Menu
SADER_FULL
quarta, 12 de maio de 2021
Busca
Brasil

Alta internacional do açúcar favorecerá balança comercial

5 Nov 2010 - 16h57Por Agência Brasil

A alta internacional do preço do açúcar afetará positivamente a balança comercial brasileira, mas não colocará em risco os estoques do produto no país nem afetará – pelo menos de imediato – o preço do etanol. No entanto, para o mercado interno, a tendência é que o consumidor acabe pagando um preço mais alto, tanto para o açúcar como para os seus derivados. As afirmações são do diretor de Cana-de-Açúcar, Água e Energia do Ministério da Agricultura, Cid Caldas.

Ele explica que a alta internacional foi motivada pelos efeitos da quebra de safra ocorrida na Índia. “Essa situação nos ajudará a ter uma balança comercial mais favorável. Só que o preço no mercado interno certamente subirá”, disse o diretor à Agência Brasil, sem estimar de quanto será esse aumento.

Segundo ele, em 2009 o preço médio da saca de 50 quilos de açúcar estava em R$ 47. “Esse preço vinha se mantendo até os últimos meses. Só que, com o cenário internacional favorecendo a alta do produto, já estamos registrando, neste ano, uma média de R$ 57 para a saca”.

Caldas garante não haver risco de haver desabastecimento de açúcar no mercado interno. Mas acredita que a demanda mundial afetará o preço para o consumidor brasileiro. "Como o açúcar é utilizado para a fabricação de diversos produtos, como doces, sorvetes e refrigerantes, é possível que a alta se estenda a outros produtos. Mas não ao etanol."

“A margem para mudar a destinação da cana para a produção de açúcar ou de etanol é pequena. Atualmente, 55% são destinados à produção de açúcar, e 45% à de etanol. Essa previsão foi decidida no início da safra, pelo programa de financiamento de estoques. Tudo está devidamente certificado e, além dos mais de 2 bilhões de litros estocados, há também os já contratados”, acrescenta Caldas.

Após a quebra de sua safra de açúcar, a Índia se tornou a maior compradora do açúcar produzido no Brasil. De um total de 33 milhões de toneladas produzidas em 2009, 24 milhões foram exportadas. Desse volume, 19% – ou 4,6 milhões de toneladas – foram para a Índia. Em segundo lugar está a Rússia, que importou 2,7 milhões de toneladas.

Este ano, até outubro, o Brasil produziu 27 milhões de toneladas do produto. Dezenove milhões tiveram como destino o mercado externo.

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVA INFECÇÃO
Covid-19: após 3 semanas de queda, casos de coronavírus avançam no Brasil puxados por 9 Estados
TRISTEZA NA FAMILIA
Seis pessoas da mesma familia morrem vítimas da Covid-19
NOVAS REGRAS
WhatsApp: o que acontece se você não aceitar novas regras do aplicativo até 15 de maio
FAMOSIDADES
Pai da campeã do 'BBB 21' Juliette vive em casinha de barro na Paraíba
CACHAÇA
Jovem enfia garrafa no ânus durante bebedeira e vai parar no hospital
ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho
VITIMA DO MASSACRE
'Fiquei vendo costurarem os ferimentos. Chorava, orava e agradecia por ele estar vivo, diz mãe
FRIO - FÁTIMA DO SUL NOVA ONDA DE FRIO
Frio de origem polar começa a ser sentido novamente e terá geada
TERROR NA CRECHE
Sob forte emoção moradores de Saudades realizam velório coletivo das vítimas do ataque à creche
CHEGANDO FORTE
Frio chega com força e provoca geada no Sul