Menu
LIMIT ACADEMIA
quarta, 16 de janeiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
CANTINA BAH
educação

Professores de escolas particulares temem a terceirização da educação

29 Out 2013 - 13h00Por Da Redação

Professores e funcionários de escolas particulares de Mato Grosso do Sul temem a terceirização da educação. Eles são contra o Projeto de Lei nº 4330/04, do deputado federal Sandro Mabel (PMDB) que permitiria a demissão dos empregados nas escolas, que, por sua vez, poderiam contratar empresas terceirizadas que ficariam responsáveis pelos funcionários, tirando a responsabilidade trabalhista das escolas. “Isso seria o caos principalmente para os alunos, já que a qualidade do ensino cairia drasticamente em todo o Brasil”, alertou Eduardo Botelho, presidente do Sintrae/MS (Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino no Mato Grosso do Sul).

“Os alunos passariam a não mais conhecer seus professores e perderiam esse importante vínculo para seu processo de aprendizagem”, afirmou Eduardo Botelho, prevendo que num ano escolar, por exemplo, os alunos poderiam ter diversos professores de uma mesma disciplina.

Além desse sério problema à qualidade do ensino, outro agravante da terceirização na educação seria o baixo salário dos professores. Afinal, as empresas terceirizadoras teriam que sobreviver e, obviamente, não seria às custas da direção da escola, mas dos salários que seriam pagos aos professores e funcionários terceirizados.

“Não temos dúvida alguma de que se esse projeto passar no Congresso Nacional, será o caos para a educação em todo o Brasil”, afirma o recém empossado presidente do Sintrae/MS. Ele citou exemplo do ensino à distância cujos números hoje expostos, demonstram que esse sistema deixa a desejar. Os índices de aprendizado são baixos, inclusive em Mato Grosso do Sul. E isso, segundo Botelho, devido à falta de relação pessoal entre a figura do professor e aluno.

O coordenador da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil – CTB em Mato Grosso do Sul, professor Ricardo Martinez Froes, diretor do Sintrae/MS, disse que as centrais sindicais estão fazendo grande pressão em Brasília para que esse “famigerado” projeto do deputado Sandro Mabel não seja aprovado. “Seria, de fato, o caos para a maioria dos trabalhadores brasileiros que além de perderem o vínculo empregatício com as empresas onde trabalham, teriam ainda que sustentar as empresas criadas para subcontratá-los. Vamos continuar a pressão para que nossos deputados e senadores nos ouçam e não aprovem esse projeto, pois seria um retrocesso trabalhista”, argumentou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOURADOS - UNIPAR EAD
Com 15% em qualquer um dos 25 cursos de Pós-Graduação para alunos egressos da Graduação EAD UNIPAR
COMOVENTE
Menino faz carrinho para gato andar novamente e comove: vídeo
REAJUSTE NACIONAL
MEC anuncia reajuste de 4,17% no piso salarial de professores
FÁTIMA DO SUL - ENSINO DE QUALIDADE
Fátima do Sul tem um diferencial em educação. Escola de Autoria de Tempo Integral: E.E. Vila Brasil
DEDICAÇÃO
O doutor mais jovem do Brasil é negro e filho de pedreiro e costureira
VESTIBULAR - UNIPAR EAD DOURADOS
Com nota máxima do MEC, confira os cursos oferecidos para o vestibular 2019 da Unipar EAD Dourados
CIDADANIA
Desempregado vende picolés e limpa lixo das praias
FAMILIA
"Sexo entre mulher com mulher é aberração", diz Damares em clínica para homossexuais
OPORTUNIDADE DE EMPREGO
Prefeitura de Dourados abre inscrições para profissionais de apoio educacional
INICIO DAS AULAS
Aulas na rede estadual de ensino começam no dia 18 de fevereiro