Menu
SADER_FULL
sexta, 24 de setembro de 2021
Busca
Brasil

Alimentação ajuda a acumular inflação de 4,72% na capital

6 Nov 2010 - 06h26Por Conjuntura Online

A inflação acumulada em Campo Grande, de janeiro a outubro deste ano, é de 4,72% e nos últimos 12 meses registra 5,13%, é o que aponta a pesquisa mensal realizada pelo Nepes (Núcleo de Estudos e Pesquisas Econômicas e Sociais) da Universidade Anhanguera-Uniderp e divulgada nesta sexta-feira (5). No mês passado, o IPC/CG (Índice de Preços ao Consumidor) de Campo Grande registrou forte alta de 0,91% em relação a setembro.

De acordo com o coordenador do Nepes, professor Celso Correia de Souza, dos sete grupos que compõem o índice, apenas um apresentou deflação: despesas pessoais (-0,20%). “O grupo Alimentação novamente foi o que mais contribui para a alta do IPC em outubro”, destaca Correia. O índice do grupo Alimentação ficou em 2,60%; do grupo Vestuário, em 1,58%; Transportes, em 0,77%; Habitação, em 0,27%; e Saúde, em 0,24%.

Os dez produtos que mais contribuíram para a elevação da inflação em outubro foram: acém, alcatra, etanol, feijão, contrafilé, queijo-de-minas, costela, aluguel casa, sapato masculino e calça comprida feminina. Os dez produtos que contribuíram para frear a inflação em outubro foram: arroz, cebola, aparelho de som, mamão, hidratante, antialérgico e broncodilatador, lingerie, calça comprida masculina, sabão em pó e cheiro verde.

Segundo o estudo, foram registrados altas nos preços da picanha (19,24%), acém (16,05%), feijão (15,98%,) queijo de minas (15,56%), músculo (8,68%). Todos os cortes de carne pesquisados registraram elevações, inclusive os de carne suína e de frango. O pernil aumentou de 6,16%, a bisteca, de 6,05% e a costeleta, de 1,18%. O frango congelado aumentou em 3,68% e os miúdos, em 1,93%.

Já no grupo habitação, o reajuste foi ocasionado principalmente pelas elevações nos preços de televisores (8,29%), DVD (7,27%), álcool para limpeza (7,04%) e refrigerador (6,96%). Já no grupo Transportes, foram observados aumentos nos preços ao reajustes dos preços dos combustíveis, destacando o etanol, com 2,94%; a gasolina, com 0,95%; e o diesel, com 0,83%.

No grupo Saúde, os principais reajustes foram registrados nos preços do analgésico e antitérmico, da ordem de 2,95%; do anti-inflamatório e antirreumático, de 1,95%; e do antigripal e antitussígeno, de 1,06%. Finalmente, no grupo Vestuário, os principais aumentos ocorreram nos preços dos seguintes itens: sapato masculino (14,37%), calça comprida feminina (5,28%) e camisa masculina (2,16%).

O IPC/CG é um indicador da evolução do custo de vida das famílias dentro do padrão de vida e do comportamento racional de consumo. O Índice busca medir o nível de variação dos preços mensais do consumo de bens e serviços, a partir da comparação da situação de consumo do mês atual em relação ao mês anterior. O IPC/CG é calculado mensalmente, com início da coleta de preços todo primeiro dia útil do mês.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ROTA BIOCEÂNICA
Comissão mista homologa consórcio que vai construir ponte da Rota Bioceânica em MS
CASTELO DE AREIA
Idoso casa com prostituta 35 anos mais nova e flagra com outro
DOENÇA DO SÉCULO
Servidor público é encontrado pendurado em árvore
COVID-19
Ministra de Bolsonaro testa positivo para Covid e cancela agenda em Nova Andradina
ASSUSTADOR
Homem encontra boneca na parede com bilhete misterioso: "obrigada por me libertar"
VIDEOS VAZADOS
Torcedora do flamengo esquenta a web com vídeos íntimos
VOLTOU A SUBIR
Covid-19: Brasil registra em 24 horas 36.473 novos casos e 876 novas mortes
REVOLTANTE
Criança autista vítima de maus tratos é encontrada comendo fezes de cachorro para sobreviver
HOMICIDIO X SUICÍDIO
Marido mata esposa e tira própria vida; criança de 3 anos pede socorro a vizinho
NEGLIGÊNCIA
Criança de 2 anos ao volante mata prima de 3 anos atropelada