Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 12 de dezembro de 2018
LIMIT ACADEMIA
Busca
ITALÍNEA
saúde

Número de doadores de órgãos dobra em dez anos no Brasil, diz Saúde

25 Set 2013 - 14h00Por Uol

Nos últimos dez anos, o Brasil dobrou o número de doadores, segundo dados do Ministério da Saúde divulgados nesta quarta-feira (25). Em dez anos, os transplantes aumentaram de 7.500 para 15.141 cirurgias.

Mais de 50% das famílias brasileiras, ao perder um ente, são favoráveis à doação de órgãos. Este é o maior índice de aprovação à doação do mundo. A aprovação da população à doação subiu de 6,5% em 2003, para 13,5% em 2012.

Em 2010, havia 59.728 na fila aguardando no Sistema Brasileiro de Transplantes. Eram pessoas já estavam prontas para a cirurgia e em avaliação médica. Já em 2013, houve uma redução neste número absoluto e no tempo de espera. 

O ministério divulgou os dados durante evento para apresentar a Campanha Nacional de Doação de Órgãos e o balanço de transplante do primeiro semestre deste ano.

Nesta próxima sexta-feira (27) será comemorado o Dia Nacional da Doação de Órgãos, área em que o Brasil é considerado referência. Atualmente, 95% das cirurgias no país são realizadas pelo SUS (Sistema Único de Saúde).

Maior sistema

Segundo Heder Borba, coordenador geral do Sistema Nacional de Transplantes, o Brasil é responsável pelo maior sistema público de transplante do mundo e os cuidados vão até os medicamentos que os pacientes precisam tomar. A sobrevida está relacionada ao acesso ao medicamento.

Atualmente, há 27 centrais de transplante, com experts do país todo, 1.000 equipes e 71 unidades de procura de órgãos. Em 2010 eram 12 unidades. Essas células são importantes porque coordenam as doações do órgão.

Quatro Estados estão sendo considerados com fila zero para transplante de córnea, em que o paciente recebe quase que imediatamente o transplante: São Paulo, Pernambuco, Paraná, Rio Grande do Sul e Distrito Federal. Outros sete reduziram o tempo para alguns meses. O transplante de córnea representa 60% das cirurgias.

Premiações

Durante o evento, a Força Aérea Brasileira recebeu Prêmio Pessoa Jurídica pela colaboração ao Sistema Nacional de Transplante. Já o prêmio Pessoa Física ficou com o deputado Beto Albuquerque (PSB/RS), autor da Lei Pietro, sancionada em abril de 2009, e que institui a Semana de Mobilização Nacional para Doação de Medula Óssea. O nome foi em homenagem a seu filho, que morreu sem conseguir um doador compatível.

"Falamos sempre de coisas ruins, mas precisamos falar de coisas boas. Não sobre meu prêmio, mas sobre a Semana Nacional de Transplante. O problema quando não há a manchete sobre a doação é que os problemas são maiores: perder a vida de alguém por falta de doação de órgãos. A dramaturgia, quando o assunto aparece numa novela, ajuda muito. Você também pode dizer durante o almoço de família que gostaria de ser doador. É importante despertar solidariedade", declarou o deputado.

O Ministro da Saúde, Alexandre Padilha, declarou que a substância usada para conservar os órgãos a serem transplantados será fabricada no Brasil.

"Às vezes, o órgão é transportado pela Fab (Força Aérea Brasileira) e pelos médicos com todo o cuidado, mas como a solução (o líquido usado na conservação) é comprada de forma descentralizada, temos problemas de conservação. Assim, vamos centralizar a compra desta solução. Fomos buscar dois fornecedores mundiais e vamos fazer uma política de transferência de tecnologia para um laboratório brasileiro. O do exército já fez uma proposta".

Padilha também declarou que o ministério não se contentava em ter o Brasil como maior país em número de transplantes: "Isso porque tínhamos menos de 1 dígito de habitante por milhão como doador. Chegamos este ano a 13 habitantes e ultrapassamos a meta de doação por milhão. Em alguns Estados estamos no mesmo patamar de países desenvolvidos".

Uma segunda meta citada pelo ministro é promover uma forte regionalização dos centros de transplante. "Não ter mais bote, mas não deixar o barco afundar. Dar mais oportunidade, mas não ter acidente", afirmou. Padilha garantiu que não vai se "acalmar" com os dados positivos e que o processo de regionalização dos transplantes, antes realizados mais nas grandes capitais, está se estendendo para outras regiões.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SOLIDARIEDADE
Mãe de Luiz Cláudio pede ajuda para bazar solidário
ÓRGÃOS SERÃO DOADOS DE CRIANÇA
Criança que morreu atropelada por motorista sem CNH tem órgãos doados e vai salvar vidas
HOSPITAL DA VIDA
Hospital de Dourados é selecionado entre 12 no país para projeto do Ministério da Saúde
FAUNA
Foca rara é socorrida após apresentar enguia presa em narina
FÁTIMA DO SUL - DOAÇÕES PARA APAE
APAE recebe doação de veículo 0Km Renault tipo microônibus em Fátima do Sul
FAMOSIDADES
Michele Bolsonaro passa por tratamento na pele um mês antes da posse presidencial
DOURADOS - SOS SAUDE
Além do cenário de abandono, servidores do PAM dizem pagar café, gás e até internet do próprio bolso
INVESTIMENTO NA SAUDE
Governo do Estado realiza mutirão de 2,5 mil cirurgias no Hospital do Câncer
DEODÁPOLIS - LUTO
DEODÁPOLIS: Morre jovem que lutava contra doença rara
FÁTIMA DO SUL - O BOTICÁRIO
Amigo secreto de batom: O Boticário sugere uma nova forma de comemorar em Fátima do Sul