Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 17 de outubro de 2021
Busca
Brasil

80% dos bares de Dourados funcionam sem alvará municipal

7 Ago 2006 - 08h30

Ilegalidade e abuso no setor de bares e congêneres são as principais preocupações da fiscalização da Semsurt (Secretaria Municipal de Serviços Urbanos) de Dourados. Cerca de 80% dos mais de 500 estabelecimentos do município funcionam irregularmente, ou seja, sem o alvará municipal. E sem este alvará, os comerciantes são reincidentes no abuso, já que estão infringindo a Lei Seca, que entrou em vigor em janeiro e também exige o documento.

O coordenador da Semsur, Joamir Rodrigues de Oliveira, diz que no primeiro trimestre deste ano, todos os bares de Dourados, foram notificados para que se adequassem à Lei Seca. "Saímos pelos bairros da cidade para orientar os proprietários a se adequarem à Lei Seca que tinha sido aprovada. Ficamos surpresos com a quantidade de estabelecimentos que funcionavam irregularmente e não tinham nem o alvará de funcionamento", disse.

Joamir lembra, que depois das orientações e notificações, somente no mês de julho aproximadamente 17 estabelecimentos sofreram autos de infração. "Voltamos e aplicamos as devidas multas nos proprietários, mas somente dois comerciantes pagaram. Depois de notificados, eles têm oito dias para recorrer ou pagar, caso contrário, enviamos a nota para o setor de IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) que encaminha para a Secretaria de Fazenda fazer uma cobrança ‘amigável’", explica o coordenador, lembrando que o valor da multa para quem não tem alvará de funcionamento é R$ 80,70 e para quem não tem licença especial é R$ 40,35.

O alvará de funcionamento é expedido pela Prefeitura e para ter o documento os imóveis precisam estar regulares, entre outros aspectos, nas questões de segurança e zoneamento. A autorização inicial é concedida pela Secretaria de Habitação de Serviços Urbanos. Depois de passar pela secretaria, o comerciante faz o pedido do termo de consulta, tem a vistoria da Vigilância Sanitária e aguarda o alvará. Em tese, um bar só poderia abrir ao público depois de ter o documento.

Mas para o proprietário de um bar de periferia regularizar o estabelecimento, ele deverá gastar entre R$ 988,26 e R$ 1,3 mil, fora os honorários contábeis e encargos todos os meses. O cálculo é do técnico em contabilidade, Edvan Bonetti. Segundo ele, as taxas de abertura empresariais, de sociedade ou não, variam e o mesmo vale para os valores da Prefeitura, que são de acordo com a atividade da empresa que será regularizada.

"É um custo elevado para quem tem que abrir um bar ou uma empresa e por isso, o número de estabelecimento irregular, aumenta a cada dia", salienta o contador. Ele lembra, que além do alvará que custa em média R$ 101, o empresário precisa pagar outras taxas, como a Jucems (Junta Comercial do Mato Grosso do Sul) em que os valores flutuam de R$ 103,06 à R$ 201,06 até os honorários de abertura da empresa, que varia de R$ 350 à R$ 500.

 

 

Mídia Max 

Leia Também

LIÇÕES DA BÍBLIA
Amar a Deus
LIÇÕES DA BÍBLIA
Ame o Senhor, seu Deus
BRASIL VERDE
Governadores avançam na criação de consórcio em defesa do desenvolvimento sustentável
LIÇÕES DA BÍBLIA
Estudo adicional
LIÇÕES DA BÍBLIA
Outras imagens
LIÇÕES DA BÍBLIA
Seu povo especial
REVOLTANTE
Vanessa, de 18 anos, é atropelada e morre após reagir a assédio
LIÇÕES DA BÍBLIA
O livro da aliança
PAVOROSO
Acumulador de lixo transforma rua de cidade modelo em paraíso das ratazanas
JOGOS MORTAIS
Escola envia carta aos pais alertando sobre a série 'round 6'