Menu
SADER_FULL
quinta, 22 de abril de 2021
Busca
Brasil

Agência de risco melhora nota da dívida externa do Brasil

18 Set 2004 - 11h14
A agência de classificação de risco norte-americana Standard & Poor´s elevou o nota de crédito da dívida de externa do Brasil de B+ para BB-. A perspectiva também foi revisada de "positiva" para "estável". A classificação para a dívida externa de curto prazo foi mantida em B. A nota para a dívida interna continua em BB e a perspectiva foi mantida "estável".

O mercado brasileiro passou o dia todo especulando sobre a nova classificação do Brasil, o que se confirmou após o fechamento dos negócios. O dólar e o risco Brasil fecharam na menor cotação desde janeiro e a bolsa ultrapassou os 23 mil pontos, em alta de 0,86%, com giro R$ 1,265 bilhão. O volume de negociação do after market (mercado eletrônico) bateu recorde histórico de R$ 26,361 milhões, em 1.468 transações, após o anúncio da Standard & Poors.

Segundo comunicado da S&P "a elevação reflete a melhora notável na posição de liquidez externa do Brasil e a melhor dinâmica fiscal, em meio a uma forte gestão macroeconômica". A analista de crédito Lisa Schineller diz na nota que "o forte desempenho da balança comercial em 2004 e 2005 põe em destaque o declínio da necessidade de financiamento externo". Na opinião dela, as vendas externas do Brasil foram ajudadas "por fatores cíclicos favoráveis", mas também refletem "uma melhora estrutural".

A analista acredita que a melhora nas contas do Brasil "deverá favorecer uma estabilidade maior do real. Além disso, disse, o declínio na parcela de dívida indexada ao dólar (13% da dívida interna em agosto de 2004, de 22% em dezembro de 2003) contribui para isolar as contas fiscais do Brasil e sua dívida das flutuações do câmbio. Ela projeta um crescimento da economia este ano de 4% e de 3% em 2005, mas adverte que "o crescimento no investimento permanece em níveis baixos". A nota diz que "a aprovação de uma reforma microeconômica dará mais apoio ao investimento" e defende "o superávit entre de 3% a 4% do PIB para manter a trajetória da dívida numa ladeira para baixo".

 

 

Estadão

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRAGÉDIA EM CACHOEIRA
Mãe e filha morrem vítima de tromba d'gua em cachoeira; cunhado também morreu
ASSÉDIO À MENOR
Pastor é investigado após ser filmado beijando e oferecendo dinheiro a adolescente de 14 anos
UTRAPASSAGEM FATAL
Tio e sobrinho morrem "esmagados" por caminhão em rodovia
FATALIDADE
Bebê morre eletrocutado após morder fio de carregador de celular
AJUDA DO GPS
Após ficar 30h desaparecida, médica é encontrada em ribanceira com ajuda de GPS de celular
REVOLTANTE
A intérprete que descobriu na aula de Libras que pastor abusava de adolescente
BRASIL - 381.687 MORTES
Brasil passa de 380 mil mortes por Covid; mais de 3 mil delas foram registradas nas últimas 24 horas
BRUTALIDADE
Adolescente queimado por negar sexo com homens morre em hospital
VACINA RUSSA
Governador diz que consórcio vai adquirir 28 milhões da vacina Sputnik V
LUTO NA SAÚDE
Dias após perder os pais, médica de 36 anos morre de Covid-19