Menu
BANNER IMPRESSORAS
sábado, 13 de agosto de 2022
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
Brasil

Aneel recomenda revisão na tarifa de energia em MS

10 Nov 2009 - 12h59Por Conjuntura

Mais de 700 mil consumidores de energia elétrica, em Mato Grosso do Sul, podem ser beneficiados com mais uma revisão tarifária. A revisão é resultado de erros na fórmula de cálculo para os reajustes aplicados nos últimos sete anos.

Passini Brites é funcionário público e possui máquina de lavar, microondas, geladeira, ventilador, aparelho de TV, computador e lâmpadas econômicas em todos os cômodos da casa. Ele diz que o consumo de energia se manteve nos últimos três meses mesmo assim o valor da conta triplicou.

“A gente tem que trabalhar, trabalhar e pagas contas que a gente não vê. O nosso dinheiro está indo para o ralo e as benfeitorias não vêm.”

A empresa concessionária deu 30 dias de prazo para descobrir o que está acontecendo na casa do funcionário público. São justamente os erros, sendo técnicos ou não, que refletem diretamente no bolso do consumidor.

A Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) reconheceu que houve distorções nos cálculos de reajuste das tarifas em vários estados.

A falha estaria nos métodos elaborados pelo próprio Governo para calcular os valores. O erro teria levado as 64 distribuidoras de energia elétrica do Brasil a cobrar R$ 7 bilhões indevidamente dos consumidores desde 2002.

A fórmula para calcular o reajuste das tarifas leva em conta, entre outras coisas, um item onde estão previstos os investimentos do Governo no setor energético e os programas sociais. O consumidor paga por tudo isso e a concessionária repassa esses recursos para a União.

O problema é que na hora de definir o valor do rateio, uma vez por ano, entra no cálculo o número de consumidores até a data-base, sem levar em consideração o aumento da demanda nos doze meses seguintes.

O resultado é que o valor permanece o mesmo em vez de a conta ficar mais barata. Os novos consumidores também passam a contribuir e as empresas não estariam repassando o que arrecadam a mais para os cofres públicos.

A Aneel argumenta que não pode alterar os contratos das concessionárias, mas está chamando todas as empresas para negociar adequações.

“O que foi modificado é através da lei 10.848. A parcela a energia comprada e a parte de encargos passou a serem fatores neutros para a distribuidoras.

A gente quer buscar a neutralidade de todos esses encargos e tudo o que a gente chama de energia comprada. Para isso, nós temos que fazer mudanças no contrato, mas isso não pode ser feito de um lado unilateral da Aneel.

É por isso que a gente não consegue fazer isso da noite para o dia”, afirma o diretor geral da Aneel, Nelson Hübner.

O Conselho de Consumidores de Energia Elétrica, formado por entidades que representam a indústria, comércio e os pequenos consumidores, acompanha o caso de perto e alerta para a diferença entre o problema constatado na fórmula de reajuste elaborada pelo Governo e a cobrança indevida em 2003 que resultou na revisão de tarifas no Estado.

“Os erros anteriores são ligados a parcelas referentes à composição da tarifa. Só para exemplificar, são praticamente três componentes principais da tarifa.

Dentre elas, a parcela A associada a compra de energia e ao pagamento de transmissão; a parcela B que são os custos gerenciáveis e da própria empresa de distribuição; e a parcela C que faz uma compensação e um ajuste desses valores.

O erro que foi detectado e está sendo devolvido hoje na forma de desconto está associado a parcela B e esse novo erro que foi identificado há dois anos está associado a parcela C. Portanto, são erros completamente distintos”, explica o assessor técnico do Conselho de Consumidores de Energia Elétrica em MS, Jenner Ferreira.

Em Mato Grosso do Sul, pelo menos 700 mil consumidores devem receber o que pagaram a mais nos últimos sete anos. Porém, é preciso ter paciência para conseguir a devolução do dinheiro.

“Nós temos que verificar exatamente qual foi a quantidade desse valor que foi cobrado indevidamente. O consumidor deve esperar, aguardar.

Nós estamos fazendo um levantamento junto à Enersul, tanto quando a Aneel, o Ministério da Justiça e o de Minas e Energia. Nós queremos ter a visão do global e do que representou o erro nesse cálculo”, garante o superintendente do Procon/MS, Lamartine Ribeiro.

Leia Também

ACIDENTE FATAL
Motociclista de 27 anos bate na traseira de trator e morre em vicinal
TRAGEDIA NA RODOVIA
Sete pessoas morrem e três ficam feridas em acidente entre caminhão e van
AUXILIO POPULAÇÃO
Governo libera empréstimo consignado para beneficiários do Auxílio Brasil
TRAGÉDIA
Carro explode durante abastecimento e amputa pernas de frentista
NOITE DE TERROR
Moradores relatam medo vivido em confronto com oito mortos
ACIDENTE DE TRABALHO FATAL
Trabalhador morre soterrado ao fazer limpeza em silo de grãos
AGRESSÃO NA ESCOLA
Mulher invade escola e espanca aluna a pauladas
COVID NO BRASIL
Covid-19: Brasil ultrapassa o número de 680 mil mortos pela doença
AUXÍLIO BRASIL AUXILIO POPULAÇÃO
Auxílio Brasil de R$ 600 e vale-gás saem hoje para mais um grupo
BRASIL + POBRE
Estudo mostra alta da pobreza em regiões metropolitanas