Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sexta, 23 de abril de 2021
Busca
Brasil

Amorim diz que Brasil não deseja criar impasse com Argentina

12 Jul 2004 - 09h31
O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, garantiu que o governo brasileiro não está sendo complacente com a Argentina, ao não endurecer o tom contra as restrições à importação de eletrodomésticos brasileiros. "Tem gente interessada em ver guerra comercial", disse Amorim, acrescentando que o Brasil não deseja criar nenhum impasse com os argentinos, que são o principal aliado econômico, político e comercial do Brasil.

O ministro é de opinião que a decisão da Argentina de restringir os produtos brasileiros não enfraquece o Mercosul, apesar de o anúncio das medidas ter sido feito às vésperas da 26ª Reunião de Cúpula do bloco econômico, realizada ontem em Puerto Iguazú, na Argentina.

“Isso não vai dificultar a nossa integração. Se não houvesse crescimento do comércio, não haveria esse problema. Nós negociamos com a Alca, com a principal potência do mundo, estamos negociando com a União Européia. Eu não acho que haja esse enfraquecimento. Pelo contrário. Eu acho que hoje em dia há uma fila para negociar com o Mercosul”, disse Amorim.

A exemplo do que afirmou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva no encerramento da cúpula do Mercosul, Amorim disse que os problemas com os argentinos existem porque são reflexos do crescimento da economia brasileira. E o governo brasileiro, segundo o chanceler, vai defender os interesses do país nas negociações com os argentinos.

“A gente tem que defender o interesse brasileiro de acordo com a nossa ótica, os argentinos com a ótica deles. E nós vamos discutir e encontrar soluções. Problema existe, mas é decorrente da intensidade das relações. Não estou dizendo que seja o ideal, o ideal é que não houvesse. Mas é natural que haja, e temos que tratar esses temas com maturidade, com inteligência”, afirmou.

Amorim disse que não interpretou as palavras do presidente da Argentina, Néstor Kirchner, no encerramento da Cúpula do bloco econômico como um recado ao Brasil sobre as dificuldades do Mercosul em negociar com a União Européia. Kirchner disse que “os avanços nos capítulos de investimentos, serviços e compras governamentais estiveram condicionados por restrições que impuseram alguns estados membros do Mercosul, o que gerou importantes dificuldades no entendimento com a União Européia”.

Para Celso Amorim, as palavras do presidente argentino não foram um recado para o Brasil. “Eu não entendi dessa maneira. Nós estamos trabalhando em perfeito entrosamento. Dificuldades todos temos, cada um tem a sua. Nós temos atuado em conjunto. Não vejo que haja diferença. Eu não acho que ele está dando pancada, está fazendo a mesma coisa que se faz aqui no Brasil quando há interesse, como houve no passado com produtos agrícolas”, ressaltou.
 
 
Agência Brasil

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRAGÉDIA EM CACHOEIRA
Mãe e filha morrem vítima de tromba d'gua em cachoeira; cunhado também morreu
ASSÉDIO À MENOR
Pastor é investigado após ser filmado beijando e oferecendo dinheiro a adolescente de 14 anos
UTRAPASSAGEM FATAL
Tio e sobrinho morrem "esmagados" por caminhão em rodovia
FATALIDADE
Bebê morre eletrocutado após morder fio de carregador de celular
AJUDA DO GPS
Após ficar 30h desaparecida, médica é encontrada em ribanceira com ajuda de GPS de celular
REVOLTANTE
A intérprete que descobriu na aula de Libras que pastor abusava de adolescente
BRASIL - 381.687 MORTES
Brasil passa de 380 mil mortes por Covid; mais de 3 mil delas foram registradas nas últimas 24 horas
BRUTALIDADE
Adolescente queimado por negar sexo com homens morre em hospital
VACINA RUSSA
Governador diz que consórcio vai adquirir 28 milhões da vacina Sputnik V
LUTO NA SAÚDE
Dias após perder os pais, médica de 36 anos morre de Covid-19