Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sábado, 19 de setembro de 2020
SADER_FULL
Busca
ZANZI
Brasil

Após devastar 72% do cerrado, MS continua desmatando

1 Set 2010 - 15h20Por Campo Grande News
Após devastar 72,56% da área original de cerrado até o ano de 2002, reduzindo uma área de 216.015 km ² a 59.271 km², Mato Grosso do Sul não cessou o processo de desmatamento, conforme revelam os Indicadores do Desenvolvimento Sustentável, divulgados nesta quarta-feira pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Mato Grosso do Sul foi o segundo Estado que mais devastou as áreas de cerrado até 2002, atrás apenas de São Paulo, foram 156.744 km² devastados.

De 2002 para 2008 mais 3,31% da área remanescente de cerrado foram desmatados no Estado, o que equivale a 7.153 km². Em termos relativos, foi o 6º maior índice do País. O vizinho Mato Grosso liderou os desmatamentos neste último período, devastando 17.598 km² de área remanescente de cerrado.

Os pesquisadores do IBGE observam que houve uma crescente pressão por expansão da fronteira agrícola sobre os cerrados e florestas do centro e norte do País, notadamente a partir do ano de 2000 com a ocupação dessas áreas, principalmente, pela cultura da soja.

Houve aumento das áreas desmatadas vindas do sul e sudeste (Minas Gerais, São Paulo, Mato Grosso do Sul e Goiás) até 2002, indo para o norte e nordeste do Cerrado (Bahia, Mato Grosso, Tocantins e Maranhão), no período 2002/2008.

Quanto à área remanescente de Mata Atlântica, havia no Estado 3 602 km² em 2008 e no período de 2005 a 2008 foram desflorestados 22 km², ou seja, 0,6% abaixo da média nacional, de 0,8%. Goiás foi o Estado com maior índice de área desflorestada, 2,1%.

Um grande esforço tem sido feito nos últimos anos para preservar e ampliar as áreas remanescentes de Mata Atlântica, inclusive com o estabelecimento de corredores biológicos interligando os fragmentos e áreas remanescentes deste bioma.

A pesquisa também avaliou as queimadas, considerando que muitas vezes são usadas para a renovação de pastagem e acabam saindo do controle. Em Mato Grosso do Sul houve redução considerável dos focos de calor a partir de 2002, quando chegaram a superar 12 mil. No ano passado foram 2.995 focos de calor no Estado.

Destaque para os focos em unidades de conservação, parques e terras indígenas, que também diminuíram muito. O número chegou a 349 em 2008 e no ano passado caiu a 96.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Caixa com cenouras de boa qualidade 100 DESPERDÍCIOS
Governo cria Rede de Bancos de Alimentos para combater desperdício
Ainda de acordo com a atualização, 567.369 pessoas estão em acompanhamento e outras 3.753.082 se recuperaram. PANDEMIA
Covid-19: Brasil acumula 4,4 milhões de casos e 134,9 mil mortes
Os beneficiários nascidos em janeiro  3,9 milhões de pessoas  poderão sacar AUXILIO EMERGENCIAL
Caixa abre 770 agências amanhã das 8h às 12h
Apesar do esforço médico a adolescente não resistiu. DESCARGA FATAL
Adolescente segura extensão de energia e morre após sofrer descarga elétrica
Assaltante magro está com um revólver na mão direito e boné na esquerda TERROR NA RODOVIA
Vídeo mostra ação extremamente violenta de ladrões em Rodovia
As imagens mostram que a vítima estava prestes a sair de moto VIOLENCIA NA CIDADE
Homem é flagrado agredindo e tentando atropelar a ex; veja vídeo
Bolsonaro autorizou estudos para a área. PROGRAMA ASSISTENCIAL
Após desistir do Renda Brasil, Bolsonaro autoriza criação de novo programa social
Bolsonaro com Ricardo Barros APREENSÃO
Gaeco cumpre mandado em escritório de Ricardo Barros, lider do governo Bolsonaro na Câmara
presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) AGORA
Maia testa positivo para Covid-19, informa assessoria do deputado
 Joice Pastre, 27 anos, morreu na última sexta-feira (11) GESTO NOBRE
Família doa órgãos de jovem que sofreu aneurisma cerebral