Menu
SADER_FULL
terça, 28 de janeiro de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
BANNER BET
100 LUA DE MEL

Mulher espera para perder virgindade nas núpcias e descobre problema que impede sexo

Tudo aconteceu quando os noivos decidiram esperar para ter relações sexuais até se casarem

8 Jan 2020 - 12h50Por Ric Mais

Você já pensou em esperar para perder a virgindade na noite de núpcias e descobrir que possui um problema que lhe impede de fazer sexo? Esse foi o caso da jovem Christians Stephanie Muller, de 23 anos, que foi surpreendida pela condição de vaginismo logo após o casamento.

Após sofrer com o problema entre 2015 e 2018, a jovem quer conscientizar mulheres que passam pela mesma situação.

Entenda o que é vaginismo, problema que impede sexo

Tudo aconteceu em 2015, quando Christians Stephanie Muller e seu noivo, de 31 anos, decidiram esperar para ter relações sexuais até se casarem, na noite de núpcias.

Até aquele momento, a jovem não fazia ideia que sofria de vaginismo, que provoca a contração involuntária dos músculos ao redor da vagina, tornando a relação sexual bastante dolorosa.

A princípio, a correção do problema pode durar meses ou anos, dependendo de cada mulher. Para Stephanie, o tratamento durou dois anos.

vaginismo(FOTO: REPRODUÇÃO MDWFEATURES / STEPHANIE MULLER)

De acordo com o casal, as tentativas de prazer na lua de mel se tornaram exaustivas e frustantes, já que a penetração era praticamente impossível.

Por conta disso, Stephanie chegou a ter uma grave infecção por fungos, que mesmo com medicamentos por três meses não foi possível ser solucionada.

Casal se sentia como colegas de quarto

Após a infecção chegar ao fim, uma nova avaliação foi feita em janeiro de 2018, onde o ginecologista responsável descobriu que a jovem sofria de vaginismo.

Para o casal, o relacionamento parecia como o de colegas de quarto.

De acordo com a jovem, esperar para ter relações até a noite de núpcias foi uma escolha pessoal, já que ela não queria ter relações com ninguém que não fosse seu marido.

“Eu pessoalmente acredito que o sexo é algo muito íntimo, e eu não queria compartilhar isso com alguém que eu não fosse me casar”.

mulher sofre de vaginismo(FOTO: REPRODUÇÃO MDWFEATURES / STEPHANIE MULLER)

Para a Stephanie, a situação foi envergonhosa e difícil.

“Eu e meu marido conversamos sobre como o vaginismo fazia com que a gente parecesse colegas de quarto. Nós até cuidávamos qualquer outro tipo de envolvimento físico porque nenhum de nós queria sugerir uma relação sexual e ficar desapontado e em lágrimas”.

Jovem se curou após programa de cinco meses em Nova Iorque

Em janeiro de 2019, o casal resolveu ir atrás de tratamentos alternativos, e passou por um curso de cinco meses m Plainview, em Nova Iorque, que a curou do problema.

“Ter vaginismo é muito difícil, e o que dificulta muito é o isolamento e a vergonha que o acompanham. Meu marido foi incrivelmente solidário ao longo de minha jornada com o vaginismo. Sempre que eu dizia coisas negativas sobre mim, ele sempre me assegurava que nenhuma dessas coisas era verdadeira e que ele me amava”, relembrou a jovem.

Além disso, Stephanie ressaltou que o homem constantemente a lembrava que não ia a lugar nenhum, mesmo que o vaginismo nunca fosse curado.

cura vaginismo(FOTO: REPRODUÇÃO MDWFEATURES / STEPHANIE MULLER)

Agora, a jovem trabalha para aumentar a conscientização de como isso pode impactar outras mulheres.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CORONAVIRUS NO BRASIL
Ministro confirma primeiro caso suspeito de coronavírus no Brasil
ONICOFAGIA
Paciente é operado de emergência após infecção por roer as unhas
FAMOSIDADES
Ana Maria Braga revela que foi diagnosticada com câncer de pulmão novamente
CORONAVIRUS
Número de mortos por coronavírus da China chega a 81 e governo prolonga feriado
GLÓRIA DE DOURADOS - LUTO
Glória de Dourados luto, tristeza e dor com a morte de Lupércio Pinheiro
EPIDEMIA ASSUSTADORA
Mortes por coronavírus na China passam de 50
VICENTINA - ALMOÇO NO PESQUEIRO
VICENTINA: Domingo é dia de almoçar no Pesqueiro 7 Bello, confira o cardápio
SUPERAÇÃO
Ser diagnosticado 5 vezes com câncer em 15 anos não foi capaz de parar campeão paralímpico
CASOS RAROS
Duas crianças morrem em uma semana, após sofrer AVC, preocupa classe médica
DOENÇA INFECCIOSA
Presos que estavam sendo 'comidos vivos' por doença são internados