Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
segunda, 26 de agosto de 2019
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
COMOVENTE

Crianças comem bolinho de barro para matar a fome no Haiti

Se você acha que sua vida está difícil, imagine para o povo do Haiti, principalmente para essas criancinhas.

17 Abr 2019 - 09h20Por Sorocabanice

A fome assola a maioria da população do Haiti. Um país devastado pela guerra civil e por desmandoS de políticos corruptos. As forças de paz do Brasil tentam mudar a realidade daqueles que vivem em meio ao caos. A Ong Rio, com projetos sociais, tenta disseminar a paz. A fome é a maior adversária de qualquer tentativa de pacificação desse gente. Foi duro ver crianças comendo biscoitos de barro para enganar a fome.

Confesso que fiquei emocionado ao assistir a excelente reportagem de Régis Resing, no Esporte Espetacular. Confira o vídeo e, logo abaixo, uma reportagem publicada no Jornal Vale Paraibano. Faz-nos refletir sobre as desigualdades sociais. Por que em muitos países há fartura, abundância, e em outros, como o Haiti, reina a miséria absoluta? Vale refletir.
O símbolo da miséria no Haiti é um biscoito feito de barro, água e manteiga. Batizado de “Té”, a receita serve para tapear a fome. Mulheres desesperadas coletam restos de construção e misturam com água e manteiga em tinas de plástico e metal velhas e sujas. Quando não há manteiga, elas usam apenas água. Raras vezes põem sal, produto de luxo.A massa encardida, da cor de argila, é espalhada em tablados de madeira ou metal e ganha a forma de biscoitos, parecidos com pequenas panquecas. As mulheres usam colheres para espalhar centenas desses biscoitos pelo chão para que sequem ao sol. Por causa da água, eles incham e depois endurecem.

Crianças comem o biscoito de barro ao longo do dia para, segundo Marie Timouche, 33 anos, ‘espantar a fome’. Ela diz que também vende um pouco da produção para outros moradores. “Dá até para ganhar um pouco de dinheiro”, diz ela, que é mãe de quatro crianças pequenas. Quando a família não recebe doações, o “Té” é a única refeição do dia.

O valeparaibano flagrou a produção do biscoito de barro em Cité Gerard, zona da grande Cité Soleil, a maior e mais violenta favela do Haiti. Lá vivem perto de 400 mil pessoas, 90% delas sem emprego formal e lutando diariamente para fugir da fome.

“Mange, mange, bon bagai”, dizem os haitianos ao recepcionar brasileiros nas ruas de Cité Soleil. Em creole, língua oficial do Haiti, a frase é quase um pedido desesperado: “Comida, comida, sangue bom”. Por causa do relacionamento de cinco anos com as tropas militares do Brasil, “bom bagai” (sangue bom) é o apelido que os brasileiros ganharam dos haitianos.

O futuro do Haiti está atrelado à luta contra a fome “mangu” em creole. “Mangu, mangu”, dizem as crianças pelas ruas, passando as mãos secas e enrugadas pela barriga inchada.

Todo o resto gravita em torno do combate à desnutrição crônica que afeta a população, em especial as crianças. “Sem elas, o que será do futuro do país?”, pergunta o médico Antonio Cyrise, que atende mulheres pobres no Centro de Saúde e Nutrição Rosalie Rendu, em Cité Soleil, administrado por religiosas brasileiras. No país, a mortalidade infantil chega a atingir 60% das crianças menores de cinco anos.

Na “Cozinha do Inferno”, como os brasileiros chamam a feira popular em Cité Soleil que atende 200 mil pessoas por dia, em meio à sujeira absoluta, Leanie Point Du Jour, 48 anos, luta contra a miséria vendendo pratos de ensopado com batata, inhame, banana e carne de boi. Cada refeição custa 5 gourdes, equivalente a R$ 0,24. “Vendo a panela toda”, comemora Leanie, mas reclamando que o dinheiro é insuficiente para sustentar a família.

Qualquer imagem de um país miserável fictício perderia para a realidade haitiana.

O que deve ser combatido primeiro? O presidente René Garcia Préval tem dificuldade em responder à pergunta formulada pelos próprios haitianos. Ele conta com a colaboração da ONU (Organização das Nações Unidas), que administra desde 2004 a missão de paz no Caribe, e espera a chegada de recursos internacionais.

Em abril, em Washington, diversos países prometeram ajudar o Haiti com US$ 324 milhões. Préval acredita que os recursos serão suficientes para gerar até 300 mil empregos. Até o final de junho, porém, nenhum centavo havia chegado aos cofres do país.

O BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento) aprovou investimentos de US$ 120 milhões para doações ao Haiti em 2010 a fim de ajudar o país a fazer investimentos em setores essenciais como infraestrutura, serviços básicos e prevenção de desastres. Atualmente, o BID financia 22 projetos no Haiti com um orçamento total de US$ 675 milhões.

Será suficiente? O general brasileiro Floriano Peixoto Vieira Neto, comandante da Minustah, acredita que a frágil estabilidade na segurança precisa ser mantida e ampliada para atrair investimentos internacionais.

Por outro lado, gangues armadas estão se unindo e esperando a criação de empregos e mudanças no plano social. Eles prometem pegar em armas caso a situação do país não mude.

Deixe seu Comentário

Leia Também

FÁTIMA DO SUL - NOVIDADES NO BOTICÁRIO
Make B. lança novos tons do seu queridinho iluminador, confira no O Boticário em Fátima do Sul
POLITICA
Governador diz que Bolívia quer posto alfandegário em MS
FOGO NA AMAZONIA
Macron diz que Bolsonaro mentiu, e Europa ameaça retaliar Brasil
TURISMO
Curtir a Cidade Maravilhosa com pacotes de viagens baratos
FUTEBOL - PAIXÃO NACIONAL
Uma estrutura confiável para resultados de futebol
LUTA MORTAL
Jacaré gigante arranca antebraço de caçador de recompensa
LUTO NA MÚSICA
Cantor morre após ser atacado brutalmente por animal
CRUELDADE
Bebê pode perder o pé após madrasta colocá-lo na água fervendo
MUNDO MEDONHO
Campanha pede a governo 82 mil bonecas infláveis para presos se “aliviarem”
INFANTICIDIO
Bebê morre após comer colher de sal dada pela mãe