SUCURI_MEGA
FatimaNews - Notícias de Fátima do Sul e região
Fátima do Sul, 7 de Dezembro de 2016
RAÇA_ANIMAL_468
FARMÁCIA_DA_ECONOMIA_468
10 de Novembro de 2016 08h59

Brasil e Argentina fazem clássico da euforia contra a crise

Líder e elogiada mundo afora na era Tite

Globo Esporte

Brasil x Argentina. Mineirão, nesta quinta-feira, às 21h45 (horário de Brasília). Um superclássico de cenário inimaginável há pouquíssimo tempo atrás. Exercite sua memória:

Há cinco meses, as notícias sobre a seleção brasileira abordavam a vergonha da eliminação na primeira fase da Copa América Centenário, os palavrões de Neymar numa rede social pós-derrota para o Peru, e a possibilidade da troca de técnico para evitar a catástrofe de, pela primeira vez na história, ficar fora da próxima Copa do Mundo.

Há cinco meses, a imprensa argentina analisava os golaços de Messi no mesmo torneio, os 100% de aproveitamento e seu favoritismo diante das eliminações precoces de Brasil e Uruguai.

+ Veja tabela e classificação das eliminatórias sul-americanas para a Copa-2018

Só cinco meses, e tanta coisa mudou. Hoje, 10 de novembro, o Brasil lidera as eliminatórias para o Mundial de 2018, tem seu jogo elogiado até internacionalmente, um treinador com o nome gritado por onde passa, e voltou a figurar entre os favoritos aos principais títulos.

A Argentina, por sua vez, está em sexto lugar, fora da zona de classificação, resiste a uma crise institucional gigantesca, tem um técnico sem apoio popular ou da mídia local, e teme – agora o medo é deles – o vexame de não ir à Rússia em 2018.

O que aconteceu? Por que tudo mudou em tão pouco tempo? O GloboEsporte.com explica:

Header Brasil (Foto: Infoesporte)

SAI DUNGA, ENTRA TITE

Tite coletiva da seleção brasileira (Foto: Pedro Martins / MoWA Press)Tite melhorou o futebol e o astral da Seleção, com status de quase unanimidade (Foto: Pedro Martins / MoWA Press)

É inegável que a troca de técnico melhorou a Seleção. No lugar de Dunga, que não tinha apoio algum e já era isolado mesmo dentro da CBF, entrou Tite, atual campeão brasileiro com status quase de unanimidade. Carismático e eficiente, o sucessor conquistou rapidamente a simpatia da mídia e da torcida com uma equipe de cara mais moderna e atual, mais jovem, sem vícios ou rancores que eram cultivados pela comissão técnica anterior. O futebol melhorou.

RENOVAÇÃO EM JESUS

Gabriel Jesus Brasil Equador (Foto: Rodrigo Buendia / AFP)Gabriel Jesus tem quatro gols em quatro jogos: símbolo de esperança a longo prazo (Foto: Rodrigo Buendia / AFP)

Enquanto a Argentina sofre para encontrar novos atacantes, e mantém os mesmos há anos, o Brasil, apoiado na conquista da medalha de ouro na Olimpíada, alçou Gabriel Jesus ao posto de grande estrela quando o transformou em titular da Seleção principal, com a camisa 9 às costas. O garoto de 19 anos, já vendido pelo Palmeiras ao Manchester City, fez quatro gols em quatro jogos, superou expectativas e se transformou no frescor que o Brasil procurava na posição há anos, mas não conseguia encontrar.

SEM PICUINHAS

Marcelo Brasil x Colombia (Foto: Pedro Martins / MoWA Press)Marcelo voltou à Seleção com Tite e logo se tornou um dos destaques (Foto: Pedro Martins / MoWA Press)

Logo que assumiu, Tite disse que não herdaria nenhuma rusga pessoal da antiga comissão. Isso significava que jogadores com problemas pessoais com Dunga, como Thiago Silva e Marcelo, voltariam ao grupo. Não deu outra. O zagueiro, machucado no início da temporada europeia, ainda demorou a ser convocado, o que lhe custou a condição de titular diante das boas atuações de Marquinhos e Miranda, mas o lateral-esquerdo, de cara, recuperou sua posição e convenceu com ótimo desempenho frente a Equador e Colômbia. O grupo também reagiu bem à volta de ambos, já que são respeitados internacionalmente.

