Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 29 de maio de 2024
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
Busca
Brasil

40% da mortalidade de pacientes com aids está ligada a diagnóstico tardio

15 Fev 2011 - 13h28Por

Estudo inédito coordenado pelo pesquisador da Universidade São Paulo (USP) Alexandre Grangeiro mostra que 40% da mortalidade de aids no Brasil está associada ao diagnóstico tardio, o que poderia explicar a pequena redução da taxas de óbito na década.

Em 2001, foram registradas 6,4 mortes a cada 100 mil habitantes. Em 2009, o índice foi de 6,2 por 100 mil habitantes.

"O fim do diagnóstico tardio poderia gerar uma redução na mortalidade equivalente àquela registrada com o início do uso de remédios antiaids", avalia o pesquisador. Com os antirretrovirais, a taxa de mortalidade pela doença foi reduzida em 43%.

Se o diagnóstico tardio fosse superado, essa queda poderia chegar a 62,5%. "A identificação de pacientes poderia ter poupado a vida de 17 mil pessoas em quatro anos", calcula Grangeiro.

Outro dado apontado pelo trabalho explica o motivo: uma pessoa que inicia tardiamente o tratamento tem um risco 49 vezes maior de morrer do que outra que começa o acompanhamento no período adequado.

O diagnóstico tardio é um problema há tempos identificado pelas autoridades sanitárias. Mas, até o trabalho conduzido por Grangeiro, não havia dados que revelassem o impacto dessa demora nas estatísticas de morte.

Para fazer o estudo, o grupo acompanhou dados de mortalidade de pacientes atendidos nos serviços públicos do País entre 2003 e 2006. Dos 115.369 pacientes analisados, 43,6% iniciaram tardiamente o tratamento.

Um porcentual classificado com mediano, em relação a outros países. No continente africano, a taxa de diagnóstico tardio em boa parte dos países é de cerca de 70%. Entre países desenvolvidos, esse índice chega a 20%.

"O problema ganha dimensões importantes quando analisamos as condições do Brasil, em que pacientes têm garantido o acesso a um tratamento eficaz", ressalta Grangeiro. Do grupo analisado no trabalho, 12% morreram nos primeiros 20 dias da chegada ao serviço de saúde.

Mais afetados. O diagnóstico tardio, de acordo com trabalho, é mais frequente entre homens, pessoas com faixa etária acima dos 40 anos, residentes das Regiões Norte e Nordeste.

Justamente o perfil do grupo de pessoas que têm menor acesso a serviços de saúde.

O diretor do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, Dirceu Greco, afirma que o governo federal está atento ao problema.

Ele observa que várias iniciativas vêm sendo adotadas ao longo dos últimos anos: a oferta de testes rápidos e campanhas informando a importância do diagnóstico precoce.

O primeiro grande movimento foi desencadeado em 2003, com o Fique Sabendo.

"Mas, como outras ações na saúde, não há um caminho único para solucionar o problema. A estratégia da Região Sul, por exemplo, pode não ter o mesmo impacto na Região Norte", observa.

Uma das ações consideradas importantes é o esclarecimento nas escolas. "O chamado se multiplica: ele não fica apenas entre alunos, porque eles levam a informação para casa", observa.

Grangeiro e Greco atribuem o atraso do diagnóstico a uma série de fatores. Parte da população tem dificuldade de acesso a serviços de saúde; outra, resiste em procurar médicos.

"Mas há ainda dois fatores fundamentais: pessoas não se consideram sob o risco da infecção, além do estigma que ainda envolve a doença", aponta Greco.

Informação. O diretor diz que uma política que deverá ser reforçada nos próximos meses o deixa confiante: a difusão de informações por meio da atenção básica.

"Para atendimento de casos diagnosticados, temos uma rede bem estruturada. Precisamos ofertar na atenção básica uma rede de diagnóstico também com capilaridade e boa organização."

Uma das apostas é a de reforçar o trabalho de informação por meio de agentes do Programa de Saúde da Família. "Eles não fariam o exame, mas alertariam sobre a importância de sua realização", diz Greco.

Grangeiro avalia que o esforço adotado pelo governo nos últimos anos foi fundamental para reduzir o diagnóstico tardio. "Houve uma melhora importante, mas entre a população em geral", observa.

Ele ressalta que, entre grupos com maior risco da doença (homens que fazem sexo com homens e profissionais do sexo, por exemplo), o impacto de campanhas não apresentou o efeito esperado.

"Eles se mostraram mais refratários a essas ações gerais. Algo que deixa clara a importância de reforçar medidas específicas." (O Estado de S.Paulo)

Participe do nosso canal no WhatsApp

Clique no botão abaixo para se juntar ao nosso novo canal do WhatsApp e ficar por dentro das últimas notícias.

Participar

Leia Também

Fotos: PMMS/ BMMS BOMBEIROS DE MS NO RS
Com atuação de equipes dos Bombeiros, PM e Defesa Civil, MS continua a apoiar o Rio Grande do Sul
Xadrez MS
Enxadristas representam Mato Grosso do Sul em competição nacional de base em Natal
Saúde Delicada
O Ator Tony Ramos passa por cirurgia de emergência na cabeça para tratar sangramento cerebral no RJ
Ajude o RS
Culturamense registra a devastação de Lageado durante entrega de 21 toneladas de donativos
Fotos: Saul Schramm BOMBEIROS DE MS EM AÇÃO NO PANTANAL
Para combater incêndios florestais no Pantanal, Governo de MS instala bases dos bombeiros em 13 área

Mais Lidas

FÁTIMA DO SUL EM DESTAQUE
Conhecendo Fátima do Sul com Leandro Santos: Uma viagem cultural pelo Favo de Mel do MS
Fotos: Washington Lima / Fátima Em DiaFÁTIMA DO SUL - REFORMA ILHA DO SOL
Prefeita Ilda Salgado Machado inicia reforma transformadora da Ilha do Sol em Fátima do Sul, ASSISTA
FATIMASSULENSE EM DESTAQUE
Fatimassulense é pódio em mais um rodeio em touros, agora na Expotac 2024
Estátua que seria homenagem para João Carreiro desagradou família / Redes Sociais/Repórter TopFAMÍLIA SE REVOLTA
Família se revolta com homenagem a João Carreiro: 'músicas sem autorização e estátua nada parecida'
Sósia
Professora acusada de se relacionar com ex-aluno adolescente desabafa