Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
segunda, 18 de janeiro de 2021
Busca
MANIFESTO

Agentes de saúde entram em greve na Capital

5 Jan 2011 - 06h38Por Mídia Max

Os agentes de saúde do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), entraram em greve nesta terça-feira em Campo Grande.


A paralisação foi concentrada no bairro Estrela do Sul, região norte da cidade. Segundo o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Saúde Pública do Município (Sintesp), Amado Cheikh, o principal objetivo é que a categoria passe a ganhar por produtividade.


Os manifestantes trabalham no combate à dengue, doença que matou 22 pessoas de janeiro a novembro do ano passado.


Amado afirma que aproximadamente 900 trabalhadores compõem o quadro do CCZ, porém 30% do efetivo continuam trabalhando conforme determina a lei no caso de greve.


Segundo o presidente do sindicato, o indicativo de greve foi votado no dia 26 de dezembro e desde então os agentes começaram a colher assinaturas da população que apóia as reivindicações da categoria. "Queremos que a prefeitura cumpra a o código de ocupação federal, que é de 2002. Ele se aplica aos estados, municípios e a União”, diz.


Amado explica que o código dispõe sobre as atribuições dos agentes de saúde, que teria que sere diferenciadas, na interpretação da entidade.


“A gente teve a carga de trabalho aumentada. Agora a gente é responsável por borrifação, zoonoses, combate a dengue, leishmaniose, dedetização, vetores. É óbvio que quando se aumenta o trabalho tem que aumentar o salário”, finaliza.


A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa da prefeitura, que enviou um comunicado oficial acerca da questão.


Em um dos pontos diz que “esses atos e a falta de compromisso dos servidores para com a população terão consequências graves em suas fichas funcionais”, o que deixa a entender que haverá desconto dos dias não trabalhados.


Leia na íntegra a nota oficial:

NOTA SOBRE GREVE DOS AGENTES DE SAÚDE


A Prefeitura de Campo Grande não reconhece a greve deflagrada nesta terça-feira (04.01), pelos agentes de saúde pública e de epidemiologia. Movimento este iniciado prematuramente, de forma irresponsável e leviana.


“As negociações estavam sendo levadas com naturalidade e a bom termo. Considero um crime o que estão fazendo, justamente neste momento em que a população mais necessita dos serviços prestados por estes servidores”, afirmou o prefeito Nelson Trad Filho a respeito da paralisação e referindo-se ao trabalho de prevenção à leishmaniose e à dengue, executado pelos agentes.


“Em nenhum momento, deixamos de responder às reivindicações dos servidores. É totalmente inexplicável esse movimento. Esses atos e a falta de compromisso dos servidores para com a população terão consequências graves em suas fichas funcionais”, assegurou o prefeito.


Levando em conta todos estes fatores, o prefeito Nelson Trad Filho informou que aqueles que aderirem ao movimento terão o ponto cortado “sem qualquer possibilidade de reparação posterior”.


Além disto, a partir deste momento, a paralisação será “judicializada” e os servidores em questão irão arcar com as conseqüências inerentes à atitude adotada.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DEU RUIM
Jovem é atingido por raio enquanto usava celular no banheiro
PROVA DO ENEM
Confira as medidas de segurança durante a prova do Enem
SAIU O EDITAL
Com salário de até R$ 23,6 mil, Polícia Federal abre inscrição em concurso no dia 22
DESESPERO EM MANAUS
Médicos e familiares de pacientes descrevem colapso com falta de oxigênio em Manaus; leia relatos
AUXILIO POPULAÇÃO
Caixa libera saque da última parcela do auxílio emergencial a aniversariantes em julho
HORROR NA NOITE
Crianças são encontradas chorando ao lado de corpos de pais assassinados
DOR E DESCASO
Filho é obrigado abrir cova para enterrar próprio pai por não encontrar coveiro em cemitério
SEUS DIREITOS
Trabalhador afastado por Covid-19 tem direito a auxílio-doença do INSS
COM DESCONTOS
Veja as opções de pagamento do IPVA com desconto
CASA PRÓPRIA
Casa Verde e Amarela substitui Minha Casa Minha Vida com opção para renegociar dívidas e menos juros