NEYMAR

Neymar com sua nova tatuagem na perna esquerda no treino da seleção brasileira (Foto: Pedro Martins/MoWa Press)Neymar com sua nova tatuagem na perna esquerda, no treino da seleção brasileira (Foto: Pedro Martins/MoWa Press)

Se a relação do atacante com Dunga e Gilmar Rinaldi era traumática, com a nova comissão técnica parece não haver problemas. Tite conseguiu o que parecia impossível: transformou Neymar em "mais um" jogador da Seleção. Evidentemente o mais talentoso de todos, mas não há mais aquela monopolização de assunto em cima do craque. Dentro de campo, ele rendeu. Fez gols contra Equador, Colômbia e Bolívia, e está pronto para pegar a Argentina dos amigos e companheiros de Barcelona, Lionel Messi e Javier Mascherano.

APOIO POPULAR

Torcida Brasil Honduras Maracanã (Foto: Reuters)Torcida apoia seleção brasileira em jogo no país (Foto: Reuters)

Se o sentimento de antipatia reinava entre o povo brasileiro e a Seleção, o jogo virou. Ao contrário de Dunga, Tite tem seu nome gritado por onde passa. Nesta quinta-feira, o Mineirão será palco do primeiro mosaico de apoio ao time. Qualquer coisa que o atual técnico faça, certa ou errada, tem votos de confiança da população, em razão de seu histórico vencedor. O apoio aproxima o torcedor e lapida ainda mais a confiança dos talentosos brasileiros.

Header Argentina (Foto: Infoesporte)

 

"O Tite argentino é Simeone, técnico de consenso entre torcida e imprensa após devolver o Atlético de Madrid a um lugar de privilégio, além de ter grande trajetória na seleção. O problema é que ele já disse “não” várias vezes. Se Bauza está hoje no cargo é justamente porque não havia um Tite. Foi uma eleição da comissão normalizadora que controla a AFA. Bauza é um técnico de emergência. Se os resultados da Argentina contra Brasil e Colômbia não forem bons, falarão sobre seu futuro no cargo. O Brasil se recuperou com a mão de Tite e não depende apenas de Neymar. A Argentina depende muito de Messi. Sem ele, ela não vence. Não há um time, vários jogadores são questionados, Aguero está no banco e Di Maria em seu pior momento pela seleção. A equipe nunca esteve fora da zona de classificação para a Copa do Mundo. É uma situação alarmante, e o objetivo é conquistar no mínimo quatro pontos para não passar o fim de ano com a angústia de estar fora da Copa. A pressão no início de 2017 poderia ser letal. A tabela é muito complicada para essa situação."(Sergio Maffei, jornalista do Diário Olé)

PRESSÃO

Messi argentina derrota final copa do mundo (Foto: André Durão)Messi lamenta vice-campeonato na Copa do Mundo de 2014, após derrota para a Alemanha (Foto: André Durão)

São 23 anos sem levantar qualquer taça importante. A cada jogo, o jejum e a pressão por títulos aumentam. Imprensa e torcida argentina não suportam mais ter o melhor do mundo e uma geração que prometia fazer com que a Argentina saísse da fila, mas sem nenhuma conquista. Com jogadores destaques em clubes europeus de ponta, a Argentina andou batendo na trave, somando quatro vices (as Copas Américas de 2004, 2007 e 2016, e a Copa do Mundo 2014).

POLÍTICA

A Associação de Futebol Argentino (AFA) atravessa uma de suas principais crises . Em maio, o governo decidiu intervir no processo eleitoral, devido a uma investigação sobre desvio de recursos do programa de apoio ao futebol no país. Em junho, após a perda da Copa América Centenário, para o Chile, o presidente da entidade, Luis Segura, renunciou ao cargo. Desde então, há uma junta regularizadora, presidida por Armando Pérez, e supervisionada pela FIFA, que toma decisões pela entidade. Em meio ao processo de investigação e à indefinição de comando, a AFA escolheu Edgardo Bauza como treinador, após recusas de Marcelo Bielsa e Jorge Sampaoli, preferidos pela opinião pública.

