Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 19 de janeiro de 2021
Busca
Brasil

Após mínimo, sindicalistas dizem que deputados votaram contra trabalhador

17 Fev 2011 - 14h06Por FST/MS
Sindicalistas de Mato Grosso do Sul criticaram o salário mínimo de R$ 545,00 aprovado ontem pela Câmara dos Deputados. "Os parlamentares, inclusive alguns da bancada de nosso Estado deveriam respeitar a vontade dos trabalhadores brasileiros e avançar mais com um ganho real", criticou José Lucas da Silva, coordenador regional do Fórum Sindical dos Trabalhadores de Mato Grosso do Sul - FST/MS. Ele deu um recado aos deputados de MS que votaram a favor do governo e contra o interesse dos trabalhadores: "Nós, sindicalistas, estamos de olho em vocês".

O presidente da Força Sindical Regional MS, Idelmar da Mota Lima, que esteve em Brasília fazendo lobby para tentar aprovar pelo menos a proposta de R$ 560,00 também criticou o valor aprovado que não cobre sequer as perdas para a inflação. "Foi uma derrota do trabalhador brasileiro que ansiava por um maior poder aquisitivo com seu salário", comentou. Idelmar, que preside o sindicato e a Federação dos Trabalhadores no Comércio e Serviços de Mato Grosso do Sul - FETRACOM/MS, disse que o governo errou ao estabelecer esse valor menor. "Ele se esqueceu que os cofres públicos receberiam esses recursos de volta na forma de tributos", afirmou.

Dezenas de sindicalistas de MS acompanharam do plenário da Câmara a luta dos parlamentares que queriam aumento real para o salário mínimo. Em algumas oportunidades quebraram o protocolo, vaiando parlamentares, correndo o risco de serem retirados do plenário. "Foi um embate muito duro e quem perdeu mesmo foi o trabalhador brasileiro. Lamentável isso", comentou José Lucas da Silva que espera que os parlamentares repensem sobre sua atuação no Congresso Nacional quando tiverem que tomarem outras decisões em que estão em jogo o interesse da maioria do povo brasileiro. "Afinal, por quem eles foram eleitos e para que se não é para melhorar a vida das pessoas no Brasil", questionou o sindicalista.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SEU BOLSO
Litro da gasolina sobe R$ 0,15 nas refinarias da Petrobras
ESTUPRO DE VULNERÁVEL
Na calada da noite, namorado da avó estupra criança de 12 anos e é espancado por vizinhos
CONCURSO PÚBLICO
Concurso da Aeronáutica somam com as 21 mil vagas em outros concursos que a semana oferece
DEU RUIM
Jovem é atingido por raio enquanto usava celular no banheiro
PROVA DO ENEM
Confira as medidas de segurança durante a prova do Enem
SAIU O EDITAL
Com salário de até R$ 23,6 mil, Polícia Federal abre inscrição em concurso no dia 22
DESESPERO EM MANAUS
Médicos e familiares de pacientes descrevem colapso com falta de oxigênio em Manaus; leia relatos
AUXILIO POPULAÇÃO
Caixa libera saque da última parcela do auxílio emergencial a aniversariantes em julho
HORROR NA NOITE
Crianças são encontradas chorando ao lado de corpos de pais assassinados
DOR E DESCASO
Filho é obrigado abrir cova para enterrar próprio pai por não encontrar coveiro em cemitério