Menu
PASSARELA
sexta, 25 de maio de 2018
SADER_FULL
Busca
ITALÍNEA
PRESO NO PY

Juíza do Paraguai autoriza e Jarvis Pavão será extraditado ao Brasil

Retorno só deve ocorrer após cumprimento de sentença paraguaia

1 Jun 2017 - 17h01Por Mídia Max

Um dos pedidos de extradição do brasileiro Jarvis Chimenes Pavão foi concedido, no último dia 24 de maio, pela juíza paraguaia Gricelda Caballero. Porém, o retorno só deve ocorrer depois do cumprimento de uma pena de oito anos por associação criminosa e lavagem de dinheiro, no país vizinho. O pedido analisado, em questão, foi feito pelo juiz federal de Caxias do Sul, Rio Grande do Sul, Rafael Farinatti Aymone.

Preso na Agrupação Especializada, em Assunção, no Paraguai, ele está prestes a concluir o cumprimento da pena. O primeiro pedido de extradição, ocorreu quando Jarvis foi condenado a 17 anos, em Santa Catarina, mas fugiu para o Paraguai e acabou detido em 2009.

No processo em referência, além Chimenes Pavão Jarvis, outros 44 são processados , por tráfico internacional de drogas, associação para o tráfico, e homicídio qualificado, segundo o juiz Rafael Farinatti Aymone.

Conforme documentação, Jarvis e os demais réuns são associados a seis grupos, cinco deles para o tráfico internacional. A investigação iniciada em maio de 2009 e encerrada em 25 de Novembro de 2011, interceptou ligações telefônicas, que confirmaram que mesmo detido emTacumbú, onde ostentava instalações luxuosas, repassava ordens ao seu ‘braço direito’, Alvarenza Gustavo Cardoso e demais subordinados, até mesmo a ordem de matar Paulo Sergio de Oliveira Barros.

Em maio, o brasileiro Jarvis Chimenes Pavão, foi apontado como principal responsável pela entrada de grandes quantidades de cocaína ao Brasil, mesmo atrás das grades. A denúncia foi feita em um documento encaminhado pela Justiça do Rio Grande do Sul para a juíza paraguaia Lici Sanchez, que atualmente analisa o ptrimeiro pedido de extradição do brasileiro.

Conforme o ABC Color, maior jornal paraguaio, a documentação fornecida pela Justiça brasileira aponta que Pavão teve ligação com pelo menos 12 apreensões de drogas, que pesaram 850 kg de cocaína e 420 kg de maconha, bem como a prisão em flagrante de 21 pessoas.

Morte de Rafaat​
Além de ser apontado como um dos maiores criminosos em atuação no país vizinho, acusado de se associar ao PCC (Primeiro Comando da Capital), Pavão é suspeito de encomendar a morte do empresário Jorge Rafaat, no dia 15 de junho, de 2016. Os dois eram como “sócios”, porém líderes de facções criminosas rivais.

Deixe seu Comentário

Leia Também

FACÇÃO CRIMINOSA
Corpo de homem desaparecido é encontrado degolado em milharal
PERDEU O CONTROLE DA DIREÇÃO
Carro pega fogo na avenida
CACHAÇA
Condutor embriagado é preso após causar acidente na BR-267 em Bataguassu
AGORA - DECISÃO DO PRESIDENTE
#AGORA: Temer aciona Exército 'forças federais' para desbloquear estradas
VANDALISMO NÃO!
Caminhão é incendiado por manifestantes durante protesto contra aumento de combustível
TRABALHO ESCRAVO
Ministério do Trabalho resgata 15 trabalhadores de situação degradante
GREVE CONTINUAM
Caminhoneiros desmentem acordo com Governo e mantêm paralisação na Capital
CRUELDADE
Pastor abusou, agrediu e matou filho e enteado carbonizados
DO CONTRA
Homem enfrenta caminhoneiros com motosserra em rodovia; veja o vídeo
NA RODOVIA
Carro furtado é encontrado sem as rodas e incendiado