Menu
CÂMARA BONITO SETEMBRO
quinta, 19 de setembro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
FATIMA DO SUL - PROFESSOR WAGNER CHAGAS

Fatimassulense descreve Campo Grande e seus primeiros passos como Capital de MS

Campo Grande e seus primeiros passos como capital de MS: 7 prefeitos entre 1979 E 1985

19 Ago 2019 - 12h33Por Adélio Ferreira - Fátima News

Quando pesquisei sobre as eleições de 1982 em Mato Grosso do Sul (a primeira vez em que o povo deste estado elegeu seu governador), para escrever minha dissertação de mestrado em História pela UFGD, conheci um pouco mais da trajetória política de Campo Grande, a nossa bela capital, que no próximo dia 26 de agosto completa 120 anos de emancipação político-administrativa.

O que me chamou a atenção, como pesquisador da área de História Política, foi a crise que o município experimentou poucos anos depois de ser elevado à sede do governo do mais novo estado da federação, Mato Grosso do Sul, criado em 11 de outubro de 1977. A crise se iniciou quando o então prefeito, eleito em 1976, Marcelo Miranda Soares (ARENA), renunciou ao cargo em julho de 1979, para assumir a função de governador deste estado, após a demissão do primeiro governador, Harry Amorim Costa (ARENA). Marcelo Miranda foi nomeado pelo presidente da República por meio de amplo apoio de seu padrinho político, o então senador Pedro Pedrossian (ARENA). Com isso, o cargo de prefeito deveria ser assumido pelo vice-prefeito eleito Alberto Cubel Brull (ARENA). Ocorre que o município não tinha o vice-prefeito, pois ele fora eleito deputado estadual no pleito de 1978. Coube ao presidente da Câmara de Vereadores, Albino Coimbra (ARENA), assumir a função de chefe do Executivo municipal, cuja gestão se estendeu até novembro de 1980.

O desejo de Pedro Pedrossian de se tornar governador do estado, em fim foi realizado no mês de novembro de 1980, quando ele se articulou junto ao presidente João Figueiredo (PDS) e derrubou o governador Marcelo Miranda. Assim, Campo Grande passou a ter um novo prefeito, desta vez, nomeado pelo governador, já que pelas regras do período da ditadura militar no Brasil (1964-1985), prefeitos de capitais não eram escolhido pelo voto popular. Pedro Pedrossian exonerou Albino Coimbra e nomeou o então deputado federal Levy Dias (ARENA), prefeito da cidade entre 1973 e 1977. Até Levy ter seu nome aprovado pela Assembleia Legislativa, outro presidente do Legislativo campo-grandense foi prefeito interino entre os dias 7 e 19 de novembro, o vereador Leon Denizart Conte (ARENA).

Levy Dias ficou até o mês de abril de 1982 como prefeito da capital, quando o governador Pedro Pedrossian o exonerou, devido ao fato de Levy querer ser o candidato do PDS a governador do estado nas eleições daquele ano, desafiando o governador, que apoiava outro nome para a disputa. Com a demissão de Levy Dias, a Prefeitura passou pela terceira vez às mãos de um presidente da Câmara de Vereadores, no caso o vereador Valdir Cardoso (PDS), que administrou de abril a maio de 1982. O governador escolheu outro prefeito, o engenheiro Heráclito de Figueiredo (PDS), então diretor do Departamento de Estradas (DERSUL). Este administrou até o dia 14 de março de 1983.

Com o processo de redemocratização no Brasil, iniciando pelo retorno das eleições diretas para governador em 1982, Mato Grosso do Sul escolheu o líder da oposição à ditadura, Wilson Barbosa Martins (PMDB). Empossado em março de 1983, o novo governador nomeou o pecuarista Lúdio Coelho (PMDB) como prefeito de Campo Grande. Até o nome deste ser aprovado pela Assembleia Legislativa, novamente um membro do Legislativo municipal teve de ocupar a cadeira de prefeito, e desta vez foi uma representante do sexo feminino, a vereadora Nelly Bacha (PMDB), a primeira mulher no Brasil a ser prefeita de uma capital.

Lúdio Coelho assumiu a prefeitura em 20 de maio de 1983 e permaneceu até o dia 31 de dezembro de 1985. Em meados de 1985, com o país sob a égide de um governo democrático (José Sarney/PMDB), aprovou-se a lei que restabeleceu as eleições diretas para as prefeituras de capitais e outros municípios considerados área de segurança nacional, além da aprovação do direito de voto aos analfabetos, algo que foi negado no Brasil desde os tempos coloniais. Foi a primeira vez que, na condição de capital de Mato Grosso do Sul, Campo Grande elegeu seu prefeito. Concorreram à Prefeitura: Juvêncio da Fonseca (PMDB), Levy Dias (PFL), Sérgio Cruz (PDT), Euclides de Oliveira (PCB), Jandir de Oliveira (PT) e Wilson Hokama (PTB). Graças à forte popularidade do PMDB naquele momento e ao apoio do governador Wilson Barbosa Martins, Juvêncio da Fonseca foi eleito.

Foi dessa forma que a Campo Grande que aprendi a gostar, devido às pesquisas acadêmicas feitas na cidade e às visitas a familiares que deixaram Fátima do Sul para tentar uma vida mais digna na capital, deu seus primeiros passos para se consolidar como capital do povo sul-mato-grossense. Parabéns, Cidade Morena, parabéns, cidadãos e cidadãs campo-grandenses!

Wagner Cordeiro Chagas

[1]Mestre em História pela UFGD, professor em Fátima do Sul (MS) e pesquisador da história política de MS, desde 2007. E-mail: wc-chagas@hotmail.com

Deixe seu Comentário

Leia Também

VICENTINA - NESTA SEXTA-FEIRA
VICENTINA: Nesta sexta tem Projeto Viva Melhor com aula de Ritmos, apresentações culturais e bailão
DEMISSÃO VOLUNTÁRIA
Com PDVs deferidos, Governo terá redução anual de R$ 8 milhões na despesa de pessoal
FÁTIMA DO SUL - TURISMO E DIVERSÃO
Aqua Park abre temporada neste sábado, Veja como vai funcionar em Fátima do Sul
GASOLINA SEM REAJUSTE
Sinpetro diz que não haverá reajuste imediato no preço dos combustíveis
AÇÕES DO GOVERNO DO MS
Dourados renova concessão com Sanesul e garante continuidade dos investimentos de R$ 241,5 milhões
AÇÕES DO GOVERNO DO MS
Governo Federal garante a Reinaldo Azambuja aeronaves e recursos para combater queimadas
JATEÍ - MAIS 30 CASAS
Prefeitura e Agehab fazem sorteio de 30 Casas Populares nesta segunda-feira em Jateí
AÇÕES DO GOVERNO DO MS
Governo do Estado efetua repasses de R$ 2,9 milhões à saúde de Dourados
JATEÍ - ASFALTO JÁ É REALIDADE
Ruas se transformam com a chegada do asfalto que já é realidade para os moradores em Jateí
AÇÕES DO GOVERNO DO MS
Governo Presente: Figueirão pede equipamentos e destaca municipalismo do governador Reinaldo Azambuj