Menu
LIMIT ACADEMIA
domingo, 20 de janeiro de 2019
SADER_FULL
Busca
ITALÍNEA
agricultura

Preço de soja deve recuar 11% no próximo ano, com projeção de novo recorde no Estado

Conab estima que valor médio da saca no Mato Grosso do Sul será de R$ 45; neste ano

24 Out 2013 - 11h16Por Correio do Estado

Como reflexo do mercado externo, com safra 2013/14 mundial estimada em 281,71 milhões de toneladas - aumento de 5,28% em relação a 2012/13, a média do preço interno da saca da soja em Mato Grosso do Sul para janeiro do próximo ano deve ser de R$ 45,61, segundo relatório da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). O valor é 11,58% menor que o de 2013 (R$ 51,58) e representa queda de 24,84% em relação à média de 2012 (R$ 60,68), mas é superior aos valores de 2011 a 2008. O relatório alerta os agricultores para a perspectiva de preço de comercialização e conclui que “as paridades de exportação para a safra 2013/14 não sejam muito rentáveis como foram as duas últimas safras”.

A estimativa não é surpresa para o produtor de Maracaju e diretor-executivo do Sindicato Rural da Capital, Antonio de Moraes Neto. “Muita gente achava que ia vender a R$ 70 neste ano e muita gente está achando que vai vender e R$ 50, R$ 55 no que vem, mas a média que deve ficar é essa mesma: R$ 45”, avalia. Já o presidente da Associação dos Produtores de Soja (Aprosoja/MS), Almir Dalpasquale, tem uma opinião mais otimista para o mercado futuro, apesar de frisar que ainda é muito cedo para fazer projeções. “Agora é pura especulação. Não tem como saber o preço que estará em janeiro, tudo vai depender dessa safra que ainda está sendo plantada”, avalia. Ele prefere não arriscar uma média futura, mas diz que o valor estimado pela Conab pode ser “o piso”.

O produtor Moraes reclama que se vender por R$ 45, considerando o custo atual de R$ 43 por saca, vai sobrar apenas “um lucrinho”. Mas também pondera que o cenário pode melhorar, já que é influenciado por vários fatores. “Se conseguir produzir 60 sacas por hectare, o que é muito difícil porque a média é de 50, a rentabilidade melhora. Se a demanda crescer, por exemplo a China importar mais, ou as condições climáticas afetarem a produção dos Estados Unidos, esses preços podem mudar (melhorar), oscila muito o mercado”, pontua.
Moraes ainda frisa que o produtor brasileiro é mais penalizado com a cotação baixa porque os custos da produção aqui são maiores que de outros países; isso por conta da deficiência logística. “Lá (Estados Unidos), conseguem ter lucro maior mesmo com preço baixo de venda porque o custo é menor: tem estrada, o porto funciona”, ressalta. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

ABERRAÇÃO
Filhas solteiras de senadores ganham 33 mil reais. "Isso vai acabar", diz Bolsonaro
AUMENTO NA CONTA
Com recorde no gasto de energia em dezembro, conta de luz surpreende consumidores
ITAPORÃ
Agência Municipal de Emprego tem vagas disponíveis para esta segunda-feira 21
ROTEIRO ESPECIAL PARA O RIO DE JANEIRO
Roteiro diferente para continuar conhecendo o Rio de Janeiro
CANADÁ Á VISTA
Canadá busca um milhão de pessoas que queiram se mudar para trabalhar no País
100 FOLIA
Virou moda? Depois de Bonito e Jardim, Terenos também cancela carnaval
TAXA ALTA
Procon notifica Energisa a prestar esclarecimentos por não atender reclamações
OPORTUNIDADE DE EMPREGO
SED abre processo seletivo para educadores no Projovem com salários de até R$ 4 mil
FÁTIMA DO SUL - CARCARÁ IMÓVEIS
Terreno financiável de 450 M² no bairro Centro Educacional é com a Carcará Imóveis em Fátima do Sul
CARNAVAL É NO CAMPO BELO RESORT
Carnaval é no Campo Belo Resort, reserve já seu lugar nesse bloco - Confira os pacotes