Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 15 de julho de 2020
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Algodão acumula desvalorização de 36,3% neste ano

16 Jul 2004 - 16h58
O sinal amarelo foi aceso em uma das mais promissoras culturas em expansão do país. Os produtores de algodão começam a ficar atentos ao comportamento dos preços internacionais do algodão, que na bolsa de Nova York já acumulam desvalorização de 36,3% neste ano. A queda reflete a demanda enfraquecida no mercado internacional e o possível aumento da produção de algodão nos Estados Unidos.Estimulados pelos bons volumes comprometidos com o mercado externo, os produtores do país, sobretudo do Centro-Oeste, já traçavam planos para elevar a área plantada de algodão para a safra 2004/05. Contudo, os ânimos dos produtores começaram a esfriar por conta do recuo das cotações no mercado externo.

Nesta safra, os produtores estão colhendo um volume recorde, de 1,2 milhão de toneladas de algodão, informou Jorge Maeda, presidente da Abrapa (Associação Brasileira dos Produtores de Algodão). Maeda está participando da 10º Clube da Fibra, em Buenos Aires. Em entrevista por telefone, Maeda disse que os produtores vão acompanhar o desempenho dos preços do algodão. "Até o mês de outubro, os produtores vão definir sua posição para a nova safra."

Mesmo com o desempenho baixista no mercado, os produtores brasileiros estão otimistas com o aumento das exportações do algodão, afirmou Antonio Carlos Zem, presidente da FMC e do Sindag (Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Agrícola), que também participou do congresso do algodão.

"O Brasil já participa com 3% nas exportações mundiais do algodão e deve aumentar sua fatia", afirmou o executivo.

Nesta atual safra, o Brasil deve exportar 450 mil toneladas de algodão. A expectativa é de que em 2004/05 sejam embarcadas 600 mil toneladas, das quais 20% já estão fixadas e comprometidas.

Segundo Maeda, os produtores podem puxar o freio na intenção de plantio, mas não devem reduzir a área plantada. "Podemos repetir a mesma área, mas não voltaremos atrás", disse.

No mercado interno, os preços seguem sem sustentação por conta da colheita de algodão no Centro-Oeste do país, maior região produtora. O índice Cepea/Esalq para o algodão acumula neste mês de julho retração de 3,2%. Na sexta-feira, fechou a R$ 1,60 a libra-peso no mercado de São Paulo.

 

Globo Rural Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

FATALIDADE
Instrutor de tiros morre após disparo acidental contra o próprio peito no dia do aniversário
TRUCULENCIA
'Achei que iria morrer sufocada como George Floyd', diz mulher negra que teve pescoço pisado por PM
AUXILIO EMERGENCIAL
Liberados saques e transferências para aprovados no 3º lote
VITIMA DA COVID 19
Cantor morre de covid-19 após sogro e sogra; esposa está em isolamento
CAOS NA SAUDE
MT está perdendo a guerra para o coronavírus; nós subestimamos a doença
TRAGEDIA NO CONDOMÍNIO
Adolescente que matou amiga treina tiro esportiva há 3 anos com o pai
VIOLENCIA DOMESTICA
Mulher tem rosto desfigurado após ser agredida e pisoteada pelo marido bêbado
CORONAVIRUS AVANÇA
Brasil tem 72.234 mortes por Covid-19, segundo consórcio de veículos da imprensa em boletim das 13h
BONITO - DICAS AGÊNCIA
Como fazer Snorkel em Bonito MS, o que ver, o que fazer e o que não!
PANDEMIA CORONAVIRUS
Filho de ex-jogador famoso vende geleias e não vê o pai há nove anos