Menu
LIMIT ACADEMIA
quinta, 22 de agosto de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
AGÊNCIA BONITO THIAGO
política

Condenado, Mochi diz que aterro não funciononou por fatos pós obras

1 Out 2013 - 11h13Por Campo Grande News

Condenado a pagar multa milionária por irregularidades no aterro sanitário de Coxim, o deputado estadual Júnior Mochi (PMDB) afirmou, por meio de nota, que “a obra foi construída, concluída e entregue corretamente”. Mochi foi prefeito do município.

Segundo o parlamentar, o aterro não entrou em funcionamento em razão de fatos ocorridos após a entrega da obra, como o furto da manta protetora e entraves na expedição da licença ambiental. De acordo com Mochi, a sentença da Justiça Federal de Coxim desconsiderou esses dados.

Ainda segundo a nota oficial, a sentença está em contradição com a decisão proferida pelo TRF 3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região), “que julgou a obra do aterro entregue na sua integralidade, bem como a inexistência de qualquer ilícito, baseado em laudos, perícias e fotografias”.

Segundo a decisão judicial, Mochi terá de ressarcir o erário público em R$ 1.069.893,08, sendo determinada a “indisponibilidade dos bens” do parlamentar, que é o presidente regional do PMDB em Mato Grosso do Sul. De acordo com o MPF (Ministério Público Federal), autor de denúncia, a multa chega a R$ 6,5 milhões em valores atualizados.

Também foi decretada a suspensão dos direitos políticos de Mochi por oito anos (o que implica na perda do mandato) e a proibição de contratação com o poder público pelo prazo de cinco anos.

Em 2009, após investigação, o MPF constatou irregularidades na aplicação de R$ 310 mil em recursos da União para construção e implantação do aterro sanitário de Coxim. A empresa Tocmax que, à época, denominava-se FGE Construtora, foi escolhida para realizar a obra.

Em 10 de julho de 2002, Mochi assinou um termo de recebimento definitivo do aterro sanitário. O documento também foi assinado por Getúlio Neves da Costa Dias, que ocupava o cargo de secretário municipal de Desenvolvimento e Infraestrutura de Coxim. Atualmente, ele é assessor do Departamento de Obras da Prefeitura de Três Lagoas e deverá perder o cargo. Conforme a denúncia, o lixão de Coxim funciona até hoje.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

PROCESSO SELETIVO NO MS
Prefeitura abre processo seletivo com oito vagas e salário de R$ 3,2 mil em MS
POLEMICA II
Após polêmica, deputado diz que não existe PL de poliamor ou casamento entre mães e filhos
MIRANDA
TRE afasta prefeita acusada de compra de votos e convoca novas eleições
POLÊMICA
Vale Tudo: projeto libera casamento entre mães e filhos e revolta MS
NAVIRAÍ - AÇÕES ONEVAN DE MATOS
Justiça do Trabalho acolhe pedido de Onevan e inclui escola de Naviraí em programa
100 PENA
'Não tem que ter pena', diz Jair Bolsonaro sobre uso de atirador de elite após sequestro de ônibus
BOA NOTICIA
Hotel Campo Grande deve virar 260 apartamentos para famílias carentes
LEI ABUSO DE AUTORIDADE
Promotores e juízes protestam em Campo Grande contra 'mordaça' aprovada no Congresso
INVESTIMENTOS DO GOVERNO MS
Governo de MS libera R$ 1.5 milhão para 27 projetos de pesquisa selecionadas por edital
JATEÍ - VALORIZAÇÃO NA ZONA RURAL
Prefeitura inicia nova tubulação na região da Fazenda Stª Ada, trecho da antiga Serraria do Valmar em Jateí