suplente de senador que assumirá o cargo por 15 dias terá assistência médica pelo resto da vida, paga pelo contribuinte.Além disso, sabe-se que desde de 1995 essa assistência é vitalícia e extensiva aos dependentes, mesmo que o beneficiário não mais exerça cargo eletivo.

 

 São tantos os casos de estabelecimento de privilégios indevidos que, embora com base legal, salta aos olhos a intempestividade e a imoralidade dessas medidas, com evidente interesse por parte das autoridades públicas em legislar em causa própria. Seria pedagógico e saudável colocar acima de tudo o interesse público. Se nossos representantes evitarem distorções como as citadas acima, certamente nossa democracia se configurará fortalecida.

 

 O autor é radialista e jornalista.

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVO CÓDIGO DE TRANSITO
Novo Código de Trânsito entra em vigor na segunda-feira; veja mudanças
LOCKDOWN É A SOLUÇÃO?
Araraquara X Bauru: dois retratos do Brasil com e sem lockdown contra a covid-19
AGRICULTURA SUSTENTAVEL NO MUNDO
II Congresso Mundial de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta deve receber 1 mil inscrições
MORTANDADE
Brasil bate marca de 4 mil mortes por Covid registradas em um dia pela 1ª vez
COPA LIBERTADORES
Santos vence o San Lorenzo na Argentina e abre vantagem por vaga nos grupos da Libertadores
FATALIDADE
Técnico de informática morre após levar choque a partir de fone de ouvido
CANALHA
Pai comete estupro e diz que filha precisa saber "como é ter um homem"
SOB INVESTIGAÇÃO
Cantor gospel e pastor é encontrado morto e amarrado em árvore
CONTAMINAÇÃO
Igrejas superam mercado e consultório médico em risco de transmissão de Covid-19, aponta estudo
CRISE NA PANDEMIA
Número de brasileiros que vivem na pobreza quase triplicou em seis meses, diz FGV