Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sábado, 16 de outubro de 2021
Busca
Brasil

Alemanha e Argentina fazem hoje duelo de gigantes pela Copa

30 Jun 2006 - 08h21

A Alemanha entra em campo nesta sexta-feira, às 11 horas (horário de Mato Grosso do Sul), em Berlim, com a obrigação de não decepcionar um país inteiro, que nunca vibrou tanto por uma equipe nacional. O adversário, pelas quartas-de-final, é a Argentina, apontada por muitos como a melhor seleção do torneio. “Desde a unificação do país, em 1990, nunca vi o povo tão feliz como agora”, analisou o técnico Jürgen Klinsmann, que já disse também que seria uma catástrofe não chegar à semifinal do torneio.

O treinador considera essencial que a equipe vá até o fim da competição e não estrague a festa dos alemães - para isso, basta vencer, no Olympiastadion. “Pode ser que para outras pessoas baste chegar às oitavas ou às quartas-de-final. Não para mim e para meus jogadores. Queremos ir mais longe”, afirmou o principal responsável pela evolução da anfitrião do Mundial: desacreditada antes do início e, agora, após quatro convincentes vitórias, apontada como uma das favoritas.

O clássico já decidiu duas Copas do Mundo e define em 2006 apenas um dos semifinalistas. O meia e capitão alemão Michael Ballack lamentou ser agora o confronto. “É uma pena que vá ser realizado tão cedo, mas estamos jogando bem e temos boas chances de vencer.” Em 1986, a Argentina, de Diego Maradona, fez 3 a 2 e ficou com o título no México, seu segundo Mundial. Quatro anos depois, a Alemanha, do então atacante Klinsmann, marcou 1 a 0 e levou sua terceira taça.

O 1 a 0 sobre os sul-americanos, há 16 anos, foi também a última vitória alemã em Copas sobre uma seleção campeã do mundo. Mas eles não gostam de falar sobre isso. “Não tem nenhuma importância para nós esse dado, não é tema de nossas conversas”, garantiu Ballack. Recuperado da lesão no pé que o tirou de dois treinos esta semana, o capitão está confiante. “Temos de ser realistas e é uma realidade que temos grandes chances de levar a melhor.” Tão otimista que acha que sua equipe não precisa fazer nada além do que já tem feito para ganhar outra vez. É contra marcação especial sobre Riquelme ou quem quer que seja. “Nós estamos jogando bem, crescendo a cada partida. Alterar algo agora não teria sentido.”

O receio de que a pressão da torcida influa no resultado é tamanho que o auxiliar técnico Joachim Low fez questão de reservar alguns momentos da manhã de hoje para conversar com cada um dos atletas, para acalmá-los. “Eles têm de estar preparados para encarar essa torcida”, justificou. “Sabemos que as pessoas estarão no estádio e também em todas as ruas torcendo por nós. Mas isso não pode entrar em campo”, acrescentou o artilheiro do time e do Mundial, com 4 gols, Miroslav Klose.

Contra tudo e todos

“Nós vamos entrar em campo para enfrentar todo um país e não apenas um time de futebol, mas estamos preparados para isso.” A frase de Saviola demonstra a maneira como os argentinos encaram a partida desta sexta-feira contra os alemães pelas quartas-de-final da Copa do Mundo.

A Argentina sabe que será visitante. Que os gritos de sua fanática torcida ("Vamos, vamos, Argentina, vamos vamos a ganar”) serão sufocados por outros falando da força alemã. E não parecem preocupados com isso. Alguns, como Tevez e Messi, chegam a dizer que preferem essa pressão, que se sentem bem assim e que isso facilita o jogo para os argentinos.

É um evidente exagero. Todos prefeririam jogar em Buenos Aires. Ou em Rosário, onde a pressão é ainda maior. Mas a Copa é na Alemanha e, mesmo como visitantes, os argentinos acreditam que podem vencer. “Para mim, há dois favoritos nesse jogo. Ninguém leva vantagem. São dois campeões do mundo”, diz o técnico Jose Pekerman.

Reprodução

Para que não seja a sua Argentina, Pekerman aposta muito na mística da camisa. Na capacidade - da qual todo argentino se vangloria - de superar as dificuldades, mostrando raça em campo. E bom futebol também. “Vejo alguns sinais das seleções campeãs do mundo de 1978 e de 1986 nesses jogadores que estão aqui agora. É uma honra representar um futebol tão vencedor como esse”, disse nesta quinta, quando se completavam 20 anos do título de 1986, conquistado com um 3 a 2 sobre a mesma Alemanha de hoje.

 

 

Agestado

Leia Também

BRASIL VERDE
Governadores avançam na criação de consórcio em defesa do desenvolvimento sustentável
LIÇÕES DA BÍBLIA
Estudo adicional
LIÇÕES DA BÍBLIA
Outras imagens
LIÇÕES DA BÍBLIA
Seu povo especial
REVOLTANTE
Vanessa, de 18 anos, é atropelada e morre após reagir a assédio
LIÇÕES DA BÍBLIA
O livro da aliança
PAVOROSO
Acumulador de lixo transforma rua de cidade modelo em paraíso das ratazanas
JOGOS MORTAIS
Escola envia carta aos pais alertando sobre a série 'round 6'
NAUFRÁGIO
Barco naufraga e duas pessoas desaparecem; buscas continuam nesta segunda (11)
FOTO: REDES SOCIAIS DESCARGA FATAL
Jovem morre ao desligar geladeira da tomada após queda de raio