Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 20 de março de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
ITALÍNEA
dourados

Bebê morre antes do parto e família acusa Hospital Universitário de negligência

Família diz que gestante foi até o hospital diversas vezes nos últimos dias

16 Out 2013 - 16h00Por 94 Fm

No início da manhã de ontem (15), às 05h40, um bebê do sexo feminino nasceu morto no HU (Hospital Universitário) de Dourados. A família alega que o óbito é resultado de negligência do HU, que por diversas vezes negou atendimento à gestante e a mandou de volta para casa. O casal tem uma outra filha, de três, que a todo momento durante o velório perguntava se a irmã iria acordar.

A mãe da vítima, a dona de casa Josiele Lucas, 20 anos, diz que desde o dia 08 foi até o hospital pelo menos sete vezes, reclamando de dores e alegando estar em trabalho de parto. Contudo, os médicos reiteradas vezes disseram que ainda não era o momento do bebê nascer e a mandavam de volta.

Já o pai da criança, o caseiro Geigue Alves da Silva, 21 anos, diz que na madrugada de ontem a esposa teve dores mais intensas e então ele mais uma vez acionou o Samu, que rapidamente atendeu a ocorrência e a levou para o hospital. Chegando ao local a gestante foi logo encaminhada para a sala de parto, mas segundo o pai, a criança já nasceu morta, estava muito roxa e havia defecado dentro da bolsa, em um processo conhecimento como ‘mecônio’, que caracteriza sofrimento fetal antes da morte.

Josiele diz que assim que entrou na sala de parto e o marido permaneceu na recepção, os enfermeiros começaram a ofendê-la, dizendo: “Para de se mexer, se você cair no chão vai ficar no chão”, disse.

Ainda de acordo com o pai, o ideal é que o parto tivesse sido realizado assim que os primeiros sintomas surgiram, na terça-feira passada. “Durante o pré-natal foi tudo bem, não apresentou nenhum problema. Esse povo não tem coração, um dia a mais para uma criança dentro da barriga da mãe é muito tempo. É muita falta de responsabilidade”, lamentou.

Em nota, o Hospital Universitário rebate as acusações, leia:

Segundo informações do setor de Obstetrícia do HU/UFGD, em todas as consultas anteriores à data do parto, a paciente foi examinada e não encontrava-se em trabalho de parto. Nestas avaliações, segundo a direção do setor, não havia intercorrências e estava tudo bem com a mãe e o bebê.

A paciente somente entrou em trabalho efetivo de parto na manhã de ontem (15), quando foi constatado o óbito fetal ANTES DO PARTO, situação em que a mãe e família foram informadas. A paciente foi encaminhada para o parto normal, situação usual em caso de natimortos.

Vale lembrar que o Hospital possui uma comissão de morte fetal e neonatal, que investiga todos os casos e que inclusive já foi acionada para investigar este atendimento. Sobre a data provável do parto (que, segundo o pai, deveria ser em 12 de outubro), a direção do setor explica que os médicos trabalham com previsão de datas, mas o parto pode ocorrer normalmente e sem riscos antes ou depois desta data.

Deixe seu Comentário

Leia Também

FAMOSIDADES
Aos 58 anos, atriz Tássia Camargo sofre infarto e está na UTI de Hospital em Portugal
FÁTIMA DO SUL - PARTO HUMANIZADO
Hospital da Sias Desenvolve com eficiência Programa Nacional do Parto Humanizado em Fátima do Sul
AÇÃO SOLIDÁRIA
Médico de Dourados cria projeto para atender população de graça
AÇÕES DEPUTADO JAMILSON
Deputado Jamilson Name propõe corte de ICMS sobre matéria-prima para alimentos
JATEÍ - ARRASTÃO CONTRA A DENGUE
JATEÍ: Vigilância Sanitária pede a população que deixem os portões abertos, arrastão contra a dengue
INTERNADO
Criança de 4 anos cai em poço de cinco metros de profundidade
RESGATADO
Cão abandonado em ilha estava sendo comido vivo por urubus
SEXTUPLOS
Americana dá à luz seis bebês em nove minutos
DIABÓLICO
Momo aparece em vídeos infantis e ensina crianças a se suicidarem
PREJUDICIAL A SAUDE
Uso de narguilé em locais públicos poderá ser proibido