Menu
LIMIT ACADEMIA
sábado, 22 de setembro de 2018
SADER_FULL
Busca
DR. SHAPE
deodápolis

Vereador expõe dividas da administração anterior que chegam a quase R$ 15 milhões em Deodápolis

3 Out 2013 - 09h08Por ELINTON SANTOS - IMPACTO NEWS

A sessão da noite desta terça (01/10) foi marcada por fortes discussões. Uma delas foi as dividas deixada pela administração que governou o município nos últimos dois mandatos e que segundo o Vereador Juninho Anselmo, esta inviabilizando os projetos da atual administração. Ao usar o plenário, o Vereador expôs dados que somados chegam a quase R$ 15 milhões de reais em dividas deixadas e renegociadas pela administração do ex-prefeito.

“Dizem que o Vereador Juninho Anselmo, não pode ficar lembrando-se do passado; mas é por conta do passado que nós estamos pagando um grande sacrifício. Estamos pagando pelos erros de quem passou por lá!” destacou o Vereador.

Segundo dados apresentados, as dividas dos precatórios que já tiveram quatro “Sequestros Financeiros” somam o valor de R$ 4.384.205.77 milhões. Com o montante das dividas do INSS (R$ 9 milhões) e as Dividas renegociadas da ENERSUL (de R$ 1.430.263.35), os projetos da atual administração estariam comprometidos por conta da defasagem financeira herdada pelo município nos últimos dois mandatos. “Só da divida dos precatórios, já foram sequestrados da Prefeitura o valor de R$ 479.831.66 e a Prefeita esta de parabéns pois esta fazendo milagre com o pouco que tem!” afirmou Juninho.

O Vereador explicou que o município passa por essa situação por conta da má administração do ex-prefeito que comandou Deodápolis nos últimos oito anos, mas que ficou no poder por 28 anos no município. “Em 37 anos de emancipação, Deodápolis só teve dois administradores, que foi o saudoso Deodato e o Ex-prefeito Viana; nos outros 28 anos o município foi comandado pelo grupo de uma família que defasou o sistema financeiro publico do município. Eu quero com isso expor a real situação de Deodápolis que passa por um momento delicado e que a população merece saber!” finalizou Juninho.

Durante a sessão...

Juninho03Ao final da fala de Juninho na tribuna, o Vereador Manoel da Paz explicou os “Sequestros Financeiros” que estão ocorrendo por conta dos precatórios. “Não respeitaram a fila de pagamento dos precatórios como consta no Artigo 100 da constituição federal. Existe uma ordem de pagamento dos precatórios. Em Deodápolis existem mais de 50 precatórios e a administração passada, não sei se inocentemente ou se de má fé, pagou o precatório de numero 55 e esqueceu todos os anteriores. Com isso o TJ entendeu que se furou a fila, o município deve ter recurso para pagar a divida em sua totalidade e deu assim uma sentença que reterá todos os recursos que são depositados todo dia 10,20 e 30 de cada mês ate atingir o montante da divida que soma mais de R$ 4 milhões de reais que são os outros 54 precatórios que foram desrespeitados!” aparteou Manoel da Paz. O vereador ainda destacou que todas as medidas estão sendo tomadas pela Prefeita e sua assessoria jurídica para reverter o quadro.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PESQUISA PARA FEDERAL
Rose Modesto já aparece em 1º, confira a lista em nova pesquisa para FEDERAL
DISPUTA ACIRRADA
Nova pesquisa mostra empate técnico entre Haddad e Bolsonaro
PESQUISA PRESIDENCIAL
Bolsonaro dispara em pesquisa na corrida presidencial no Mato Grosso do Sul
CORRIDA SUCESSÓRIA NO MS
Com chances reais de vencer ainda no 1º turno, Reinaldo Azambuja lidera pesquisa com 42,9% em MS
ELEIÇÕES 2018
Odilon perde para Reinaldo e vai ter que fazer propaganda para tucano em rede social
AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Governo de MS interioriza políticas de combate à violência contra a mulher
POLITICA - ELEIÇÕES 2018
Justiça indefere registro candidatura de João Grandão e mais 9 candidatos em MS
VICENTINA - DURANTE SESSÃO NA CÂMARA
Eliaquim e Lupércio pedem que seja implantado o "SIM" em Vicentina
VICENTINA - NA TRIBUNA
Jacira reivindica ao Detran, placas de identificação em ruas que fizerem necessário em Vicentina
PESQUISA ELEITORAL
Ibope: Haddad cresce em todos os segmentos; Bolsonaro só entre os mais ricos