Menu
SADER_FULL
sábado, 25 de setembro de 2021
Busca
MANIFESTO

Agentes de saúde entram em greve na Capital

5 Jan 2011 - 06h38Por Mídia Max

Os agentes de saúde do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), entraram em greve nesta terça-feira em Campo Grande.


A paralisação foi concentrada no bairro Estrela do Sul, região norte da cidade. Segundo o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Saúde Pública do Município (Sintesp), Amado Cheikh, o principal objetivo é que a categoria passe a ganhar por produtividade.


Os manifestantes trabalham no combate à dengue, doença que matou 22 pessoas de janeiro a novembro do ano passado.


Amado afirma que aproximadamente 900 trabalhadores compõem o quadro do CCZ, porém 30% do efetivo continuam trabalhando conforme determina a lei no caso de greve.


Segundo o presidente do sindicato, o indicativo de greve foi votado no dia 26 de dezembro e desde então os agentes começaram a colher assinaturas da população que apóia as reivindicações da categoria. "Queremos que a prefeitura cumpra a o código de ocupação federal, que é de 2002. Ele se aplica aos estados, municípios e a União”, diz.


Amado explica que o código dispõe sobre as atribuições dos agentes de saúde, que teria que sere diferenciadas, na interpretação da entidade.


“A gente teve a carga de trabalho aumentada. Agora a gente é responsável por borrifação, zoonoses, combate a dengue, leishmaniose, dedetização, vetores. É óbvio que quando se aumenta o trabalho tem que aumentar o salário”, finaliza.


A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa da prefeitura, que enviou um comunicado oficial acerca da questão.


Em um dos pontos diz que “esses atos e a falta de compromisso dos servidores para com a população terão consequências graves em suas fichas funcionais”, o que deixa a entender que haverá desconto dos dias não trabalhados.


Leia na íntegra a nota oficial:

NOTA SOBRE GREVE DOS AGENTES DE SAÚDE


A Prefeitura de Campo Grande não reconhece a greve deflagrada nesta terça-feira (04.01), pelos agentes de saúde pública e de epidemiologia. Movimento este iniciado prematuramente, de forma irresponsável e leviana.


“As negociações estavam sendo levadas com naturalidade e a bom termo. Considero um crime o que estão fazendo, justamente neste momento em que a população mais necessita dos serviços prestados por estes servidores”, afirmou o prefeito Nelson Trad Filho a respeito da paralisação e referindo-se ao trabalho de prevenção à leishmaniose e à dengue, executado pelos agentes.


“Em nenhum momento, deixamos de responder às reivindicações dos servidores. É totalmente inexplicável esse movimento. Esses atos e a falta de compromisso dos servidores para com a população terão consequências graves em suas fichas funcionais”, assegurou o prefeito.


Levando em conta todos estes fatores, o prefeito Nelson Trad Filho informou que aqueles que aderirem ao movimento terão o ponto cortado “sem qualquer possibilidade de reparação posterior”.


Além disto, a partir deste momento, a paralisação será “judicializada” e os servidores em questão irão arcar com as conseqüências inerentes à atitude adotada.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ROTA BIOCEÂNICA
Comissão mista homologa consórcio que vai construir ponte da Rota Bioceânica em MS
CASTELO DE AREIA
Idoso casa com prostituta 35 anos mais nova e flagra com outro
DOENÇA DO SÉCULO
Servidor público é encontrado pendurado em árvore
COVID-19
Ministra de Bolsonaro testa positivo para Covid e cancela agenda em Nova Andradina
ASSUSTADOR
Homem encontra boneca na parede com bilhete misterioso: "obrigada por me libertar"
VIDEOS VAZADOS
Torcedora do flamengo esquenta a web com vídeos íntimos
VOLTOU A SUBIR
Covid-19: Brasil registra em 24 horas 36.473 novos casos e 876 novas mortes
REVOLTANTE
Criança autista vítima de maus tratos é encontrada comendo fezes de cachorro para sobreviver
HOMICIDIO X SUICÍDIO
Marido mata esposa e tira própria vida; criança de 3 anos pede socorro a vizinho
NEGLIGÊNCIA
Criança de 2 anos ao volante mata prima de 3 anos atropelada