Menu
SADER_FULL
terça, 16 de outubro de 2018
SADER_FULL
Busca
ITALÍNEA
de olho em 2014

Marina decide se filiar ao PSB para concorrer em 2014

5 Out 2013 - 10h19Por Folha

A ex-senadora Marina Silva decidiu se filiar ao PSB do governador Eduardo Campos (PE). A decisão foi tomada após conversas iniciadas na noite de ontem e concluídas na manhã deste sábado (5).

Assim como Marina, Campos é virtual candidato à Presidência da República. Há, entretanto, um desejo do PSB de ter a ex-senadora, que recebeu 19,6 milhões de votos na disputa presidencial de 2010, como vice na chapa do governador.

Marina e Campos também negociam com o PPS sua adesão ao projeto. O partido foi uma das legendas que ofereceu abrigo a Marina após o veto da Justiça Eleitoral ao partido que ela tentou organizar, a Rede Sustentabilidade.

A união entre Marina e Campos tem o objetivo de formar uma consistente terceira via na corrida ao Planalto, em contraposição à candidatura à reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT) e à postulação do oposicionista Aécio Neves (PSDB).

TSE julga registro do partido de Marina Silva

Marina Silva chega ao TSE para acompanhar sessão que define o registro do Rede Sustentabilidade

Em sua entrevista ontem, Marina já havia dito que sua decisão levaria em conta o desejo de "quebrar" a polarização política existente no país. Desde 1994, PT e PSDB são os principais antagonistas no cenário político nacional.

Na sexta-feira, enquanto Marina Silva discutia seu futuro com aliados, o primeiro contato de Eduardo Campos foi feito. Em seguida, ele pegou um avião para Brasília para ter uma conversa pessoalmente com a ex-senadora.

FRACASSO DA REDE

A decisão de migrar para o PSB foi tomada após a Rede Sustentabilidade não ter passado no teste das assinaturas, conforme decisão do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) na última quinta-feira (3). Para disputar as eleições de 2014, ela precisa estar filiada a um partido político até hoje.

O Tribunal negou o registro por 6 votos a 1, após concluir que seus organizadores não alcançaram o respaldo popular exigido pela legislação, de pelo menos 492 mil eleitores --faltaram quase 50 mil assinaturas.

As esperanças da Rede começaram a ruir logo no início da sessão, com o voto da relatora do processo, Laurita Vaz, que considerou "inconcebível no ordenamento jurídico" o pedido da Rede para que o TSE aceitasse quase 100 mil assinaturas rejeitadas sem justificativa pelos cartórios eleitorais nos Estados.

Depois do naufrágio no TSE, Marina passou a discutir o convite recebido por oito legendas, tendo centrado seu foco no PSB e no PPS devido a dois fatores: serem duas legendas com integrantes e atuação relativamente similar à da Rede Sustentabilidade e terem já estruturas montadas nacionalmente e nos Estados.

De acordo com a última pesquisa do Datafolha, do início de agosto, Dilma lidera a corrida para 2014, com 35% das intenções de voto. Marina tinha 26%. Aécio (13%) e Campos (8%) vêm logo em seguida.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Eleições 2018: Voto na Record
Reinaldo abre 14% e chega com 57% dos votos válidos em nova pesquisa no MS
POLÍTICA - ELEIÇÕES 2018
Conselho de Ética do PDT pede 'cabeça' de Odilon por apoio a Bolsonaro
GLÓRIA DE DOURADOS - NA TRIBUNA
Sacolão e Miltinho querem melhorias nas ruas da Vila Industrial em Glória de Dourados
APOIO DO MDB CHEGANDO
Eduardo Rocha reúne prefeitos, vereadores e lideranças de MS em apoio à Reinaldo Azambuja
IBOPE PARA PRESIDENTE
Ibope para presidente, votos válidos: Bolsonaro, 59%; Haddad, 41%
AÇÕES DO GOVENO DO MS
Gestão Reinaldo: Hospital Regional de Dourados vai atender população de 34 cidades da região
LAMA ASFALTICA
Beth Puccinelli ameaça deleção caso André não seja solto
PRIMEIRO PESQUISA DO 2º TURNO
Pesquisa do 2º turno para governador do MS indica Reinaldo com 54%, veja números
POLITICA
Justiça barra pedido de Odilon para tirar Bolsonaro da propaganda de Azambuja
CALOTE
Candidato paga cabos eleitorais com cheques calote vira caso policial