Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 15 de setembro de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
AGÊNCIA BONITO THIAGO
SEGURANÇA PUBLICA

MS é o sexto do país com menor número de mortes violentas intencionais

Conforme as estatísticas divulgadas o Estado registrou 483 mortes violentas, o que representa uma queda de 15,4% em relação a 2017.

11 Set 2019 - 06h55Por Portal do MS

Campo Grande (MS) – Dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública, do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, divulgado nesta terça-feira (10.9), apontam que Mato Grosso do Sul está entre os estados da Federação que apresentam queda nos índices referentes aos crimes violentos letais intencionais (homicídio doloso, latrocínio e lesão corporal seguida de morte) no ano de 2018. Conforme as estatísticas divulgadas o Estado registrou 483 mortes violentas, o que representa uma queda de 15,4% em relação a 2017.

Os números publicados validam as estáticas já publicadas pela Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública) em janeiro de 2019, apontando uma redução de 16,4% em relação ao número de vítimas e ocorrências de homicídios dolosos.  Já em relação às ocorrências de lesão corporal seguida de morte, os índices apontam uma redução ainda maior, de 37,2. No caso dos latrocínios – roubo seguido de morte -, apresentaram queda de 3%.

Ao comentar a pesquisa, o secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública, Antonio Carlos Videira, avalia os bons índices obtidos como resultados das ações das instituições policiais, desenvolvidas diuturnamente por profissionais comprometidos em proporcionar uma maior sensação de segurança para o povo sul-mato-grossense. “São dados bastante positivos para o Estado que tem como uma das principais prioridades da atual administração a área segurança pública, que recebeu recentemente mais de R$ 130 milhões de investimentos, além da valorização profissional. Mesmo diante da crise financeira de todo o Brasil, aqui temos os salários pagos em dia e as promoções sendo realizadas”, disse o secretário.

Quando o assunto é resolução de crimes, Mato Grosso do Sul é o Estado que mais elucida homicídios no Brasil, definindo a sua autoria, materialidade e prisão do envolvido. O índice é superior a 73% e se iguala à taxa de resolução dos órgãos de segurança dos países de primeiro mundo, conforme pesquisa do Instituto Sou da Paz.

Segundo levantamento da Polícia Civil em relação ao ano de 2018, por exemplo, dos crimes contra à vida, entre eles está o feminicídio com 100% dos casos esclarecidos.  Na sequência os latrocínios, que chega à casa dos 75% e os homicídios com mais 70%. Para se ter uma ideia dos 79 municípios que compõem o Estado, 23 solucionaram todos os casos, ou seja, chegaram a 100%.

Já outros 17 estão com mais de 60% desse tipo de crime elucidado, entre elas às cidades mais populosas de MS como Três Lagoas (94,1%), Dourados (71,7%), Campo Grande (65%) e Corumbá (62,1%). É importante destacar que o percentual pode crescer ainda mais no decorrer do ano, visto que se um caso ocorrido no ano passado seja solucionado no decorrer de 2019, ele fica computado de acordo com a data da ocorrência.

Reportagem Regiane Ribeiro da Assessoria de Comunicação da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp)

Deixe seu Comentário

Leia Também

DEODÁPOLIS - ACIDENTE FATAL
DEODÁPOLIS: Motociclista de Ivinhema morre após acidente na MS-145
ASSASSINATO
PM é torturado e morto após circular boato de que seria 'estuprador'
JULGAMENTO
PMs acusados de chacina taparam câmera de segurança antes do crime
100 DROGAS
Grupos terapêuticos levam enfrentamento à drogadição em presídios de Dourados e Rio Brilhante
CASO DE POLÍCIA
Catador de reciclável recebe mochila com bebê congelado dentro
LUTO NA MÚSICA
Cantor sertanejo morre após carro bater em árvore em rodovia de MS
A MULTA FOI POUCO
PMA autua homem por matar filhotinho envenenado
ACIDENTE FATAL
Câmera de segurança registrou acidente fatal de enfermeira. VEJA O VÍDEO
MUNDO MEDONHO
Idoso é expulso de asilo após esconder prostituta embaixo da cama
MONSTRUOSIDADE
Homem que matou mãe e filha em Cascavel escreveu carta. Bebê tomou mamadeira “batizada”