Menu
SADER_FULL
domingo, 20 de janeiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ITALÍNEA
BARBÁRIE

Mulher mata vizinha grávida, tira bebê e joga corpo da vítima em rio

No tribunal ela explicou que cometou o crime porque havia dito ao namorado que estava grávida, tudo para que ele não a deixasse

11 Dez 2018 - 07h52Por Alagoas 24 horas

Savanna Greywind estava grávida de oito meses quando a vizinha, Brooke Crews, a convidou para entrar em sua casa, em Fargo, na Dakota do Norte (EUA), com a desculpa de que precisava de uma modelo para uma roupa que estava a costurar.

Sem desconfiar de nada, Savanna aceitou o convite. Brooke, então, agrediu a jovem de 22 anos, grávida, deixando-a inconsciente. Neste momento, aproveitou para lhe fazer uma cesariana amadora.

Sem anestesia, Brooke cortou a barriga de Savanna de ponta a ponta e tirou-lhe o bebê, um menino, deixando que a mãe morresse devido a uma grave hemorragia interna.

Ao juiz, a suspeita revelou ainda que Savanna acordou durante o procedimento, mas que voltou a desmaiar devido às dores. Tudo aconteceu no ano passado e o caso foi a julgamento este ano.

Em tribunal, Brooke confessou o crime, explicando que o fez porque havia dito ao namorado que estava grávida, tudo para que ele não a deixasse. Ao longo de oito meses, a mulher de 36 anos mostrou falsas ecografias ao namorado e até fez o download de um batimento cardíaco, dizendo tratar-se do som do coração do bebê que ela esperava.

Durante o julgamento, William Hoehn confessou que assim que chegou à residência e viu o bebê, percebeu que algo não estava certo e acabou por descobrir a verdade. No entanto, ajudou a namorada a livrar-se do corpo de Savanna, enrolando-o num plástico. Depois, atiraram o cadáver ao rio.

O casal foi condenado à prisão perpétua, com a única diferença de que Brooke não pode sair em liberdade condicional e William pode.

No rastro dessa situação, o Senado norte-americano aprovou semana passada, uma nova lei. Chama-se Savanna’s Act (em homenagem à vítima) e pretende ser um adendo à lei que trata dos crimes contra as mulheres, exigindo a criação de uma base de dados onde conste a identificação de todas as mulheres nativas norte-americanas assassinadas ou dadas como desaparecidas.

Quanto ao bebê, após ser realizado um teste de DNA, que provou que ele era filho de Savanna, foi entregue à família.

Deixe seu Comentário

Leia Também

AÇÃO POLICIAL NO MS
PMR e PM de Amandina apreendem mais de 100 kg de maconha em veículo abandonado
EM CIDADE DO MS
Em MS, Estudante de medicina morre após jogar partida de futebol
ATENTADO
Residência de Jornalista é alvo de atentado no interior do MS
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
ALERTA
Adolescentes pagam conta em pizzaria com cédulas falsas e são apreendidos pela Força Tática em Nova
ESTUPRO VULNERÁVEL
Preso suspeito de embriagar, estuprar e divulgar vídeo de menina de 13 anos em Bonito
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação
RIO BRILHANTE
Jovem comete suicídio após escrever bilhete e trocar mensagens com a namorada
AÇÕES DO GOVERNO DO MS
Governo de MS implanta alta tecnologia em presídios para tornar inspeção mais eficaz
DOURADOS - PRESO NOVAMENTE
Investigado por corrupção, Idenor Machado volta a ser preso em Dourados