Menu
PASSARELA
terça, 17 de julho de 2018
SADER_FULL
Busca
DR. SHAPE
bastidores da política

Noite de segunda-feira promete ser longa na guerra por votos contra e a favor da cassação de Bernal

7 Out 2013 - 14h49Por Mídia Max

A Câmara de Campo Grande está bastante movimentada na manhã desta segunda-feira (7). Nos corredores, a dúvida é a mesma, seja entre aliados ou opositores ao prefeito: será que a comissão processante sai? O prefeito Alcides Bernal (PP) precisa conseguir apenas 10 dos 29 votos na Câmara para se livrar da cassação, mas com uma difícil relação até com aliados, o prefeito ainda corre risco de enfrentar a comissão processante.

Com muitos votos indefinidos, o dia promete ser longo nesta segunda-feira, semelhante ao anterior a escolha do presidente da Câmara. Depois desta disputa do começo do ano, quando Mário César (PMDB) venceu Rose Modesto (PSDB), esta é a segunda vez que a Câmara se divide bastante sobre um tema na Casa.

No começo do ano, Rose estava do lado do prefeito e chegou a ser indicada por ele para a presidência. Porém, Bernal não se atentou a importância de ter uma base na Casa, não ouviu aliados na hora de compor o secretariado e mergulhou em uma crise quase que interminável com a Câmara. O prefeito não conseguiu chegar a 10 vereadores na base de sustentação e, pior do que isso, conseguiu perder dois dos poucos que tinha quando começou a administração: Rose Modesto e Waldecy Chocolate.

A dupla, que poderia ser contada facilmente na votação pró-Bernal, hoje pode ser decisiva para abertura da comissão. Rose saiu da base a pedido do PSDB por insatisfação com o espaço dado ao partido, que ajudou a elegê-lo, mas a situação ficou ainda pior quando ela foi proibida de entrar nas escolas municipais, a mando da Secretaria de Educação, comandada por José Chadid, que é do mesmo partido dela.

A briga de Chocolate com Bernal é ainda pior. A dupla tinha uma grande amizade no começo da administração, mas Chocolate conta que tudo mudou quando ele disse ao prefeito que não aceitaria ser “marionete” e tomaria conta, sozinho de seu mandato. Hoje, ele não conversa com o prefeito e apesar de ser contado pela base, vota de maneira independente.

O vereador Carlão também estava no grupo de oposição ao prefeito Alcides Bernal, mas nos últimos dias anunciou que pode integrar a base de sustentação. Com isso, também virou dúvida, embora garanta que hoje decide se estará junto com o grupo político que está há muitos anos ou mudará “da água para o vinho”, como ele mesmo definiu. Além de Carlão, Chocolate e Rose, que ainda deixam aliados em dúvida, o grupo dos indefinidos é reforçado pelo vereador Coringa (PSD) e vereador Dr. Jamal (PR), que nos últimos dias andou visitando o prefeito, acompanhado do deputado Paulo Corrêa (PR).

Procurado pela reportagem, Dr. Jamal e Rose não atenderam as ligações. O vereador Waldecy Chocolate declarou que a cabeça está fervendo, mas que tomará uma decisão feita com o coração e com a consciência. Já o vereador Coringa informou que os três vereadores do PSD vão fazer uma reunião na tarde de hoje para definir como votar, já que seguirão por um mesmo caminho.

Deixe seu Comentário

Leia Também

AÇÕES DEPUTADO ONEVAN
AL/MS aprova projeto de Onevan que concede utilidade pública a entidade de Cassilândia
CONCURSOS - OPORTUNIDADES
Concurso: 13 órgãos abrem as inscrições para 1,9 mil vagas nesta segunda
PREFEITURA EM MS - OPORTUNIDADE
Prefeitura do MS abre inscrições para o concurso público nesta segunda-feira
VICENTINA - FOTOS ARRAIÁ
Confira as FOTOS do Arraiá do CEI Antonio Roberto Dias em Vicentina
ELEIÇÕES 2018 - PESQUISAS - SENADO
Nelsinho e Zeca do PT saem na frente em disputa para Senado, veja os números
ELEIÇÕES 2018 - PESQUISAS
André Puccinelli lidera índice de rejeição para governo de MS
ELEIÇÕES 2018 - PESQUISAS
Reinaldo cresce e disputa para Governo de MS tem empate técnico
ELEIÇÕES 2018 - CONTROVÉRSIAS
Suspensão de sites de governos durante as eleições gera controvérsia
AÇÕES DO GOVENO DO MS
Governo do Estado garante estradas em boas condições na cheia favorecem turismo e pecuária
POLITICA
Absolvição pode levar Delcídio a concorrer ao Senado