Menu
SADER_FULL
terça, 12 de novembro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
AÇÃO PARLAMENTAR

Barbosinha quer lugar na primeira fila para alunos com deficit de atenção e hiperatividade

Alunos com Transtorno de Deficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) poderão ter local diferenciado dentro de sala de aula,

29 Ago 2019 - 12h30Por ASSESSORIA

Alunos com Transtorno de Deficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) poderão ter local diferenciado dentro de sala de aula, caso projeto de lei apresentado nesta quarta-feira (28) pelo deputado Barbosinha (DEM-MS), seja aprovado na Assembleia Legislativa.

De acordo com o projeto apresentado, as unidades escolares públicas e privadas de Mato Grosso do Sul, ficam obrigadas a disponibilizar, em suas salas de aula, assentos na primeira fila aos alunos com TDAH, assegurando seu posicionamento afastado de janelas, cartazes e outros elementos, possíveis potenciais de distração.

A legislação também diz que: “é direito do aluno diagnosticado com TDAH, realizar as atividades de avaliação e provas durante o ano letivo, em local diferenciado, com o auxílio preferencialmente do professor especializado e com maior tempo para a sua realização”, relatou.

Segundo a proposta para assegurar o atendimento dos alunos será necessária a apresentação, por parte dos pais ou responsáveis pelo aluno, de laudo médico que comprove o TDAH, emitido por médico especialista em neurologia ou psiquiatria.

Com a nova lei as escolas das redes pública e privada deverão prever e prover, na organização de suas classes, flexibilizações e adaptações curriculares que considerem o significado prático e instrumental dos conteúdos básicos, metodologias de ensino e recursos didáticos diferenciados e processos de avaliação adequados ao desenvolvimento dos alunos que apresentam necessidades educacionais especiais, em consonância com o projeto pedagógico da escola, respeitada a frequência obrigatória.

Na avaliação do deputado o projeto garante ao aluno um espaço privilegiado dentro de sala de aula para que o aprendizado não seja prejudicado. “Este estudante que tem o diagnóstico desta doença precisa ter um olhar diferenciado, pois qualquer objeto ou ação tira sua atenção. O problema atinge um grande número de crianças e adolescentes, o que acarreta em prejuízo no desempenho acadêmico em virtude da doença. Muitas vezes os estudantes sequer sabem que são portadores”, analisa o parlamentar. O projeto segue agora para análise da Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR).

Deixe seu Comentário

Leia Também

AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Com geração de 350 empregos, complexo industrial começa operar neste mês em Dourados
SIMPOSIO
Governo reúne especialistas para debater uso público de Parques Estaduais e definir modelo pra MS
CASA PRÓPRIA
Governo estadual e prefeitura entregam Residencial Rio Bonito I com 100 Casas em Bonito (MS)
POLITICA MS
Barbosinha pede redução de taxas de pedágio até nova concessão da BR-163
EX PRESIDIÁRIO
Lula fez pedido a Huck ao saber que era dono do jatinho fretado
GERAÇÃO DE EMPREGOS
Saiba o que está previsto no pacote do emprego que será anunciado nesta 2ª feira
POLITICA
Evo Morales renuncia ao cargo de presidente da Bolívia
VICENTINA - FOTOS
Confira as FOTOS da comemoração do Dia do Funcionário público municipal de VICENTINA
BORA TRABALHAR
Ao menos 14 órgãos abrem inscrições nesta segunda para 2,8 mil vagas
JATEÍ - FOTOS DESFILE CÍVICO
Confira as FOTOS do Desfile Cívico dos 56º Aniversário de JATEÍ