Menu
SADER_FULL
domingo, 18 de agosto de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
AGÊNCIA BONITO THIAGO
cachaça envelhecida

Boteco inaugurado na década de 60 em MS tem cachaça encalhada há 50 anos

9 Out 2013 - 18h05Por Campo Grande News

Quem passar pela rua Terlita Garcia, no bairro Manoel Taveira, em horário comercial, com certeza verá o proprietário sentado na porta do “Bar do Jorge”. Na cadeira de cordas, com cachecol no pescoço (mesmo com um calor danado), o senhor de 86 anos não tira os olhos do movimento.

Não há ser humano com um pouquinho de curiosidade que siga o caminho sem entrar. Lá dentro, no teto, os baldes e vassouras à venda têm a poeira de, pelo menos, uns 20 anos. Mas é a cachaça o item mais antigo, conta o dono, Jorge da Silva.

Fotos: Marcos Ermínio

Um carregamento da legitima bebida brasileira foi comprado para a inauguração do bar, há 50 anos. Algumas garrafas estão lá desde então. O rotulo da Caninha Oncinha chega a estar duro de tão sujo. O valor é reajustado como qualquer outra bebida e hoje custa R$ 12,00.

Tão velhos, só os baleiros de tampas surradas, amassados como se já tivessem caído ao chão milhares de vezes, desde 1962.

Jorge nasceu em Pernambuco e desde os 7 anos vive longe dos pais. Foi parar na Amazônia, virou militar do Exército e depois decidiu apostar o que tinha em Campo Grande.

Chegou quando não havia nada na região, na saída de Rochedo. “Era só terra e eu”, lembra o senhor de fala lenta. “Os muros da escola, ajudei a construir como muita casa aqui”, conta.

Depois de casar duas vezes e ficar viúvo também na mesma conta, hoje ele vive sozinho no bar que já não tem clientela. “Tem dia que entra alguém para comprar bala ou uma pinga”, diz.

Os filhos ganharam o mundo e agora ele quer fazer o mesmo caminho. O trabalho ali já rendeu 8 assaltos, o último no dia 12 de setembro. Agora, ele anda com um porrete ao alcance da mão e uma atenção incrível para quem já passou dos 80.

O ar desconfiado, de quem fala sem querer dizer, só desaparece quando seu Jorge começa a planejar o futuro.

De repente, após muitas palavras arrancadas praticamente na marra, ele engata uma conversa animada e pede para a reportagem fazer o anúncio: “Diz que eu coloquei o bar à venda. Tenho dois lotes aqui. Quero me desfazer para ir morar com a minha filha em Andradina (SP)”.

Na árvore em frente ao bar, por falta de uma, são 3 placas anunciando a venda: “Vendo dois lotes por R$ 70 mil cada, sem desconto”.

Os imóveis estão em terrenos de tamanho 12X30. Foram comprados quando poucos se aventuravam na região. “Tô vendendo barato. Tem gente que diz que vale R$ 120 mil cada um”, garante o proprietário.

Para quem duvida do justo valor, ele acrescenta: “Aqui só se usa a verdade. Se for para eu mentir, vou deixar de ser homem”.

Para os interessados nos terrenos, seu Jorge pede para divulgar o número do telefone: 91719187.

Deixe seu Comentário

Leia Também

VICENTINENSE DE CORAÇÃO
Após 30 anos dividindo palco, Erika Figueiredo aposta no solo e lança clipe, ASSISTA
FATIMASSULENSES LANÇAM NOVO CD
Fatimassulenses Mazinho e Luciano lançam novo CD no domingo em Dourados
VICENTINA - ALMOÇO NO PESQUEIRO
VICENTINA: Domingo é dia de almoçar no Pesqueiro 7 Bello, Confira o cardápio
NOVELA GLOBAL
Camilo descobre segredo de Chiclete e Vivi em 'A dona do pedaço'
DEODAPOLENSE - TODOS NA TORCIDA
Deodapolense disputa o Babilon MMA 9 na Polônia nesta sexta-feira (16)
FÁTIMA DO SUL - NO GRAFITE DE LÁPIS
Para 'driblar' a depressão, Rotniel faz lindas esculturas em grafite de lápis em Fátima do Sul
CAIU NA REDE
Relação entre Carlinhos Maia e marido de Simone é descoberta e teria levado à separação
OPORTUNIDADE DE EMPREGO
Semed da capital abre processo seletivo para diversas vagas com salários de até R$ 1,4 mil
NOVELA GLOBAL
No capítulo 100 de 'A dona do pedaço', Maria da Paz conhece possível 'nova' filha
JATEÍ - CONQUISTA NO JUDÔ
JATEÍ: Projeto 'Judô Cidadão' conquista medalhas e vice-campeão no 10° Torneio João Rocha de Judô