Menu
SADER_FULL
domingo, 23 de setembro de 2018
LIMIT ACADEMIA
Busca
DR. SHAPE
POLÍTICA - OPERAÇÃO DA PF

Denúncia da JBS é retaliação por cobrança de impostos, diz Reinaldo

Denúncia da JBS é retaliação por cobrança de impostos, diz Reinaldo

13 Set 2018 - 14h55Por Redação/Assessoria

Após operação da Polícia Federal, o governador Reinaldo Azambuja apresentou esclarecimentos sobre as denúncias feitas por delatores da holding J&F, que controla a JBS. Ele declarou que as denúncias de Joesley e Wesley Batista foram uma retaliação à nova política de cobrança de impostos em Mato Grosso do Sul. 

“É momento de restabelecer a verdade para a população de Mato Grosso do Sul. Esse grupo [JBS] roubou o Brasil. Desviaram recursos em muitos estados brasileiros. E fizeram uma delação. Essa delação, inclusive que foi homologada pelo Ministério Público Federal, foi questionada pelo próprio Ministério Público, pedindo a anulação. Esse pessoal [JBS] era mal acostumado aqui em Mato Grosso do Sul. Eles tinham benefícios fiscais e pagavam poucos tribunos aqui no Estado. E nós enquadramos ele como enquadramos todas as cadeias produtivas”, disse em entrevista à TV Morena, nesta quinta-feira (13).

Reinaldo afirmou que o grupo pagava poucos tributos e fez a delação após um embate com o Governo do Estado, que acabou com os privilégios da empresa. “Nós igualamos os benefícios fiscais do grupo JBS, da holding H&F, [com os de outros frigoríficos] e posso dizer, com muita tranquilidade: eles saíram de R$ 41 milhões/ano, que pagavam até 2014, e no último ano, em 2017, pagaram R$ 199 milhõe de tributos”, pontuou.

Segundo ele, a partir daí, a JBS deu início a uma campanha suja e mesquinha contra o Governo. “Nós tivemos ali momentos extremamente tensos: ameaçaram fechar plantas, fecharam em Coxim, fecharam em Iguatemi, colocaram funcionários ali na Assembleia Legislativa quando o Estado pressionou a mudança dos incentivos fiscais, e nós enquadramos eles para pagar mais impostos”.

Na quarta-feira (12), Reinaldo prestou depoimento na Polícia Federal. Ele respondeu a 34 perguntas. “Eu queria falar, nunca tinham me dado a oportunidade”, alegou. Além disso, ele criticou o fato de a operação policial acontecer a apenas 20 dias da eleição. “Poderiam ouvir todos antes. Inverteram a situação: primeiro prendem e depois investigam”.

Caravana da Saúde

Na entrevista à TV Morena, Reinaldo Azambuja também falou sobre a regionalização da saúde, que está em implantação, e sobre a Caravana da Saúde. “A Caravana é um programa para suprir uma necessidade. A Caravana é para tirar da fila pessoas que ficaram anos esperando. Quando comecei o governo tinha 72 mil pessoas para fazer uma cirurgia. Pergunta para quem foi na Caravana da Saúde se não está contente. Foram 66 mil pessoas que passaram por uma cirurgia. Gente que estava aguardando a 10, 15 anos. Desculpem-me os críticos da Caravana da Saúde, mas enquanto houver uma pessoa para fazer a cirurgia, eu vou continuar, se for eleito, com a Caravana da Saúde”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PESQUISA IG - VEJA OS NÚMEROS
PESQUISA: Reinaldo pode vencer a eleição no 1º turno, aponta pesquisa do IG
VICENTINA - ALMOÇO NO PESQUEIRO
Confira o cardápio do delicioso almoço neste domingo no Pesqueiro 7 Bello em VICENTINA
OPORTUNIDADE DE EMPREGO
Prefeitura de Três Lagoas abre inscrições para concurso público
ACIDENTE FATAL
Cavalos na pista podem ter provocado acidente com vítima fatal no Anel Viário
ACIDENTE FATAL
Container tomba na empresa JBS e mata manobrista de carreta
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Homem se suicida após perseguir e matar esposa a facadas
ABANDONO
Fazendeiro é multado em R$ 320 mil após gado morrer de fome e sede
PESQUISA PARA FEDERAL
Rose Modesto já aparece em 1º, confira a lista em nova pesquisa para FEDERAL
AVANÇOU SINAL
Passageiras ficam feridas em acidente entre ônibus e carro
PESQUISA PRESIDENCIAL
Bolsonaro dispara em pesquisa na corrida presidencial no Mato Grosso do Sul