Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quinta, 24 de junho de 2021
Busca
Brasil

Arruda está preso na Polícia Federal há um mês

13 Mar 2010 - 11h55Por Agência Brasil
Hoje (13), o governador afastado do Distrito Federal, José Roberto Arruda (sem partido), completa um mês preso na Superintendência da Polícia Federal acusado de suborno de testemunha. Arruda teria oferecido R$ 200 mil para que o jornalista Edson Sombra prestasse depoimento em seu favor no inquérito 650 do Superior Tribunal de Justiça.

O inquérito apura complexo esquema de corrupção no governo do Distrito Federal. O ex-secretário de Relações Institucionais do governo, Durval Barbosa, filmou Arruda e mais três deputados distritais recebendo dinheiro para favorecer empresas em votação de projetos e contratos com o governo.

Dois desses deputados renunciaram para fugir da cassação: Júnior Brunelli, filmado fazendo uma oração em agradecimento ao dinheiro recebido, o que ficou conhecido como oração da propina, e Leonardo Prudente, que aparece nas filmagens guardando dinheiro nas meias. Eurides Brito, filmada colocando maços de notas na bolsa, afirmou que não vai renunciar e que pretende se defender das acusações em plenário.

As denúncias atingiram também o então vice-governador, Paulo Octávio. A pressão política e a ameaça de processo de impeachment fizeram com que ele também renunciasse ao mandato. Sem Arruda e Paulo Octávio no comando da capital, o presidente da Câmara Legislativa, Wilson Lima, assumiu o governo.

A crise resultou em diversos pedidos de impeachment, não só contra deputados distritais, mas, principalmente, contra o governador afastado. De maioria governista, a Câmara Legislativa postergou o quanto pode a análise desses processos. Mas, diante da possibilidade de intervenção federal, os parlamentares resolveram dar uma resposta à sociedade – e ao Supremo Tribunal Federal (STF) – em nome da chamada governabilidade: acataram três pedidos de impeachment contra Arruda.

A admissibilidade dos processos já foi aprovada em plenário. Agora, o governador afastado terá de apresentar sua defesa, que será novamente votada pelo plenário. Se a maioria decidir pela continuidade do processo, Arruda é afastado do cargo por 120 dias e o julgamento final é feito por um tribunal especial, formado por cinco desembargadores do Tribunal de Justiça e cinco deputados distritais.

No mesmo dia em que Arruda foi preso, chegou ao STF pedido de intervenção federal no DF, feito pela Procuradoria-Geral da República. A alegação é de que, como o governador e diversos deputados distritais são acusados de envolvimento, não há condições de governabilidade.

O pedido está sob análise do STF. Se for aprovado, é encaminhado ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que escolhe o interventor e quanto tempo ele fica no cargo. Entretanto, essa decisão, para começar a valer, ainda precisa de aprovação do Congresso Nacional, que discutirá o assunto em sessão extraordinária.

Além de mudar o comando do Distrito Federal, a intervenção prejudica os trabalhos legislativos. Durante esse período, são proibidas as emendas à Constituição.

Deixe seu Comentário

Leia Também

assis (2) VEJA VÍDEO
Antes de morrer, vítima gravou áudio relatando que esposa e dois homens teriam realizado crime
CRIME PASSIONAL
Contadora é morta pelo ex-marido, que comete suicídio em seguida
100 PERDÃO
Mulher trai marido, não é perdoada e coloca fogo no próprio corpo como forma de se punir
TRAGÉDIA NO CAMPO
Pulverizador passa por cima da cabeça de agrônoma em fazenda
COPA AMÉRICA
Brasil leva gol antológico, mas vira sobre a Colômbia e se classifica em 1º lugar
APOSTAS NO BRASIL
É legal apostar em esportes no Brasil?
CRIME BRUTAL
Mulher é encontrada morta com rosas, uma aliança nas mãos e frase cruel escrita na testa
TRAGEDIA
Casal é encontrado morto no banheiro com o chuveiro ligado
VEJA VÍDEO
Servidora não deixa lençol sujar com sangue de bandido e viraliza na internet
LUTO NA TV
Apresentador do Balanço Geral morre vítima da covid