MUDANÇA DE TÉCNICO

Edgardo Bauza, técnico da Argentina (Foto: Rafael Araújo)Edgardo Bauza foi escolhido como técnico, mas está longe de ser unanimidade na Argentina (Foto: Rafael Araújo)

Após a derrota nos pênaltis para o Chile na Copa América Centenário, no Estados Unidos, o técnico Gerardo Martino pediu demissão. O treinador não conseguiu reunir 22 jogadores para representar a Argentina para a disputa da Olimpíada, em agosto. Diante das recusas de Bielsa e Sampaoli, Edgardo Bauza foi o escolhido. O treinador estreou com vitória - a única até aqui – diante do Uruguai, com Messi em campo. Depois, empatou duas vezes e perdeu em casa para o Paraguai. Bauza corre contra o tempo para que a mudança surta efeito para a Argentina.

MESSI PARADO

Messi com a perna esquerda toda pintada cobrindo tatuagens no treino da seleção da Argentina (Foto: AP Photo/Eugenio Savio)Messi desfalcou a Argentina nos últimos três jogos nas eliminatórias (Foto: AP Photo/Eugenio Savio)

Desde setembro de 2015, o camisa 10 enfrentou sete lesões: uma no ligamento no joelho, duas no rim e quatro problemas musculares. A última, no empate com o Atlético de Madrid, dia 21 de setembro, o afastou dos campos por quase um mês. Este problema muscular gerou até um atrito entre o Barcelona e Bauza, que criticou o tratamento no clube catalão. Desde que voltou, no jogo contra o La Coruña, dia 15 de outubro, o camisa 10 jogou todas as partidas os 90 minutos – cinco no total. Se existe algum questionamento sobre a saúde física de Messi, nesses jogos ele marcou oito gols e tentará ampliar sua marca contra o Brasil.

ENTRESSAFRA NO ATAQUE

Higuaín Argentina Chile Copa América (Foto: Getty Images)Higuaín resiste como principal centroavante da Argentina, enquanto o Brasil renovou com Jesus (Foto: Getty Images)

Higuaín e Aguero são dois dos mais importantes atacantes do mundo em seus clubes. Com as camisas de Juventus e Manchester City, respectivamente, são inquestionáveis, mas na seleção argentina não se firmam. Principalmente o primeiro, marcado pelos gols perdidos nas decisões da Copa do Mundo-2014 e das Copas Américas de 2015 e 2016. Messi mantém o alto nível, mas a seleção sempre teve grandes finalizadores, como Kempes, Batistuta e Crespo. Lucas Pratto, do Atlético-MG, é outra opção. O ataque argentino fez 11 gols em 10 jogos nas eliminatórias.

FICHA TÉCNICA

BRASIL: Alisson, Daniel Alves, Marquinhos, Miranda e Marcelo; Fernandinho; Paulinho, Renato Augusto, Philippe Coutinho e Neymar; Gabriel Jesus. Técnico: Tite

ARGENTINA: Romero, Zabaleta, Otamendi, Funes Mori e Más; Mascherano, Biglia, Enzo Pérez e Di Maria; Messi e Higuaín. Técnico: Edgardo Bauza

Data: 10/11/2016 Horário: 21h45 (de Brasília) Local: Mineirão, em Belo Horizonte-MG Árbitro: Julio Bascuñan (CHI) Auxiliares: Christian Schiemann e Marcelo Barraza (CHI) Transmissão: TV Globo, SporTV e GloboEsporte.com. O site abre sua transmissão às 20h e também acompanha em Tempo Real.

Comentários
Veja Também
FORTALEZA
AGÊNCIA_SUCURI_LATERAL
Nossa_Lojas
Últimas Notícias
  
AGÊNCIA_SUCURI_LATERAL
Eventos
dothCom © Copyright FatimaNews - Todos os Direitos Reservados.