Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
segunda, 20 de janeiro de 2020
SADER_FULL
Busca
BANNER BET
PREVENÇÃO

Com apoio do Estado, APAE realiza 10,8 milhões de exames em 710 mil gestantes

Governo do Estado contribui com auxílio financeiro em Programa que oferta triagem pré-natal, prevenindo possíveis complicações e agravos para as mães e para os bebês

8 Dez 2019 - 07h18Por APAECG

Campo Grande (MS) – Utilizando como material biológico o sangue seco em papel-filtro, a APAE (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais) de Campo Grande já realizou, desde novembro de 2002 até outubro deste ano, 10.861.750 exames de Triagem de Pré-Natal em 710.566 gestantes de todas as regiões do Estado. Os procedimentos são feitos com o objetivo de identificar problemas de saúde tanto da mulher quanto do bebê e integram o Programa Estadual de Proteção à Gestante de Mato Grosso do Sul (PEPG/MS).

O custeio do Programa é garantido por meio de uma parceria entre a APAE de Campo Grande, a Secretaria de Estado de Saúde (SES) e a Secretaria Municipal de Saúde da Capital. A proposta é propiciar o acesso das gestantes ao pré-natal e reduzir a mortalidade materno-infantil em Mato Grosso do Sul.

“Sou um entusiasta desse Programa, e por isso temos feito, com o aval do governador Reinaldo Azambuja, todos os esforços no sentido de participar desta parceria com a APAE, que em última análise tem como meta melhorar os indicadores de saúde da mulher e da criança em nosso Estado”, salienta o secretário de Estado de Saúde, Geraldo Resende.

Realizando uma média de 3,2 mil triagens por mês, o PEPG/MS cobriu 93,24% do total de gestantes do Estado, desde que teve início, num período de quase 17 anos. “É uma parceria que só traz bons resultados”, salienta o secretário, lembrando que o IPED (Instituto de Pesquisas, Ensino e Diagnósticos), da APAE de Campo Grande, é pioneiro na utilização de metodologias eficazes no diagnóstico de doenças durante a triagem pré-natal.

“O mais importante é que com esta parceria, propiciamos acompanhamento médico, nutricional, psicológico e assistência social às gestantes que apresentem resultados alterados, além de garantir ações voltadas para o fortalecimento da rede de vigilância em saúde e de atividades de educação continuada para profissionais de Mato Grosso do Sul”, complementa o secretário.

 Triagem Pré-Natal

“Os exames de triagem pré-natal são de extrema importância para uma gestação segura, pois por meio deles é possível identificar e reduzir muitos problemas de saúde que podem atingir a mãe e o bebê como doenças, infecções ou disfunções que, detectadas precocemente, possibilitam um tratamento com maior êxito”, afirma Josaine Palmieri, coordenadora-geral do IPED.

Josaine: exames podem identificar e reduzir muitos problemas da mãe e do bebê

Segundo Josaine, o PEPG é dividido em três etapas: na primeira, é feita a triagem pré-natal, por meio da coleta de algumas gotas de sangue do dedo da gestante, que são colocadas em papel-filtro. Na segunda, ocorre a confirmação do diagnóstico em exames laboratoriais; e na terceira, é ofertado o acompanhamento e tratamento a todas as gestantes dos 79 municípios do Estado.

A triagem pré-natal garantida pelo Programa é dividida em duas fases, sendo que na primeira, logo no início da gestação, é ofertada a realização de quinze exames que detectam as seguintes doenças: toxoplasmose, rubéola, doenças da inclusão citomegálica, sífilis, aids, Doença de Chagas, hepatite B e C, HTLV, hipotireoidismo e hemoglobinopatias. Na segunda etapa a coleta é efetuada a partir da 28.ª semana de gestação (equivalente ao sétimo mês) e são feitos exames para detectar toxoplasmose, sífilis e aids.

“O Programa possibilita diagnosticar as doenças ainda na gestação, prevenindo possíveis complicações e agravos para a mãe e para o bebê, já que as doenças podem ser transmitidas da mãe para o filho durante a gestação. Com apoio do governo do Estado e do Município, por meio de suas secretarias de Saúde, proporcionamos às gestantes de Mato Grosso do Sul um dos programas mais completos do Brasil, garantindo gestação segura e com diagnóstico de qualidade”, avalia Josaine.

A coleta é relativamente simples, por meio de uma picadinha na ponta do dedo da gestante. São colhidas algumas gotas de sangue em um papel filtro especial para a realização dos exames, não trazendo nenhum risco para a mãe e o bebê. O procedimento pode ser realizado diretamente no IPED/APAE ou em qualquer Unidade Básica de Saúde (UBS), na Maternidade Cândido Mariano, Hospital Regional de MS, Santa Casa ou Hospital Universitário da UFMS.

 

Ricardo Minella – Secretaria de Estado de Saúde (SES)

Fotos:APAECG

Deixe seu Comentário

Leia Também

MEDIDAS DRÁSTICAS
Morador que possuir foco de dengue em casa será multado na hora
PREOCUPANTE
Notificações de dengue crescem 342% em uma semana e cidade do Pantanal de MS assume epidemia
FEMINICIDIO
Florista baleada pelo ex-namorado não resiste aos ferimentos e morre na Santa Casa
GLÓRIA DE DOURADOS - TRISTEZA DUPLA
Glória de Dourados: Cãozinho morre de tristeza após sua dona viajar para Rondônia
MUNDO MEDONHO
Homem engole enguias vivas para tentar curar constipação
ALERTA EPIDEMIOLÓGICO
Atenção: Itaporã é a terceira cidade com mais casos de dengue confirmados no MS
VICENTINA - ARRASTÃO CONTRA DENGUE
Vicentina está mapeada para mega operação contra dengue, veja horários e locais
ALERTA
Em 15 dias, dengue matou três pessoas em Mato Grosso do Sul
BRINCANDO COM O PERIGO
Jovem tira foto com cachorro, toma mordida, leva pontos na cara e publica imagens em rede social
HOSPITAL DA SIAS FATIMA DO SUL
Hospital da Sias Agradece emendas parlamentares recebidas e equipamento de Vídeo Endoscópio Rígido