Menu
PASSARELA
sexta, 25 de maio de 2018
SADER_FULL
Busca
ITALÍNEA
ERRO TRÁGICO

Pai 'recebeu' filha da Justiça enquanto já era réu por estuprar a menina

Ninguém explicou ainda porque Justiça fez menina morar com pai estuprador

30 Mai 2017 - 09h55Por Mídia Max

O homem de 38 anos preso no fim de semana pela suspeita de estuprar a filha de 14 anos, em Campo Grande, é réu, desde fevereiro deste ano, por uma violência sexual cometida com a própria filha. Apesar disso, por razões não explicadas até agora, estava morando com ela, e voltou a cometer o abuso neste mês, sendo preso só agora.

Tudo leva a crer, pelo que apurou a reportagem do Jornal Midiamax, que a informação sobre a violência sexual cometida contra a menina não foi comunicada à Vara da Infância, Juventude e do Idoso, que tem o poder de retirar crianças do convívio com pais e mães violentos. Casos assim envolvem a Polícia, Conselho Tutelar, Promotoria Pública, Defensoria Pública e a Justiça.

Saiba Mais
Sumiço de ocorrência pode ter feito justiça 'devolver' garota ao pai estuprador
Vizinhos agridem 'amigo' de família suspeito de estuprar menina de 5 anos
Polícia aborda carro e descobre estupro e sequestro de menina de 13 anos
Um histórico de abusos e de desagregação familiar envolve a história da menina, que acabou vítima, ainda da falha de comunicação entre os órgãos que deveriam protege-la.

Foram três boletins de ocorrência desde 2015, um por maus-tratos, o outro por estupro,em 2016, e neste mês de maio um novo, também por estupro, com provas em vídeo, o que levou a prisão do pai.

Pela manhã, a informação que o Jornal Midiamax tinha era de o boletim de violência sexual ocorrida no ano passado poderia ter sumido, e portanto foi ignorado tanto pela Promotoria quanto pela Vara da Infância, na hora de devolver a criança ao pai, já que a guarda era dele, pois a mãe também ter medidas restritivas.

Nesta tarde, a reportagem apurou que o homem é réu desde fevereiro, no processo por estupro ocorrido no ano passado. A informação obtida é que, nesta ação, falta citar o réu de que a denúncia acatada por ele foi aceita, para que as outras fases do processo ocorram, ou seja, os depoimentos de acusação e defesa, o interrogatório do acusado e, por fim, a sentença do juiz responsável. Esse caso corre na 7ª Vara Criminal, a cargo do juiz Marcelo Ivo.

Na 1ª Vara da Infância, Juventude e do Idoso, corre outro processo, no qual a menina chegou a acusar o pai de violência sexual, mas depois desmentiu tudo, segundo as informações obtidas, afirmando que a mãe tinha pedido para inventar uma história

A decisão de devolver a garota foi proferida pela juíza Katy Braun do Prado, titular da Vara de Infância, Juventude e Idoso de Campo Grande e atual Coordenadora da Infância e Juventude do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), que não quis comentar.

Com o novo episódio de violência sexual, o pai agora será alvo de um novo inquérito, que poderá levar a mais um processo por estupro contra a própria filha.

Fuga e família desestruturada

A saga da garota envolve até uma fuga de um abrigo e o desaparecimento por 9 meses,. Nesse período, não se teve notícias dela. Agora, diante da prisão do pai, a garota voltou para um abrigo.

Uma medida protetiva impede que o pai se aproxime dela. A mãe está passando por tratamento e, caso tenha condições, a guarda será dada a ela. Como determina o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente), tudo corre em sigilo.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

AGORA - DECISÃO DO PRESIDENTE
#AGORA: Temer aciona Exército 'forças federais' para desbloquear estradas
VANDALISMO NÃO!
Caminhão é incendiado por manifestantes durante protesto contra aumento de combustível
TRABALHO ESCRAVO
Ministério do Trabalho resgata 15 trabalhadores de situação degradante
GREVE CONTINUAM
Caminhoneiros desmentem acordo com Governo e mantêm paralisação na Capital
CRUELDADE
Pastor abusou, agrediu e matou filho e enteado carbonizados
DO CONTRA
Homem enfrenta caminhoneiros com motosserra em rodovia; veja o vídeo
NA RODOVIA
Carro furtado é encontrado sem as rodas e incendiado
FÁTIMA DO SUL - PREÇOS ABUSIVOS
Após preços da gasolina, consumidor pode acionar Procon e Ministério Público em Fátima do Sul
BLOQUEIO CAMINHONEIROS
Pelo menos 300 caminhões estão parados em pontos de bloqueio em Dourados
AGIO NO PETROLEO
Cinco postos de Dourados são autuados por venderem gasolina com preço abusivo