Menu
SADER_FULL
sábado, 23 de março de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
ITALÍNEA
CONDENAÇÃO

Pedreiro que apedrejou garota até a morte após saber que ela tinha HIV é condenado a 16 anos

Homem foi condenado por homicídio qualificado por meio cruel e feminicídio

16 Mar 2019 - 07h59Por Midiamax

Foi condenado a 16 anos, o pedreiro Felipe Castro de Souza, de 24 anos, acusado da morte da adolescente de 15 anos, Karoline Estefani Moraes Gomes. Durante julgamento nesta sexta-feira (15) em Campo Grande, ele disse que perdeu a cabeça quando a garota contou a ele que era portadora de HIV.

Para a acusação, o réu agiu com menosprezo e discriminação à condição do sexo feminino “aproveitando-se de sua vulnerabilidade, despida, em local ermo em meio a um matagal”. Durante a sessão de julgamento, a promotora de justiça pediu a condenação no homicídio qualificado, nos termos da pronúncia. A defesa sustentou que ele agiu por violenta emoção e injusta provocação da vítima, pedindo a exclusão das qualificadoras.

Por maioria dos votos, o Conselho de Sentença acolheu a tese da acusação e o condenou por homicídio qualificado por meio cruel e feminicídio.

O crime aconteceu em junho de 2018 e desde então, Felipe está preso. Em depoimento, o pedreiro confessou o crime. Ele contou que no dia do assassinato Karoline teria feito ameaças de contar a traição a namorada dele, que morava em Dourados. Mas, o que teria feito ele dar duas pedradas na cabeça da garota – o crânio dela rachou com a violência – seria o fato de ela falar a ele que era portadora do vírus HIV.

Eles haviam acabado de manter relações sexuais, sem preservativo, quando a adolescente teria revelado a doença a ele. “Neste momento perdi a cabeça, só pensava na minha saúde”, falou Felipe.

Felipe ainda contou que Karoline queria manter um relacionamento com ele, mas o pedreiro teria dito a garota que tinha uma namorada e que ela estava grávida. Segundo ele, a vítima teria se sentido usada e tentou agredi-lo com tapas, mas ele a segurou pelo pescoço a empurrou para o chão.

As pedradas na cabeça vieram em seguida, quando Karoline revelou a doença. Os dois se conheciam a algum tempo e Felipe mantinha esporadicamente, como ele disse em depoimento, relações com a garota.

No dia do crime, os dois estavam em uma festa e todos ingeriram bebidas alcoólicas e ele ainda teria consumido drogas na casa. Na versão que apresentou à polícia na época do crime, Felipe disse que os dois saíram do local de bicicleta e foram até o matagal, no Jardim Tijuca, onde o corpo foi encontrado, e lá mantiveram relações sexuais.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CORAJOSA
Mulher reage a assalto e dá surra em bandido
DESUMANIDADE
Motorista morre em acidente com caminhão e carga de frango é saqueada
FÁTIMA DO SUL E MARACAJU
Mulher que simulou sequestro para a própria família é presa em Fátima do Sul
VICENTINA - AÇÃO CONTRA O TRÁFICO
Jovem negocia Crack por televisão e é preso pela Polícia Militar em Vicentina
IVINHEMA
Trabalho desenvolvido em presídio de Ivinhema reflete em benefícios para crianças carentes da região
CONTRABANDO
PRF apreende 11.500 maços de cigarros em Nova Alvorada do Sul
FLAGRANTE
Leiturista 'erra' na hora de registrar consumo e conta de luz sobe R$ 30
TERROR NA ESCOLA
Homem é morto a tiros enquanto buscava filho na escola
TARADÃO
‘Peladão’ aterroriza mulheres em bairro nobre
RIO BRILHANTE - ATENTADO
Dono de Oficina é baleado com tiros de Pistola calibre 40 em Rio Brilhante