Menu
LIMIT ACADEMIA
segunda, 21 de janeiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ITALÍNEA
política na capital

Comissão Processante inicia “sabatina” que pode levar à cassação de Bernal

12 Nov 2013 - 18h00

A Comissão Processante da Câmara Municipal de Campo Grande inicia amanhã (13/11), a partir das 9h horas, série de interrogatórios dos secretários, do próprio prefeito Alcides Bernal, entre outras testemunhas, visando julgar as denúncias de irregularidades envolvendo contratos emergenciais, sem licitação, firmados pela Prefeitura Municipal de Campo Grande, com suspeita de superfaturamentos.  Os primeiros que vão ter que dar explicações são Érico Chezini Barreto – representante da empresa Salute Distribuidora de Alimentos Ltda; Elton Luiz Crestani – proprietário da empresa Jagás; Milton Felice – representante empresa Megaserv e Mamed Dib – proprietário da empresa MDR Distribuidora de Alimentos.

De acordo com o agendamento dos trabalhos, o prefeito Alcides Bernal vai ser interrogado no dia 25 de novembro. Antes disso, serão ouvidos Ivandro Corrêa Fonseca – secretário de Saúde e Kátia Maria Moraes Castilho – diretora da Agetran e Thais Helena Vieira Rosa Gomes – Secretária de Políticas e Ações Sociais e Cidadania (dia 19);  Ricardo Trefzger Ballock – Secretário  de Administração e José Chadid – Secretário  de Educação (dia 20); Wanderley Ben Hur da Silva – Secretário de Planejamento, Finanças e Controle e Gislaine do Carmo Penzo Barbosa – Coordenadora-Geral da Central Municipal de Compras e Licitações (dia 21).

 Emergência Fabricada

Denúncia formalizada na Câmara Municipal de Campo Grande, pelo empresário Luiz Pedro Gomes Guimarães e pelo produtor rural Raimundo Nonato de Carvalho, acusa o prefeito Alcides Bernal de utilizar “ardilosamente de meios para fabricar situações emergenciais, forçando a contratação direta de empresas apadrinhadas, favorecendo a Salute Distribuidora de Alimentos Ltda, Jagás Comércio de Gás Ltda e Megaserv. “Quais as razões da escolha do fornecedor?”, questiona a denúncia.

Num dos contratos, firmados pela Prefeitura,  no dia 21 de junho de 2013, a empresa Salute, que teve o alvará reprovada pela Vigilância Sanitária do município, foi conratada em caráter emergencial, sem qualquer procedimento licitatório, para atender os Ceinfs, mediante pagamento de R$ 4,3 milhões com validade de apenas três meses. O próprio sócio proprietário da empresa, quando foi interrogado pela Comissão Parlamentar de Inquérito de Inadimplência, confessou que sua empresa foi criada exclusivamente para atender  a Prefeitura Municipal de Campo Grande e sem as condições técnicas exigidas.

Ao citar esta denúncia, entre outras, os denunciantes afirmam que é flagrante o favorecimento, indevido, gerando vantagem para terceiros por atuação do prefeito Alcides Bernal, incorrendo em infração político-administrativa grave. Eles também lembram o contrato emergencial fabricado com a empresa Jagás., Durante pregão realizado em março deste ano, a empresa propôs um preço de R$ 34,50 e R$ 127,50, para fornecimento de 9,8 mil botijões de gás de 13 quilos e 5,4 mil de 45 quilos.  No entanto, perdeu a concorrência para a empresa Micmar, que ofereceu R$ 31,00 e R$ 107,00. Paralelamente a isso, no mesmo período, em compra emergencial da Prefeitura, a mesma empresa (Jagás) oferece R$ 38, 00 e R$ 139,00, preços maiores do que aqueles que ela havia oferecido no pregão. Ou seja, a prefeitura optou  em pagar R$ 7,00 (13 quilos) e R$ 32,00 ( 45 quilos) a mais, por cada unidade.

Com relação à Megaserv, a denúncia dá conta de que pelo prazo de seis meses, novamente em caráter emergencial, a Prefeitura fechou “acordo” para beneficiar a referida empresa pela realização de serviços de limpeza, conservação, higiene e asseio nas unidades de saúde. A prefeitura chegou a contratar em forma de cargos comissionados 278 servidores para esta função e passados alguns meses, estes mesmos servidores foram exonerados e recontratados pela referida empresa com prazo indeterminado. “Percebe-se que tudo é feito, engedrado e levado para os limites do absurdo e do intolerável, para forçar a situação de emergência e, assim, poder ser contratada a empresa apaniguada, sem o procedimento licitatório”, argumenta a denúncia.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TÁ COM IPVA ATRASADO???
Proprietários de veículos com IPVA em atraso podem parcelar dívida em até dez vezes
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
AÇÕES DO GOVERNO DO MS
Enquanto 6 estados decretam calamidade, MS mantém investimentos e salários em dia
DEODÁPOLIS - CPI NA CÂMARA
MPE pede para Câmara criar CPI um dia depois de vereador protocolar pedido em Deodápolis
ABERRAÇÃO
Filhas solteiras de senadores ganham 33 mil reais. "Isso vai acabar", diz Bolsonaro
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação
AÇÕES DO GOVERNO DO MS
Governo de MS implanta alta tecnologia em presídios para tornar inspeção mais eficaz
DOURADOS - PRESO NOVAMENTE
Investigado por corrupção, Idenor Machado volta a ser preso em Dourados
DEODÁPOLIS - CPI CHEGANDO
Vereador protocolou pedido de abertura de CPI para apurar denuncias de 2016 em Deodápolis
AÇÕES DO GOVERNO DO MS
Ações do Governo melhoram a segurança no MS: 16 municípios não registraram nenhum homicídio em 2018