SUCURI_MEGA
FatimaNews - Notícias de Fátima do Sul e região
Fátima do Sul, 28 de Julho de 2017
DELPHOS_FULL
17 de Fevereiro de 2017 17h00

Moradores de MS receberam maior valor de fraude em universidade do PR

CAMPO GRANDE NEWS

Dois moradores de Campo Grande receberam os maiores valores individuais dos R$ 7,3 milhões que teriam sido desviados da UFPR (Universidade Federal do Paraná) em esquema de concessão de bolsas de pesquisa para pessoas sem vínculo com a instituição. Os pagamentos foram alvos da Operação Research, realizada na quarta-feira (dia 15) pela PF (Polícia Federal) do Paraná.

De acordo com relatório do TCU (Tribunal de Contas da União), a assistente administrativo Maria Alba de Amorim Suarez foi beneficiária de pagamento de R$ 739.489 entre 2013 e 2016.

O segundo maior pagamento individual foi para Pedro Amorim Suarez Campos: R$ 638.376,10. Ele é filho de Maria Alba e irmão de Maria Eduarda Amorim Suarez Campos, que recebeu R$ 283.850, 10ª colocada no ranking do benefício. Maria Alba e Pedro têm registro no cadastro único para programas sociais do Ministério do Desenvolvimento.

O endereço da família em Campo Grande é o mesmo apresentado por Patrícia Vargas da Silva do Nascimento, beneficiária de R$ 158.850. O quinto morador em Mato Grosso do Sul apontado como beneficiário da bolsa destinada a pesquisadores é Arthur Constantino da Silva Filho, com valor de R$ 17.400. Os cinco fazem parte de uma lista de 27 pessoas que recebiam sem qualquer vínculo com a UFPR.

Conforme o Tribunal de Contas, foram realizados pagamentos e a título de Auxílio a Pesquisadores, Bolsa de Estudo no País e Bolsa de Estudo no Exterior a pessoas que não possuem qualquer vínculo com a UFPR, seja como professores, servidores ou alunos, inclusive para pessoas com endereço residencial em outros estados, a exemplo de Campo Grande (MS) e Rio de Janeiro (RJ).

Além de grande parte nem ter ensino superior, a vistoria verificou que nenhum dos beneficiários possui currículo cadastrado na Plataforma Lattes, condição indispensável para a participação em programas de bolsa de iniciação tecnológica e de bolsa de estudos de pós graduação stricto sensu.

Prisões – No último dia 15, a operação da PF cumpriu 15 mandados de prisão temporária (cinco dias), oito conduções coercitivas e 36 mandados de busca e apreensão em Mato Grosso do Sul, Paraná e Rio de Janeiro. No Estado, foram presas as cinco pessoas, sendo quatro em Campo Grande e uma em Maracaju, a 160 km da Capital. Nesta sexta-feira (dia 17), os presos permanecem na superintendência da PF de Campo Grande.

Relações – De acordo com as informações do pedido de prisão temporária, encaminhado pela Polícia Federal e deferido pela 14ª Vara Federal de Curitiba (PR), Patrícia Vargas da Silva do Nascimento recebeu R$ 1.764 do Bolsa Família em 2015 e também tem residência em Maracaju.

Já Arthur Constantino da Silva Filho é advogado em Campo Grande. A Capital é o local de nascimento de Conceição Abadia de Abreu Mendonça, chefe da Seção de Controle e Execução Orçamentária da Universidade Federal do Paraná e afastada do cargo.

Defesa – A reportagem entrou em contato com os advogados da família presa em Mato Grosso do Sul e de Arthur Constantino. Nedson Bueno Barbosa, que havia sido contratado por Maria Alba, Pedro Amorim e Maria Eduarda, foi dispensado pelos clientes e afirma não saber quem irá substituí-lo na defesa.

Ao fazer contato no escritório do advogado de Constantino, Danilo Cristofaro, a secretária informou que ele não estava no local, garantiu que passaria recado ao defensor de que a equipe do Campo Grande News precisava falar com ele. O advogado retornaria se quisesse se manifestar.

A família da Capital e Arthur continuam presos na sede da Polícia Federal.

Comentários
Veja Também
LÉO_GÁS_300
FORTALEZA
AGÊNCIA_SUCURI_LATERAL
Últimas Notícias
  
Nossa_Lojas
Eventos
dothCom © Copyright FatimaNews - Todos os Direitos Reservados.