Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quinta, 27 de junho de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
ÁGUAS DE BONITO
AGORA É LEI

Bolsonaro aprova lei de internação involuntária de dependente químico

De acordo com a nova lei, a internação involuntária será realizada após a constatação de “motivos que justifiquem a medida

6 Jun 2019 - 10h42Por GloboNews
Imagem mostra venda e consumo de drogas na Lapa, região central do Rio — Foto: Reprodução/GloboNews O presidente Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro sancionou a lei que autoriza a internação sem consentimento de dependentes químicos. A medida, aprovada pelo Congresso, foi sancionada nesta quarta-feira (5) e publicada nesta quinta-feira (6) no DOU (Diário Oficial da União).

De acordo com a nova lei, a internação involuntária será realizada após a constatação de “motivos que justifiquem a medida”. Para isso, o pedido de internação sem o consentimento do dependente deve ser feito pelo “familiar ou do responsável legal ou, na absoluta falta deste, de servidor público da área de saúde, da assistência social ou dos órgãos públicos integrantes do Sisnad, com exceção de servidores da área de segurança pública.”

Ainda de acordo com o texto, a internação voluntária “deve ser realizada após a formalização da decisão por médico responsável” e “perdurará apenas pelo tempo necessário à desintoxicação, no prazo máximo de 90 (noventa) dias, tendo seu término determinado pelo médico responsável.”

A lei aprovada por Bolsonaro ainda estabelece que a “internação de dependentes de drogas somente será realizada em unidades de saúde ou hospitais gerais, dotados de equipes multidisciplinares e deverá ser obrigatoriamente autorizada por médico devidamente registrado no Conselho Regional de Medicina - CRM do Estado onde se localize o estabelecimento no qual se dará a internação.”

O texto também diz que o término da internção depende do médico responsável pelo caso ou por meio de “solicitação escrita da pessoa que deseja interromper o tratamento.”

Com isso, a família ou o representante legal pode pedir ao médico, a qualquer momento, a interrupção do tratamento.

A lei sancionada também diz que a internação involuntária depende de avaliação sobre o tipo de droga usada  e deve ser indicada “na hipótese comprovada da impossibilidade de utilização de outras alternativas terapêuticas previstas na rede de atenção à saúde.”

O texto determina também que tanto a internação involuntária quanto a internação voluntária devem ser indicadas quando “os recursos extra-hospitalares se mostrarem insuficientes.”

Deixe seu Comentário

Leia Também

ALERTA EPIDEMIOLÓGICO
Acadêmico de Medicina morre com suspeita de dengue hemorrágica
UNIGRAN DOURADOS
Egressa de Fisioterapia da UNIGRAN conclui doutorado na UFMS
DEPENDÊNCIA QUIMICA
Internação compulsória assusta clientes em padaria chique de Campo Grande e mobiliza polícia
QUADRO ESTÁVEL
Após acidente e cirurgia às pressas, Filho de Huck e Angélica deixa UTI
DOENÇA RARA
'Homem-árvore' quer as mãos amputadas após doença voltar
UNIGRAN DECOR 2019
Bananais e Comitivas: prato típico sul-mato-grossense é tema de aula show na UNIGRAN Decor
DESEQUILIBRIO ECOLÓGICO
Frequentadores do Parque das Nações denunciam infestação de carrapatos
DEODÁPOLIS - LUTO
Deodápolis de luto, morre uma das pioneiras 'dona Glorinha' mãe do Abir do Econômico Supermercados
100 PACIÊNCIA
Nervoso com espera, homem derruba porta de UPA e vai parar em delegacia
FÁTIMA DO SUL - AÇÕES VICENTE PALLOTTI
Vicente Pallotti destaca estudantes nas Olimpíadas de Matemática e visitam Asilo em Fátima do Sul