Menu
SADER_FULL
segunda, 20 de maio de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
ÁGUAS DE BONITO
CRISE

Taxa de desemprego acelera para 12,4% em fevereiro e atinge 13,1 milhões de pessoas

O Brasil tem ainda 39,676 milhões de trabalhadores na informalidade. Isso representa 43% do total da força do trabalho no país.

29 Mar 2019 - 09h33Por Extra

A taxa de desemprego ficou em 12,4% no trimestre encerrado em fevereiro, quando 13,1 milhões de pessoas buscavam uma vaga. Os dados são da pesquisa Pnad Contínua do IBGE e foram divulgados nesta sexta-feira. Nos três meses de setembro a novembro, que servem como base de comparação, a taxa havia ficado em 11,6% e o desemprego atingido 12,2 milhões de pessoas. Há um ano, a taxa estava mais alta: era de 12,6%.

Desde o trimestre encerrado em agosto, o número de pessoas sem emprego não rompia a barreira dos 13 milhões. O Brasil tem ainda 39,676 milhões de trabalhadores na informalidade. Isso representa 43% do total da força do trabalho no país.

A população ocupada, estimada em 92,1 milhões de pessoas, caiu 1,1% ou menos um milhão em relação ao trimestre encerrado em novembro. Mas cresceu no mesmo ritmo na comparação com o trimestre encerrado em fevereiro do ano passado.

Cimar Azeredo, coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE, explica que a alta da taxa já era esperada porque janeiro e fevereiro são dois meses de dispensa dos trabalhadores temporários contratados no fim do ano anterior. Essas dispensas, este ano, se deram basicamente divididas de forma igual entre setor público e privado. No caso do público, a maioria das dispensas foram de professores que não eram concursados. No setor privado, houve demissões consideráveis na indústria (-198 mil pessoas empregadas) em relação ao trimestre encerrado em novembro.

— Tal como a carteira de trabalho assinada, a indústria é um indicativo da atividade e econômica e houve dispensa significativa nesse setor, de trabalhadores homens e de baixa instrução — disse Cimar.

Por outro lado, o único grupo que cresceu foi o de transportes, alta de 133 mil pessoas em relação a novembro, puxada pelo setor de transporte de aplicativo.

— Basta você ter um carro para poder trabalhador, não disputa vaga com ninguém — explica o coordenador do IBGE.

Brasileiros fora da força de trabalhoSegundo o IBGE, no trimestre encerrado em fevereiro, um total de 65,7 milhões de pessoas não estavam trabalhando nem buscando uma vaga . Esse número representa uma alta de 1,2% de brasileiros nessas condições em relação ao mesmo trimestre de 2018.

A taxa de subutilização da força foi de 24,6%, outra alta em relação ao trimestre anterior, quando havia ficado em 23,9%. A população subutilizada, estimada em 27,9 milhões de pessoas, é recorde para a série histórica da pesquisa, iniciada em 2012. A alta foi de 900 mil pessoas em relação aos três meses encerrados em novembro do ano passado e mais 795 mil pessoas em relação ao mesmo período de 2018.

Os subutilizados são aqueles trabalhadores subocupados por insuficiência de horas trabalhadas (têm jornada inferior a 40 horas semanais e estavam disponíveis e gostariam de trabalhar mais), os desempregados, as pessoas que procuraram trabalho mas não estavam disponíveis para trabalhar por alguma razão e aqueles que estavam disponíveis para uma vaga mas não estavam procurando emprego porque haviam desistido da busca, os chamados desalentados.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ALERTA AOS POSTOS DE COMBUSTÍVEIS
Em MS, Preço do etanol acompanha alta da gasolina e entra na mira do MP
VICENTINA - SHOW CONFIRMADO
Confirmado, Maiara e Maraisa é uma das atrações dos festejos do aniversário de Vicentina
BONITO - MS - DICAS AGÊNCIA ECO TOUR
Saiba mais sobre alguns dos melhores atrativos de Bonito (MS)!
100 GRANA
Sem crédito, pagamento do Bolsa Família para em setembro, diz Guedes
HOSPITAL DE CAARAPÓ
Hospital recebe doação de R$ 70 mil em equipamentos através da Vara do Trabalho de Fátima do Sul
UNIGRAN - DOURADOS - VESTIBULAR DE INVERNO
Vestibular de Inverno na UNIGRAN para Publicidade e Propaganda com inscrições abertas em Dourados
CONTRA REFORMA PREVIDÊNCIA
Categorias aderem a mobilização nacional
GREVE NA EDUCAÇÃO
Após cortes na educação, governo Bolsonaro enfrenta hoje 1ª greve nacional
FÁTIMA DO SUL - MERCADO JULIFRAN
Ofertas da 'Quarta Verde' e as ofertas que vão até sábado no Mercado Julifran em FÁTIMA DO SUL
INVESTIMENTOS DO GOVERNO MS
Reinaldo se reúne com diretor da Itaipu para discutir construção de ponte