Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 13 de abril de 2021
SADER_FULL
Busca
Brasil

Agricultores trocam o cultivo de milho pelo de soja no PR

8 Set 2004 - 08h56
Os produtores mais uma vez estão trocando o milho pela soja no Paraná. Dados do Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria de Agricultura do Paraná (Seab) indicam redução de 5% na área de milho para a safra 2004/05, que deve ficar em 1,28 milhão de hectares. A soja deve bater novo recorde, com de 4 milhões de hectares. "Apesar de o mercado internacional de milho apresentar melhores perspectivas no médio e no curto prazo, o produtor prefere a soja em função da maior estabilidade do mercado, comercialização e liquidez ", afirma Vera Zardo, engenheira agrônoma do Deral.

Maior produtor nacional, o estado deverá produzir, em condições climáticas normais, 7,2 milhões de toneladas de milho na safra 2004/05, 4% menos que neste ano. Cerca de 80% do plantio é feito em setembro e outubro e 19% em novembro e dezembro.

Segundo relatório do Deral, a produção do milho não será suficiente para o consumo, estimado em 7,7 milhões de toneladas somente no Paraná. "Considerando que os estoques de passagem serão menores do que os de 2004, o estado mais uma vez deverá depender da produção da safrinha no próximo ano para complementar o abastecimento", afirma Vera Zardo. Para o Deral, da oferta total de milho – safra de verão e safrinha – de 11,2 milhões de toneladas, restam 4,97 milhões de toneladas para serem comercializadas.

Além da queda do preço da soja, a alta do custo de produção, por causa dos reajustes nos preços de itens como sementes, fertilizantes e mão-de-obra, desestimula o produtor. Na região oeste do Paraná, o custo de produção aumentou 15%, de R$10,61 por saca, para R$ 12,22 a saca. O preço médio do milho no Paraná está estável na maior parte das regiões, em torno de R$ 15,38 a saca. "O mercado interno permanece lento com poucos negócios e a sustentação dos preços é atribuída aos leilões de opção do governo federal", diz Vera. No curto prazo, segundo ela, não há perspectivas de aumento dos preços.

Em quase todas as regiões do estado há estimativa de redução de plantio de milho: no Norte, a diminuição é de 14%; no Centro-Oeste de 11,0%; no Oeste 7,5%, Sudoeste 3,3% e Sul 1,9%.

A soja deve ter a área ampliada nas principais regiões produtoras. A área total chegará a 4,069 milhões de hectares, 3,4% mais que no ano anterior, com destaque para a região Norte, que aumentará a área em 5,3%; Noroeste, em 2,4% e Oeste, em 1,2%; sudoeste, em 4,3% e sul em 3,9%. A produção de soja deve alcançar a marca de 12,4 milhões de toneladas, 24,8% acima da safra 2003/04, prejudicada pela estiagem que reduziu o volume para 9,9 milhões de toneladas.
 
Gazeta Mercantil

Deixe seu Comentário

Leia Também

EXEMPLAR
Cidade modelo que vacinou 64% da população vê casos de covid-19 caírem 78%.
NOVO CÓDIGO DE TRANSITO
Novo Código de Trânsito entra em vigor na segunda-feira; veja mudanças
LOCKDOWN É A SOLUÇÃO?
Araraquara X Bauru: dois retratos do Brasil com e sem lockdown contra a covid-19
AGRICULTURA SUSTENTAVEL NO MUNDO
II Congresso Mundial de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta deve receber 1 mil inscrições
MORTANDADE
Brasil bate marca de 4 mil mortes por Covid registradas em um dia pela 1ª vez
COPA LIBERTADORES
Santos vence o San Lorenzo na Argentina e abre vantagem por vaga nos grupos da Libertadores
FATALIDADE
Técnico de informática morre após levar choque a partir de fone de ouvido
CANALHA
Pai comete estupro e diz que filha precisa saber "como é ter um homem"
SOB INVESTIGAÇÃO
Cantor gospel e pastor é encontrado morto e amarrado em árvore
CONTAMINAÇÃO
Igrejas superam mercado e consultório médico em risco de transmissão de Covid-19, aponta estudo