Menu
SADER_FULL
sexta, 22 de novembro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
FOGO NA AMAZONIA

Macron diz que Bolsonaro mentiu, e Europa ameaça retaliar Brasil

Com as queimadas na Amazônia e a forte repercussão internacional para proteger a floresta, países europeus já ameaçam retaliar o Brasil.

23 Ago 2019 - 11h52Por O Globo

PARIS — Com as queimadas na Amazônia e a forte repercussão internacional para proteger a floresta, países europeus já ameaçam retaliar o Brasil. O presidente francês, Emmanuel Macron, disse que o presidente Jair Bolsonaro mentiu sobre compromissos climáticos e afirmou que será contrário ao acordo entre União Europeia (UE) e Mercosul.

Irlanda também ameaçou votar contra o acordo. E o governo finlandês, que está na presidência rotativa da UE, pediu que o bloco avalie a possibilidade de banir a carne bovina brasileira.

Governo tenta ofensiva diplomática para reverter imagem de destruição da Amazônia

O motivo para o posicionamento francês, de acordo com as autoridades locais, é a forma com a qual o Brasil está lidando com a política ambiental. Macron disse nesta sexta-feira que, diante do atual cenário, a França se opõe ao acordo de livre comércio entre UE e Mercosul.

"Tendo em conta a atitude do Brasil nas últimas semanas, o presidente da República observa que o presidente Bolsonaro mentiu para ele na cúpula (do G-20) de Osaka", disse o governo francês em nota.

Bolsonaro diz que incêndios prejudicam a todos e fala de possível envolvimento de fazendeiros

Bolsonaro diz que ONGs podem estar por trás de queimadas na Amazônia

A presidência francesa acredita que Bolsonaro decidiu não respeitar seus compromissos climáticos. "Sob essas condições, a França se opõe ao acordo do Mercosul (com a UE) no estado atual", complementa a nota.

O primeiro-ministro da Irlanda, Leo Varadkar, também ameaçou votar contra o acordo comercial entre a União Europeia e o Mercosul se o Brasil não respeitar seus "compromissos ambientais".

"De maneira alguma a Irlanda votará a favor do acordo de livre comércio UE-Mercosul se o Brasil não cumprir seus compromissos ambientais", declarou Varadkar em comunicado divulgado na quinta-feira à noite.

Varadkar se disse "muito preocupado porque neste ano houve níveis recordes de destruição por incêndios na floresta amazônica", e considerou que "os esforços do presidente Bolsonaro para culpar ONGs ambientalistas pelos incêndios são orwellianos", aludindo ao escritor inglês George Orwell (1903-1950) e à sua denúncia sobre totalitarismos.

'Solução para salvar a Amazônia é monetizá-la', afirma Ricardo Salles

Após 20 anos de negociações, Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai assinaram recentemente com a UE um Acordo de Associação que inclui seções de diálogo político e comercial.

Para entrar em vigor, porém, os países do bloco europeu ainda precisam do aval do Legislativo de cada um e do Parlamento Europeu, um procedimento que pode levar dois anos.

"Ao longo dos dois anos, vamos monitorar de perto as ações ambientais do Brasil", advertiu Varadkar.

Já o governo da Finlândia pediu nesta sexta-feira que a UE avalie a possibilidade de banir a carne bovina brasileira devido à devastação causada pelas queimadas na Amazônia. O Brasil é o maior exportador de carne do mundo.

'É um ultraje inaceitável', dizem 52 ONGs em carta a Bolsonaro após declarações

“O ministro das Finanças, Mika Lintila, condena a destruição da Floresta Amazônica e sugere que a UE e a Finlândia devem considerar urgentemente a possibilidade de banir a importação de carne bovina brasileira”, informou o Ministério das Finanças em comunicado.

O Reino Unido, por sua vez, disse estar “profundamente entristecido pelo aumento de incêndios na floresta amazônica“. “O impacto da trágica perda desses preciosos habitats será sentido em todo o mundo", disse o governo britânico.

Mas as autoridades britânicas reforçaram seu compromisso com financiamentos de programas de proteção ambiental no Brasil. "Continuamos comprometidos em proteger as florestas tropicais do mundo e continuaremos a fazê-lo no Brasil por meio de nossos programas internacionais de financiamento climático”, disseram em nota.

Bolsonaro se reuniu com oito ministros para discutir medidas a serem anunciadas nesta sexta-feira contra as queimadas.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DEODÁPOLIS - GOVERNO PRESENTE
Infraestrutura para ruas e calçadas é a principal reivindicação de Deodápolis
AÇÕES DO GOVERNO DO MS
Governo de MS investirá R$ 200 milhões em obras nos próximos 3 anos em Dourados e mais 16 municípios
POLITICA NOVA
Candidatos de novo partido podem ficar de fora das eleições
AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Governo de MS planeja investir até R$ 2 bilhões em três anos, anuncia governador
VICENTINA - INVESTIMENTOS
Prefeitura e Sanesul renovam com mais investimentos no sistema de esgotamento sanitário em Vicentina
AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Crise não paralisa obras habitacionais e mais de 20 mil casas já foram entregues em MS
PROJETOS
Vice-governador ressalta obras e diz que novos projetos estão em construção em Dourados
GOVERNO PRESENTE EM DOURADOS
DOURADOS: Governo Presente, Reinaldo Azambuja autoriza construção da sede do DOF
DOURADOS - AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Governo de MS abre licitações para recapear quadrilátero com mais de 50 ruas em Dourados
ELEIÇÃO NA ESCOLA
Professoras Margareth e Rosangela se candidatam a direção da Escola Favo de Mel de Fátima do Sul