Menu
SADER_FULL
quinta, 21 de outubro de 2021
SADER_FULL
Busca
Brasil

André vai ao STF discutir processos de interesse de MS

3 Jan 2007 - 01h33

Além de se reunir com o ministro Paulo Bernardo (Planejamento) e com técnicos do Tesouro Nacional, o governador André Puccinelli (PMDB) teve em Brasília (DF) uma audiência com o presidente em exercício do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Gilmar Mendes. A presidente Ellen Gracie está de férias.

O encontro durou cerca de 15 minutos. Além de se apresentar como o novo governador de Mato Grosso do Sul, Puccinelli conversou com Mendes sobre os processos de interesse do Estado. Entre eles, a Ação Cautelar (AC) 1392, indeferida pelo ministro Ricardo Lewandowski no dia 6 de dezembro passado.

Na ação, os governadores de Mato Grosso do Sul, Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina reivindicavam que a União incluísse na lei orçamentária anual de 2007 previsão de recursos na ordem de 50% das perdas decorrentes de exoneração do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) incidente sobre exportação de produtos primários e semi-elaborados – prevista na Lei Kandir.

Os estados requerentes alegaram que o critério econômico “contido historicamente” no artigo 31 da Lei Complementar 87/96 (Lei Kandir) determinaria a recomposição das perdas no percentual de 50%, uma vez que o dispositivo teria excluído, do âmbito da incidência do ICMS, todos os produtos, bens ou mercadorias destinados à exportação.

Acrescentam ainda “iminente risco de lesão irreparável”, se forem obrigados a aguardar a decisão na Ação Cível Originária (ACO) 792, em curso no STF. De acordo com os procuradores estaduais, nesta ACO, “restou demonstrado que os Estados e o Distrito Federal, desde a edição da LC 87/96 sofrem contínua perda de receita do ICMS incidente sobre os produtos primários e os semi-elaborados, assim definidos em lei complementar, destinados à exportação”.

O ministro Ricardo Lewandowski, relator das duas ações, disse não vislumbrar o fumus boni iuris (fumaça do bom direito) para deferir a cautelar, sem prejuízo do reexame da matéria quando julgar a ACO 792. Para o ministro, “a legislação apontada pelos requerentes como disciplinadora da matéria não apresenta, à primeira vista, a determinação de recomposição das perdas no percentual pleiteado”.

Precedente do STF, em caso semelhante (AC 1325), foi citado por Lewandowski ao indeferir a liminar requerida, quando afirmou que “a pretensão dos requerentes implicaria no reconhecimento da incompatibilidade da lei complementar (LC87/96) e, em ultima análise, a modificação da lei orçamentária para 2007”. Os estados “requerem, de forma inafastável, que se considere razoável o pedido formulado na ação principal”.

No entanto, declarou o relator, “a solução a ser conferida à ACO 792, demanda ampla dilação probatória, impedindo, dessa forma, a verificação, na presente ação cautelar, dos requisitos da medida”.

 

 

Midia Max News

Leia Também

VOLTOU A SUBIR
Covid-19: Brasil registra 15.609 casos e 373 mortes em 24 horas
ESTAVA DESAPARECIDO
Corpo de pescador é encontrado dentro de jacaré
LIÇÕES DA BÍBLIA
O principal mandamento
BAIXARAM A GUARDA
Covid-19: Brasil registra 390 mortes e 12,9 mil casos em 24 horas
LIÇÕES DA BÍBLIA
Se me amam, guardarão os Meus mandamentos
OPORTUNIDADE DE EMPREGO
Funtrab está com 655 vagas para indígenas interessados em trabalhar em lavouras de maçã em SC e RS
ALERTA TEMPORAIS
Chance de Tempestades (La Ninã) no final do ano é de 87%, aponta atualização do NOAA
LIÇÕES DA BÍBLIA
Ele nos amou primeiro
AUXILIO EMERGENCIAL
Presidente está de acordo a prorrogação do auxílio emergencial
TRAGICO ACIDENTE
Menino de 9 anos morre enforcado com corda de balanço