Menu
SADER_FULL
segunda, 26 de outubro de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ZANZI
Brasil

Acusada de matar babá de 11 anos é julgada no Pará

14 Jun 2007 - 09h35

O segundo julgamento de Roberta Sandreli Rolim, acusada de envolvimento na morte da menina Marielma de Jesus Sampaio, de 11 anos, começou na manhã desta quinta-feira (14) em Belém (PA). É a segunda vez que Roberta enfrenta o júri. Ela já foi condenada a 38 anos de prisão em regime fechado no ano passado, mas teve direito a novo julgamento porque a pena ultrapassou 20 anos.

 

Segundo o processo, Roberta e o marido Ronivaldo Guimarães mataram Marielma, que trabalhava como babá na casa deles. O crime ocorreu em novembro de 2005. A acusação diz que Guimarães teria atacado a criança com um banco de madeira. Roberta o teria auxiliado no crime e, inicialmente, assumiu a autoria do delito. Mas depois ela disse que o marido foi o único autor do assassinato.

Guimarães já foi condenado a 52 anos de prisão. O primeiro jugamento ocorreu em 2006. Em maio deste ano, ele passou por novo júri e a pena foi confirmada.

 Repercussão internacional

O crime teve repercussão internacional e foi denunciado na Organização Internacional do Trabalho (OIT). Marielma era filha de lavradores e foi entregue pela mãe ao casal, para estudar e trabalhar de babá. Em troca do trabalho, a família receberia, mensalmente, uma cesta de alimentos.

 

O laudo sobre as causas da morte da menina aponta que ela teve fraturas no crânio, nas costelas, pulmões perfurados, ruptura do baço e dos rins, queimaduras e marcas de choque elétrico. Os exames também comprovaram que a babá foi vítima de abuso sexual.
 

 Acusação e defesa

O promotor de Justiça Paulo Guilherme Godinho vai sustentar a tese do homicídio quadruplamente qualificado. Godinho está à frente da acusação desde o oferecimento da denúncia e participou do primeiro julgamento de Roberta, realizado em 11 de agosto de 2006.

O representante do Ministério Público deve atuar em conjunto com advogados de entidades de defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente e dos Direitos Humanos que acompanham o caso.

O advogado Dorivaldo Belém defende a ré. Caso mantenha a mesma tese do júri anterior, o defensor vai sustentar a inocência da cliente e tentar convencer os sete jurados de que a mulher era também vítima do marido. De acordo com a tese do advogado, Roberta não denunciou o marido por temer pela própria segurança e da filha.

 

 

G1

Deixe seu Comentário

Leia Também

SIM A VIDA
Brasil se une a Egito, Indonésia, Uganda, Hungria e EUA em declaração contra o aborto
Invasão em residência acaba morador morto por tiro acidental TRAGÉDIA NA FAMILIA
Homem mata o próprio irmão ao atirar em invasor de residência
GUERRA DA VACINA
Bolsonaro diz que não comprará vacina chinesa, mesmo se aprovada pela Anvisa
Motorista da carreta diz que ainda tentou desviar, mas não conseguiu DOENÇA DO SÉCULO
Menor pega carro escondido, joga contra carreta e morre na hora
BRASIL - 155.403 MORTES
Covid-19: Brasil tem 24.818 novos casos em 24 horas
AJUDA
Caixa Econômica paga auxílio emergencial para 5,2 milhões de beneficiários
CORONAVIRUS
Morre voluntário brasileiro que participava de testes da vacina de Oxford
MORTE SUBITA
Idoso morre em voo de Cuiabá para SP; avião faz pouso de emergência
BRASIL - 154.176 MORTES
Covid-19: Brasil tem mais 271 óbitos e 15.383 novos casos em 24h
TRAGÉDIA NA CIDADE
Acidente entre trem e e micro-ônibus deixa uma mulher morta e feridos