Menu
SADER_FULL
terça, 18 de maio de 2021
Busca
Brasil

Advogado invoca 'caso Wanshington' em defesa do Azulão

26 Nov 2004 - 16h35
Na próxima segunda-feira, o São Caetano deve enfrentar um novo desdobramento decorrente da morte em campo do zagueiro Serginho. O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) anunciou que pretende indiciar o clube, seu presidente Nairo de Souza e o médico, Paulo Forte, por negligência na tragédia. O indiciamento deve ser feito com base no artigo 214 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva, mas para o advogado do Azulão, João Zanforlim, não há adequação do caso de Serginho no regulamento.

'Ainda estamos esperando receber oficialmente o laudo para ver o que está contido. Mas o São Caetano deverá sustentar que o artigo 214 não se presta a este caso', garante Zanforlim, que fará a representação do Clube junto ao Tribunal. Para o advogado, o artigo trata apenas de irregularidades na competição. 'Entendo até hoje que a irregularidade nasce do não cumprimento de uma regra, como a utilização de um jogador punido, não inscrito ou com três cartões amarelos'.

A tática defensiva de Zanforlim também tentará tirar proveito do caso de Washington, no Atlético Paranaense. Cardíaco, o atacante mantém suas atividades depois de submetido ao implante de duas próteses de aço flexível no peito. 'Se fosse assim (o artigo adequado), o Washington também estaria irregular. Não existe artigo nenhum sobre isso'.

Apesar de já preparado para um possível indiciamento, Zanforlim explica que a tática da defesa só será definida após o recebimento dos documentos do STJD. 'Tem que ver se o laudo é conclusivo, se têm provas ou se só relata possibilidades'.

Para o defensor do Azulão, a equipe cumpriu suas obrigações e agiu de acordo com as regras da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) quando entregou a documentação do zagueiro. 'O regulamento diz que no momento do registro do contrato tem de ser entregue o laudo médico. Tudo foi entregue em janeiro, quando o Serginho não tinha nada. Só em fevereiro ele sofreu a arritmia e o médio Paulo Forte, que é ortopedista, fez o que deveria, encaminhando-o a um especialista. Se tivessem mandado um laudo, o São Caetano não teria agido errado'.

Caso o São Caetano seja considerado culpado, pode ser penalizado com a perda de até 24 pontos o que acabaria com suas chances de sonhar com o título ou mesmo uma vaga nas Copas Sul-americana e Libertadores da América. Nairo e Forte poderão ser afastados de suas funções por tempo indeterminado. Não há prazo certo para a finalização do processo no STJD, mas Zanforlim acredita em uma definição até 19 de dezembro, quando termina o Brasileiro, por causa de suas implicações na decisão do campeão, das vagas para os campeonatos sul-americanos e dos rebaixados para a segunda divisão.

 

Gazeta Esportiva

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRAGÉDIA NO HARAS
Vaqueiro morre ao ser arrastado por boi durante vaquejada, em Paranatama; veja vídeo
Foto: Divulgação/Instagram LUTO NA MÚSICA
MC Kevin morre aos 23 anos no Rio de Janeiro
SONHO INTERROMPIDO
Agente educacional morta em ataque a creche em Saudades queria fazer intercâmbio no Canadá
PESQUISA PRESIDENCIAL
Datafolha mostra Lula disparado na corrida eleitoral
NOVA INFECÇÃO
Covid-19: após 3 semanas de queda, casos de coronavírus avançam no Brasil puxados por 9 Estados
TRISTEZA NA FAMILIA
Seis pessoas da mesma familia morrem vítimas da Covid-19
NOVAS REGRAS
WhatsApp: o que acontece se você não aceitar novas regras do aplicativo até 15 de maio
FAMOSIDADES
Pai da campeã do 'BBB 21' Juliette vive em casinha de barro na Paraíba
CACHAÇA
Jovem enfia garrafa no ânus durante bebedeira e vai parar no hospital
ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho