Menu
SADER_FULL
quarta, 19 de junho de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
município de Fiqueirão

Prefeito e vice de Fiqueirão, MS, voltam aos cargos com liminar

Políticos haviam sido cassados por suspeita de compra de votos

21 Set 2013 - 07h31Por G1

Neilo Cunha (PMDB) e Rogério Rodrigues Rosalin (PMDB), prefeito e vice de Figueirão, a 244 km de Campo Grande, voltaram aos cargos na manhã desta sexta-feira (20), segundo informações da prefeitura do município. A Justiça Eleitoral concedeu, na noite de quinta-feira (19), decisão liminar com efeito suspensivo à decisão que cassou os mandatos dos políticos.  Com isso, os dois ficam nos cargos até que o recurso que eles protocolaram seja analisado.

O juiz da 38ª Zona Eleitoral,  Walter Arthur Alge Netto, determinou a cassação dos mandatos dos políticos por suposta compra de votos durante a campanha do pleito suplementar de 2013. Cunha entrou com recurso no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MS) na terça-feira (17) alegando fragilidade das provas testemunhais. Na quarta-feira (18), o presidente da Câmara Municipal, Milton Alves Pereira (PMDB), assumiu a prefeitura de forma interina.

Na decisão que concedeu a liminar, o juiz relator Nélio Stábile argumenta que o juiz Alge Netto determinou o cumprimento imediato da sentença, antes da publicação em Diário Oficial. A sentença foi dada no dia 13 e a publicação saiu no dia 17. Segundo o relator “determinou-se antecipadamente esse cumprimento, antes de sequer ser possível interposição de recurso”.

Ainda conforme a decisão, há o requisito de perigo na demora em concessão da medida, “já que os requerentes estarão antecipadamente alijados dos cargos para os quais foram eleitos”. O juiz afirma ainda que a posse do presidente da Câmara como prefeito interino é indevida e determina que o ato deve ser desfeito até o julgamento da ação.

Cassação
O juiz julgou parcialmente procedente a representação movida pelo Ministério Público Eleitoral (MPE). Segundo a denúncia, três eleitores receberam valores entre R$ 100 e R$ 500 para votar nos políticos. Para outra pessoa foi prometida uma Carteira Nacional de Habilitação. Também há informações de que o prefeito eleito e o vice ofereceram a uma quinta eleitora mão de obra para uma construção, mas essa última denúncia foi considerada improcedente pela Justiça.

O juiz sustenta que as irregularidades foram comprovadas com depoimentos, gravações e documentos. Conforme o processo, os candidatos sabiam da compra de votos.

Ainda segundo a decisão, “a eleição foi decidida por meros 13 votos de diferença, sendo patente que a captação ilícita de sufrágio exerceu direta influência no resultado”. A Justiça Eleitoral condenou os políticos a pagarem multa de R$ 45 mil e os declarou inelegíveis por oito anos, a contar a data da eleição suplementar de 2013.

Caso a decisão seja confirmada pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE), uma terceira nova eleição deverá ser realizada no município, já que os candidatos foram eleitos com mais de 50% dos votos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

VICENTINA - 32 ANOS
Vai ter Manutti também, confira a programação completa dos festejos do aniversário de VICENTINA
VIAGEM AÉREA
Reinaldo Azambuja assina decreto de ampliação de voos e redução de preço das passagens em MS
JATEÍ - 04 ÔNIBUS 0KM
JATEÍ: Prefeito Eraldo entrega 04 Ônibus 0KM para trasporte escolar do distrito Gleba Nova Esperança
AÇÃO PARLAMENTAR
Barbosinha teme caos na segurança pública caso União não reveja convênio que tem com MS
VICENTINA - BARRACA
Pesqueiro 7 Bello estará com barraca e servirá pratos deliciosos durante festejos em VICENTINA
AÇÕES ROSE MODESTO
Procedimento vai intensificar combate ao narcotráfico na região de fronteira
200 NOVOS AGENTES
Governo vai chamar 200 novos agentes penitenciários aprovados em concurso
CAMPO GRANDE - SONHO REALIZADO
Com ajuda do Governo de MS, 240 famílias realizam sonho da casa própria em Campo Grande
CARAVANA DA SAUDE MS
Reinaldo Azambuja dá início à nova etapa da Caravana da Saúde
ASSASSINATO
Marido da deputada é morto a tiros